Igualdades

O festival das emendas

Luigi Mazza, Camille Lichotti e Renata Buono
02nov2020_08h50

Em 2020, o presidente Jair Bolsonaro deu as chaves do cofre para o Congresso. O governo mais que dobrou o valor pago em emendas parlamentares – propostas feitas por deputados e senadores para redirecionar verbas do Executivo para determinada área ou programa. Foram desembolsados 17,4 bilhões de reais de janeiro a outubro. No mesmo período do ano passado, foram 7,7 bilhões de reais. Esses recursos servem tanto para suprir necessidades emergenciais – como tem sido o caso da pandemia – quanto para atender a demandas regionais dos parlamentares, que ganham peso em anos eleitorais. Esses dois fatores explicam o aumento dos gastos este ano. As emendas destinadas à Saúde, embora tenham crescido em valor absoluto, receberam a menor fatia das verbas desde 2016. Apenas 53% do dinheiro foi para a Saúde – em 2016, a proporção foi de 77%. Ao mesmo tempo, mais dinheiro foi parar em obras: as emendas destinadas ao Ministério do Desenvolvimento Regional triplicaram na comparação com 2019. O =igualdades desta semana mostra para onde foi o dinheiro que o governo liberou do Orçamento para atender às emendas do Congresso.

Em 2020, até meados de outubro, o governo Bolsonaro pagou R$ 17,4 bilhões em emendas parlamentares. É mais que o dobro do que foi pago no mesmo período do ano passado, quando o governo federal desembolsou R$ 7,7 bilhões. Embora 2020 não tenha acabado, já é o ano com maior volume de repasses em emendas parlamentares desde 2015.

A pandemia foi um dos fatores que puxou o aumento das verbas para emendas em 2020. No entanto, considerando a divisão proporcional dos recursos, a Saúde ficou com a menor fatia dos últimos anos. De janeiro a outubro de 2020, o governo pagou R$ 9,2 bilhões em emendas relacionadas à Saúde – valor que corresponde a 52,7%  dos R$ 17,4 bilhões gastos com todas as emendas. Em 2019, os repasses da Saúde representavam 64,2% do valor total. Em 2018, eram 68%. Em 2017, 65%. Em 2016, a Saúde concentrou 76,8% de todo o dinheiro pago em emendas parlamentares.

Em 2020, até outubro, o governo pagou R$ 2,3 bilhões em emendas parlamentares destinadas ao combate à pandemia. Desse total, R$ 2 bilhões foram emendas assinadas pelas bancadas estaduais. A cada 100 reais dessas emendas, 40 foram para a região Nordeste, 30 para o Norte, 17 para o Sudeste, 8 para o Centro-Oeste e 5 para o Sul.



Rogério Marinho tomou posse como ministro do Desenvolvimento Regional em fevereiro de 2020. No quesito emendas parlamentares, foi mais afortunado do que seu antecessor, Gustavo Canuto. De janeiro a outubro deste ano, o governo liberou R$ 3,3 bilhões em emendas parlamentares destinadas ao ministério. No mesmo período do ano passado, o valor liberado foi de R$ 1,2 bilhão. Ou seja, as verbas triplicaram. Os recursos liberados dizem respeito a emendas ao Orçamento apresentadas por deputados e senadores.

Em 2020, até outubro, cinco partidos concentraram metade do valor pago em emendas individuais de deputados e senadores. O MDB, partido que lidera o ranking, teve R$ 831 milhões em emendas executadas pelo governo. Em seguida vêm PT (R$ 801 milhões), PP (R$ 693 milhões), PSDB (R$ 670 milhões) e PSD (625 milhões). Somados, esses partidos tiveram R$ 3,6 bilhões em emendas pagas pelo Executivo.

O valor repassado para emendas de parlamentares do PSL deu um salto em 2020: cresceu nove vezes. De todos os partidos com representação no Congresso, foi o que teve maior aumento. Em 2019, de janeiro a outubro, a legenda recebeu R$ 51,9 milhões em emendas parlamentares. Em 2020, no mesmo período, foram R$ 459 milhões. Se forem consideradas só as emendas apresentadas e pagas no mesmo ano, o crescimento foi de dez vezes.

O senador e ex-presidente Fernando Collor de Mello (PROS-AL) foi o parlamentar com o maior valor de emendas pagas em 2020. Sozinho, teve R$ 19,2 milhões em emendas repassados pelo governo. Isso é mais do que o valor repassado em emendas destinadas diretamente à cidade de São Paulo nesse mesmo período (R$ 18,9 milhões).

Fonte: Senado Federal.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Camille Lichotti (siga @camillelichotti no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

7

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

8

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

9

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer