questões diplomáticas

O fim da subordinação

Com derrota de Trump, Brasil precisa fazer correção de rumos sem mais perda de tempo e prestígio

Marcos de Azambuja
10nov2020_10h28
Ilustração: Carvall
Ilustração: Carvall

Em 2016, Donald Trump mostrou que era um vencedor mesquinho e rancoroso. Agora, em 2020, mostra que é um perdedor mesquinho e rancoroso. A vitória não lhe inspirou grandeza e generosidade, e a derrota não lhe ensinou humildade e sabedoria. É  um homem perigoso e que, por temperamento e convicção, tem uma relação desconfortável e frágil com a verdade, com a decência e com os valores democráticos.

Não causou apenas danos a seu país, cuja estatura internacional diminuiu.  Contagiou outros com o vírus de seu populismo autoritário e seu desprezo pelas grandes causas de seu tempo: a proteção do meio ambiente e o reforço dos direitos humanos. Se não tivesse sido agora afastado do poder teria sido possível imaginar que mais quatro anos de sua administração poderiam  ter causado  danos talvez  irreversíveis  para uma ordem internacional  liberal que procurou, por muitos caminhos, desconstruir.

Não consigo colocá-lo  com naturalidade em algum ponto da linha de pensamento político tradicional  que se estende da esquerda à direita. Trump não é um conservador de moldes clássicos,  e suas posições, impulsivas e teatrais, parecem antes a consequência  de  considerações táticas  do que reflexo de um pensamento estruturado. Não quero conferir a seu oportunismo  qualquer  rótulo  que sugira alguma forma de respeitabilidade intelectual. Isso não o torna menos perigoso como um operador inescrupuloso e audacioso.

A eleição americana que acaba de se realizar mostrou que a democracia norte-americana guarda suficiente vitalidade  para afastá-lo legalmente do poder  pela força dos votos sem lhe dar a oportunidade de um segundo mandato. A vitória de Biden aconteceu, entretanto,   por uma margem mais tênue do que  as pesquisas antecipavam,  e fica a preocupação de que, apesar de tudo,  71 milhões de eleitores  viram em Trump e em sua promessa o caminho a ser seguido. Não é pouca coisa.



Ao fazer sobre ele o mais severo julgamento, não devo também esquecer que seus eleitores tinham muitas e boas razões para se sentirem  ignorados ou excluídos. A Guerra Fria terminou sem que aquela brilhante oportunidade histórica fosse bem aproveitada. A derrota do comunismo não levou o campo vitorioso a procurar, com empenho,  novos caminhos para aperfeiçoar o desenho das sociedades democráticas.  Pelo contrário: valorizou-se  o unilateralismo  em detrimento do multilateralismo; cresceu a arrogância dos vencedores e a escala da corrupção e acentuaram-se ainda mais as disparidades de renda e oportunidades entre uma pequena minoria e grandes contingentes que se sentiram marginalizados.

A isso se somou, especialmente nos Estados Unidos mas também na Europa Ocidental, o temor provocado por uma nova dinâmica migratória, a percepção da perda de empregos e competividade para  potências emergentes e o medo de que o eixo do poder se deslocasse, de forma rápida  e  inexorável, em direção a Ásia e, em particular, em favor da China. Trump soube explorar esses temores e preocupações. Mas foi, finalmente, sua insensibilidade frente à pandemia que deu o empurrão que faltava para que ele perdesse a Casa Branca, contrariando a tendência quase que invariável que favorece o ocupante do cargo  na luta por um segundo mandato.

Nos dois meses e pouco em que Trump continuará a ocupar a Casa Branca, haverá espaço e oportunidade para que cause ainda grandes estragos. Pela via judicial no desafio ao resultado das urnas, pela concessão de perdões presidenciais para os seus mais próximos e, talvez, quem sabe até para si mesmo. Não irá respeitar, suspeito, a liturgia da transferência construtiva do poder de uma administração para outra. Vai preferir deixar os ventos da desordem como herança para seu sucessor. Ainda nos reserva surpresas que  consigo temer sem conseguir claramente prever.

Deixa órfãos aqueles líderes autoritários que o viam como inspiração.  Orbán na Hungria,   Kaczynski na Polônia e, sobretudo, Bolsonaro no Brasil. Erdogan na Turquia e Putin, na Rússia, embora afins em boa medida em estilo e vocação autoritária,   tinham outras referências. Netanyahu em Israel mais usou Trump do que foi usado por ele. Não são tantos esses líderes que possam parecer uma tendência inevitável dos novos tempos. Também não são tão poucos  que sua  influência deva ser ignorada.

Desse grupo, Bolsonaro se destaca como aquele que expressou de forma mais subserviente uma admiração não crítica por Trump e procurou, de forma deliberada, usá-lo como modelo e referência. O Brasil é importante demais para que o governo Biden venha agora a  tomar atitudes que causem prejuízo a eles e a nós. Mas creio que a política exterior e a política ambiental  do Brasil vão ter que voltar a expressar, não por pressões que caberia resistir,  mas levadas pela inexorável natureza das coisas,  aquelas posições e discurso  de racionalidade construtiva que são as de nosso interesse, cultura e tradição. Com os Estados Unidos  regressando ao Acordo de Paris sobre o clima e agindo em questões de direitos humanos  em maior sintonia com as forças vitoriosas nas recentes eleições, certas posições recentes  brasileiras em foros internacionais ficam ainda mais difíceis de  serem defendidas e devem ser abandonadas. O nosso isolamento, tanto no  âmbito regional quanto no  mundial, ficará ainda mais evidente e oneroso.

A correção de nossos rumos pode e deve ser feita sem mais perda de tempo e prestígio. O nosso discurso deve ser revisto e alguns votos reformulados. Não é trabalho difícil para uma diplomacia profissional e tudo pode ser feito com umas poucas substituições de atores que ficaram comprometidos, de maneira irremediável,  com o que está sendo descartado. Para o Brasil,  haverá a satisfação do retorno ao que somos, e, para a sociedade internacional, o prazer de nos ter de volta como atores racionais e construtivos. Dessas eleições do dia 3 de novembro  nós também podemos sair vencedores ao recuperar uma autonomia comprometida com atitudes de subordinação incompatíveis com o que somos e pretendemos ser.  

 O crepúsculo do poder costuma ser atenuado  por gestos generosos de quem se retira. A perspectiva passa a ser a dos  longos prazos da história e do desejo de ser lembrado com afeto e respeito por quem permanece e por quem virá. Não vejo o presidente  agora derrotado sabendo ou querendo desempenhar esse  papel. Vai continuar a mentir e espernear.   A boa notícia é que, com a derrota de Trump,  estamos, enfim e simplesmente, chegando ao fim de um turbulento e inglório  episódio.  

Marcos de Azambuja

Diplomata, foi secretário-geral do Itamaraty e embaixador em Buenos Aires e Paris. É conselheiro do Centro Brasileiro de Relações Internacionais.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

7

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

8

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

9

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer