portfólio

O último baile

A festa do jornalista Ricardo Noblat em Brasília parecia ser a celebração inverossímil de um governo claudicante. Quatro meses depois, é o retrato acabado de uma morte anunciada

Zuleika de Souza
11jul2017_16h43
Michel Temer, presidente da República
Michel Temer, presidente da República FOTOS: ZULEIKA DE SOUZA

Brasília, 7 de março, por volta das nove horas da noite. O jornalista Ricardo Noblat comemorava 50 anos de carreira. Para receber seus convidados foi fechado o restaurante Piantella, na capital do país, ponto de encontro de políticos, autoridades e imprensa por décadas. Naquela noite de lua crescente, mais uma vez, reuniu-se o novo, o velho e o de sempre da cena política brasileira.

Quando adentrou nos salões, o presidente Michel Temer foi saudado com entusiasmo. Ainda que, nos último seis meses, oito ministros tivessem sido destituídos do cargo – por suspeita de envolvimento em casos de corrupção –, ele mantinha a fleuma pública com demonstrações de força: a aprovação das reformas Trabalhista e Previdenciária pareciam questão de tempo. Os presidentes da Câmara e do Senado – Rodrigo Maia, do DEM, e Eunício Oliveira, do PMDB – haviam sido reeleitos com folga garantindo maioria ao governo. A proposta de emenda constitucional que congelava os investimentos públicos por vinte anos – outra vitória da base governista – fora aprovada. A economia dava sinais de melhora, a oposição estava acuada em um canto e os institutos de pesquisa ainda não haviam divulgado o baixíssimo índice de aprovação (10%, segundo CNI/Ibope) do novo mandatário do país. A turma tinha o que comemorar.

A noite era uma celebração com cara de volta ao passado. Passaram por lá Aécio Neves, José Serra, Moreira Franco – todos citados na Operação Lava Jato. Também os ministros do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes – presidente do Tribunal Superior Eleitoral, onde corria o processo que julgaria a cassação da chapa Dilma-Temer, absolvida em junho. Temer estava à vontade. Circulou abraçando amigos de longa data, correligionários e jornalistas da velha guarda brasiliense.

Meia hora depois de chegar, ele deixou o local. Rumou, como se sabe agora, para o Palácio do Jaburu, residência oficial. Tinha um encontro fora da agenda com Joesley Batista, diretor executivo do grupo J&F. O empresário levava em seu bolso um gravador para grampear o presidente. Com base nas gravações, Temer foi acusado pela Procuradoria-Geral da República de corrupção passiva: seu assessor e braço direito, o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, recebeu um suborno a mando de Batista – uma mala com 500 mil reais, entregue a ele em uma pizzaria.



Temer se tornou o primeiro presidente da República denunciado no exercício do cargo. Seu destino político está sendo julgado por seus pares. Na segunda-feira, dia 10, o deputado Sergio Zveiter, do PMDB, apresentou um parecer favorável ao prosseguimento das investigações contra Temer na Comissão de Constituição de Justiça da Câmara. Escreveu ele: “O presidente atendeu a Joesley Batista por livre e espontânea vontade, recebeu no exercício do cargo e para tratar de assuntos públicos, não republicanos.”

À frente, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. No fundo, o ex-ministro do STF Sepúlveda Pertence, ex-procurador-geral da República e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, e Marco Aurélio Mello, ministro do STF
À frente, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. No fundo, o ex-ministro do STF Sepúlveda Pertence, ex-procurador-geral da República e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, e Marco Aurélio Mello, ministro do STF

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, e Antônio Imbassahy, ministro-chefe da Secretaria de Governo do Brasil
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, e Antônio Imbassahy, ministro-chefe da Secretaria de Governo do Brasil

Michel Temer e Ricardo Noblat
Michel Temer e Ricardo Noblat

José Serra, senador pelo PSDB-SP, e Michel Temer
José Serra, senador pelo PSDB-SP, e Michel Temer

Moreira Franco, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência de Michel Temer
Moreira Franco, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência de Michel Temer

Paulo Delgado, ex-deputado federal e Aécio Neves, senador do PSDB-MG
Paulo Delgado, ex-deputado federal e Aécio Neves, senador do PSDB-MG

Miro Teixeira, deputado federal pela REDE-RJ, e Sepúlveda Pertence, ex-ministro do STF
Miro Teixeira, deputado federal pela REDE-RJ, e Sepúlveda Pertence, ex-ministro do STF

Marco Aurélio Mello e Cristiana Lôbo, jornalista da GloboNews
Marco Aurélio Mello e Cristiana Lôbo, jornalista da GloboNews

Ricardo Noblat fala aos convidados
Ricardo Noblat fala aos convidados

Michel Temer
Michel Temer

Ascânio Seleme, diretor de redação do jornal <i>O Globo</i>, Gilmar Mendes e Ricardo Noblat
Ascânio Seleme, diretor de redação do jornal O Globo, Gilmar Mendes e Ricardo Noblat

Marco Aurélio Mello e Moreira Franco
Marco Aurélio Mello e Moreira Franco

Aécio Neves, senador do PSDB-MG
Aécio Neves, senador do PSDB-MG

Toninho Drummond, ex-diretor regional da Rede Globo em Brasília, Murillo de Aragão, advogado, e Raul Jungmann, ministro da Defesa
Toninho Drummond, ex-diretor regional da Rede Globo em Brasília, Murillo de Aragão, advogado, e Raul Jungmann, ministro da Defesa

Michel Temer
Michel Temer

Errata: diferente do que foi publicado originalmente, o empresário Joesley Batista levava o gravador em seu bolso quando gravou a conversa com Temer, e não numa mochila. Informação atualizada às 11h15 do dia 12 de julho.

Zuleika de Souza

Zuleika de Souza é fotografa desde 1982. Trabalhou para o Jornal do Brasil, Correio Braziliense, IstoÉ, Veja e Vogue

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro vai pior que os prefeitos 

Segundo Ibope Inteligência, avaliação do presidente é negativa em metade das 26 capitais

“O presidente sou eu!” – quem diria?

Chico Rei Entre Nós e Verlust na Mostra Brasil

Retrato Narrado #5: O caminho até o Planalto

Muitos acontecimentos naqueles meses de 2018 surpreenderam, entre eles um atentado contra Bolsonaro.

De parceiro de condomínio a queridinho do PSL

Colega de escritório do vice-presidente do partido recebe 4,2 milhões de reais para disputar prefeitura do Recife, mas só tem 1% de intenção de voto

O banco imobiliário do PCC

Esquema de compra e venda de imóveis da facção criminosa movimentou 100 milhões de reais em 28 anos

Feira livre de Covid

Cientistas rastreiam transmissão em cidade turística alagoana e ajudam a criar protocolos sanitários para manter atividades econômicas

Mais textos