Igualdades

O novo cardápio dos brasileiros

Luigi Mazza e Renata Buono
13abr2020_11h36

O arroz com feijão e farinha é o prato basilar da dieta dos brasileiros, mas está desprestigiado. Nos últimos quinze anos, o consumo desses alimentos caiu 46% no país, ao passo que os produtos ultraprocessados inundaram o mercado e o cardápio das famílias. Os dados são da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE, que também mostra que, no Brasil, o prato de comida é um no topo da pirâmide e outro na base. No andar de cima, há mais que o dobro de comida, muitas frutas e cerveja. No andar de baixo, que abarca a maior parte da população, há muito sal e muito açúcar. O =igualdades fez um retrato do que os brasileiros comem em casa.

O consumo de arroz, feijão e farinha de mandioca caiu bastante nos últimos anos. Em 2003, a aquisição per capita desses alimentos nos domicílios era de 52 kg. Em 2018, passou a ser de 28 kg.

Nos últimos quinze anos, alimentos como feijão, arrozmacarrão e carne perderam espaço na dieta dos brasileiros, embora ainda sejam muito consumidos. Já a aquisição de ovos quase dobrou. Refeições prontas e alimentos industrializados também ganharam espaço.

A dieta do brasileiro médio é dividida assim: a cada 100 kg de alimento consumido, 50 kg são de alimentos in natura ou muito pouco processados (como arroz, feijão, ovos, carne, macarrão); 22 kg são de ingredientes processados (como óleo e açúcar); 18 kg são de alimentos ultraprocessados (como biscoitos, bolos e massa de pizza); e 10 kg são de alimentos processados (como pão e queijo).

Na divisão de faixas de renda feita pelo IBGE, o grupo mais pobre tem renda familiar mensal de até dois salários mínimos (até R$ 1,9 mil). Já o grupo mais rico tem renda superior a 15 salários mínimos (mais de R$ 14,3 mil). Ou seja, o grupo mais rico recebe, pelo menos, oito vezes o dinheiro que o grupo mais pobre recebe.

No grupo de famílias mais ricas, segundo os critérios do IBGE, cada pessoa consome uma média de 429 kg de alimentos e bebidas por ano. Isso é mais que o dobro do que consomem as pessoas nas famílias mais pobres (199 kg por ano).

Os alimentos ultraprocessados são mais consumidos entre os ricos. Um brasileiro do grupo mais pobre come, em média, 25 kg de alimentos desse tipo por ano. Já um brasileiro do grupo mais rico come, em média, 106 kg.

Os mais ricos, no Brasil, comem o dobro de frutas que os mais pobres, em média. Algumas frutas ilustram essa desigualdade de forma mais clara: a cada morango comido por uma pessoa do grupo mais pobre, 22 são consumidos por uma pessoa do grupo mais rico.

Os mais pobres comem mais sal e mais açúcar do que os ricos. Uma pessoa do grupo mais pobre consome, em média, 1,5 kg de sal por ano, enquanto um rico consome 1,3 kg. No caso do açúcar, a diferença é maior: um pobre consome, em média, 11,2 kg por ano, enquanto o rico consome 8,6 kg.

Enquanto uma pessoa do grupo mais pobre bebe, em média, 2 litros de cerveja por ano, uma pessoa do grupo mais rico bebe 15 litros.

Fonte: Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE; dados referentes ao período de julho de 2017 a julho de 2018.



Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Mãe porteira, filho educador

Jovem atua em projetos de educação popular que incluem biblioteca e pré-vestibular comunitários em favela da Zona Oeste do Rio

Margaritas, donuts e vacina

Com pacotes a partir de 50 mil reais por pessoa, turistas endinheirados fazem quarentena no Caribe antes de se imunizar nos Estados Unidos

Foro de Teresina #149: O Congresso entre a CPI, Bolsonaro e Lula

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_176

A capa e os destaques da edição de maio

“Queima” de cloroquina pré-CPI

Após 337 dias no ar, Ministério da Saúde apagou recomendação para uso da droga às vésperas de comissão ser instalada no Senado

Mais nebuloso e mais conservador

Professores respondem a tréplica de Benamê Kamu Almudras

Pseudônimo para quem?

De que forma um monólogo pode se esconder por detrás de um diálogo

Mais textos