anais da política

O pato, o general e o capital

Na Fiesp, 600 dos maiores empresários do país bajulam Mourão e cobram Bolsonaro

Fabio Victor
27mar2019_10h41
INTERVENÇÃO DE PAULA CARDOSO EM FOTOS DE LALO DE ALMEIDA E PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

Os grupos de direita que acamparam por meses em frente ao prédio da Fiesp, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, para pedir a derrubada de Dilma Rousseff já não estão mais por lá. O pato amarelo plantado no local, que simbolizou o apoio de primeira hora do empresariado paulista à deposição da petista, tampouco pode ser mais encontrado – aposentou-se compulsoriamente, por invalidez, quando ficou claro que o que movia o impeachment não era a briga para diminuir impostos ou ajustar a economia. Foi substituído por um sapo verde, em cuja pança está escrito: “Chega de engolir sapo.”.

O que não mudou, no edifício-cartão-postal da avenida Paulista, foi a capacidade do presidente da maior entidade empresarial do país, Paulo Skaf, de perceber os humores do dinheiro. Aos primeiros sinais de insatisfação do PIB com o governo Jair Bolsonaro – sintoma da incúria na articulação política palaciana, que levou o Planalto a sucessivas derrotas para tentar deslanchar sua proposta de reforma da Previdência, e da desorientação do próprio presidente –, Skaf preparou uma recepção de gala para o vice Hamilton Mourão.

Na tarde/noite de terça-feira (26/3), mais de 600 empresários foram à sede da Fiesp para ouvir Mourão. A diretoria da Fiesp se reúne a cada quinze dias; a da Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), uma vez por mês. Skaf resolveu juntar as duas, e fez uma reunião extraordinária em torno de Mourão. O maior auditório do edifício, com capacidade para 456 pessoas, não deu conta da audiência, e parte dos convidados teve de acompanhar a fala de Mourão de um telão instalado numa sala contígua.

Em um discurso de 35 minutos – na maior parte lido, mas entrecortado por cacos –, Mourão consolidou-se como contraponto liberal aos extremismos do bolsonarismo. É verdade que numa passagem o vice referiu-se ao presidente como alguém que “não é nem nunca será uma ameaça à democracia”. “Quero enfatizar que ele é um estadista, que não está pensando nas próximas eleições, mas nas próximas gerações.” Foi, aliás, o único trecho que Mourão publicou depois em sua conta no Twitter – como se não quisesse por enquanto mais problemas com Carlos Bolsonaro. Mas todo o restante do discurso destoou da pregação ideológico-paranoica de pai e filhos.



Primeiro Mourão tratou de afagar a plateia, falando da necessidade de uma reforma tributária. “As senhoras e senhores, como empresários e produtores, sabem muito bem o peso da carga tributária. Temos de reorganizar o sistema tributário e as taxas que incorrem sobre todos vocês.” Recebeu o primeiro grande aplauso. Pregou uma abertura ao capital estrangeiro “lenta, gradual e segura”. “Se não reorganizarmos o sistema tributário, uma abertura da noite para o dia do nosso país vai acabar com a nossa indústria” (mais aplausos).

Depois defendeu o diálogo com os parlamentares para aprovar a reforma da Previdência. “O Congresso representa a população brasileira. Ali está a imagem dos que votaram nos seus representantes. Nós temos que dialogar com eles, não fugir ao diálogo. Todos aqui sabem que minha experiência política é baixíssima, mas o bom senso tem que prevalecer nessas horas.” E pareceu mandar um recado a Bolsonaro. “Na instituição a que servi por 46 anos, a gente sempre dizia: o comandante não tem que ser aplaudido no pátio, o comandante tem que tomar decisões”.

Exaltou a globalização, o neoliberalismo, o capitalismo: “Os historiadores do futuro vão olhar para o final dos anos 1970 e início dos anos 1980 como um momento revolucionário na história social e econômica da história da humanidade. Naquela época pessoas como o [líder chinês] Deng Xiaoping, a [premiê britânica] Margaret Thatcher e o [presidente dos Estados Unidos] Ronald Reagan iniciaram um movimento que trouxe vida àquilo que hoje chamamos de globalização. E também surgiu aquilo que foi designado como neoliberalismo. O Estado organizar a sociedade e as leis e deixar de interferir nos mercados. Neoliberalismo nada mais é do que o direito intransigente à propriedade privada. Pois onde não há propriedade não há o único sistema econômico que deu certo no mundo, que é o capitalismo”. Atacou a Venezuela, “um caso clássico de destruição daquilo que o chamado socialismo pode produzir”.

Condenou o excesso de regulação e burocracia (“ainda somos o país do carimbo; na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, ainda circula papel, senhoras e senhores, isso é um absurdo”). Criticou o aumento do salário mínimo: “Governos anteriores aumentaram o salário mínimo acima da inflação e produziram contradição, em que classes desfavorecidas recebem menos que as mais favorecidas” (não explicou o raciocínio tortuoso).

Criticou a barafunda do MEC: “Precisa de um freio de arrumação.” Mencionou a necessidade de diminuir a desigualdade social: “[Temos de] melhorar as condições de vida dos que vivem nos cinturões de miséria que cercam as nossas grandes cidades, sem acesso a luz, água, esgoto e tendo suas necessidades básicas providas pelos representantes das narcoquadrilhas”. Falou de segurança pública, narcotráfico e sistema prisional.

Finalizou citando o presidente americano Franklin Roosevelt. “Quando terminarmos o nosso governo e entregarmos a faixa presidencial em 1º de janeiro de 2023, gostaríamos muito que nossa população, e em especial essa plateia, estivesse vivendo aquilo que o presidente Roosevelt, em seu discurso do State of the Union [Estado da União] em 1940, chamou de as quatro grandes liberdades humanas. Que vivamos sob a liberdade de expressão, a liberdade de religião, a liberdade de não sermos forçados a fazer aquilo que não queremos e principalmente a liberdade de não termos medo.”

Mourão terminou aplaudido de pé, e os empresários ouvidos pela piauí ao final do encontro se mostraram bem mais alinhados às ideias e métodos do vice do que às do presidente. “Quando o Mourão passa essa imagem de bom senso e de diálogo, acalma muito o mercado e o setor produtivo. É um contraste enorme com a família Bolsonaro”, disse o diretor do Grupo Amazonas (calçados), Saulo Pucci. “Espero que o presidente seja contaminado com esse espírito. Esse é um momento em que temos de diminuir as diferenças, não aumentar; temos de ampliar o diálogo, não restringir.”

Ingo Schmidt, executivo do setor de alimentos (preferiu não dizer de qual empresa) e investidor em start-ups, também se mostrou decepcionado com o presidente e entusiasmado com o vice. “Votei no Bolsonaro, fiz campanha para ele, mas a campanha acabou. Tem de tirar o celular dele. Ele só vai ganhar a população se mostrar serviço, não tuitando. Gostei bastante do Mourão, é extremamente capacitado, como a maioria dos generais. Passou segurança e estabilidade, está respaldado por essa casa [a Fiesp]. Está bem mais para estadista do que o Bolsonaro.”

Diretor do Simefre, sindicato da indústria de equipamentos rodometroferroviários, Francisco Petrini atribuiu o momento negativo de Bolsonaro à recuperação da cirurgia para se recuperar do atentado a faca sofrido na campanha. “Ele saiu há pouco de uma situação delicada, mas vai aprender. O Mourão, que é excelente, mas também o Heleno, o Santos Cruz e o Floriano Peixoto [outros ministros militares], vão ensinar.”

Roberto Paranhos do Rio Branco, ex-executivo da Brastemp e hoje empresário do setor imobiliário e integrante do Conselho de Inovação e Competitividade da Fiesp, também deu ao presidente um desconto pelos problemas recentes de saúde, mas alertou: “Eles [o governo] estão tentando se entender entre eles, mas está demorando mais do que deveria. Mourão fez o discurso que todo mundo gosta de ouvir. A dificuldade, como estamos vendo, é pôr em prática”.

Dublê de dirigente patronal e político, Paulo Skaf tentou por três vezes se eleger governador de São Paulo (2010, 2014 e 2018), foi derrotado em todas. Em 2017, foi reeleito para seu quarto mandato consecutivo como presidente da Fiesp. Se ficar até o final do mandato, em 2021, completará dezessete anos no cargo. No encontro de terça, Skaf se referiu aos empresários como “guerreiros que produzem empregos, investimentos e riquezas” e disse a Mourão que a presença dele ali significava a “abertura de um canal intenso e próspero entre a Fiesp e o governo Bolsonaro”.

Skaf apoiou Bolsonaro na eleição de 2018. Encontraram-se em novembro, com o capitão reformado já eleito, mas não depois da posse. Com o general Mourão já foram três reuniões desde o início do governo: a primeira aconteceu num almoço na casa de Skaf em São Paulo, em 17 de janeiro. Em 19 de fevereiro, Mourão recebeu Skaf e uma delegação da Fiesp em seu gabinete em Brasília. A desta terça reforçou o bom relacionamento – facilitado pela sintonia fina entre a entidade empresarial e os militares. A Fiesp mantém um Departamento de Defesa e Segurança, cujos titulares são oficiais da reserva das Forças Armadas, e promove anualmente um jantar em homenagem aos militares.

Na noite de terça, depois da reunião extraordinária na Fiesp, Skaf ofereceu um jantar a Mourão em sua casa, no Morumbi, com um número de convidados bem mais restrito, cerca de 30 empresários pesos-pesados, entre os quais Carlos Trabuco (Bradesco), Josué Gomes (Coteminas), Frederico Curado (Grupo Ultra), David Feffer (Suzano), Marcos Lutz  (Cosan) e Flávio Rocha (Riachuelo).

Enquanto o vice confraternizava com representantes de algumas das maiores fortunas do país, o governo Bolsonaro acumulou mais uma derrota no Congresso. Numa votação-relâmpago em dois turnos na Câmara, os deputados desengavetaram e aprovaram uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional), parada desde 2015, que engessa mais o Orçamento, diminuindo a autonomia do governo de decidir onde vai investir. Foi de lavada: 448 votos no primeiro turno e 453 no segundo turno. Até o partido de Bolsonaro votou contra o governo.

Fabio Victor (siga @fabiopvictor no Twitter)

Foi repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por vinte anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Mais textos
5

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

6

Lucrativa como chocolate

Ex-investidores de Wall Street e os herdeiros de Bob Marley disputam os bilhões da cannabis legalizada nos Estados Unidos

7

O labor de Papai Noel

Papai Noel demais em uma única noite de Natal

8

Temer estuda pedir Estados Unidos em casamento para Brasil não quebrar

Uma ideia ousada surgiu numa reunião de Michel Temer com seus assessores mais próximos nesta tarde. Moreira Franco sugeriu que “já está na hora de o Brasil arrumar um esposo” para não correr o risco de quebrar.

10

A hora mais escura – exigências da verdade

O filme dirigido por Kathryn Bigelow a partir do roteiro de Mark Boal tem duas fragilidades – a legenda na abertura e o close final de Maya, a analista da CIA interpretada por Jessica Chastain. Entre esses dois extremos, porém, há duas horas e meia de bom cinema.