festival piauí de jornalismo

Perseguido na Nicarágua, jornalismo independente sobrevive no exílio

Da Costa Rica, Carlos Fernando Chamorro comanda veículo que critica governo totalitário de Daniel Ortega e cobra eleições livres

06out2019_21h15
João Moreira Salles, da piauí, e Natuza Nery, da GloboNews, mediaram a conversa com Carlos Chamorro, do portal Confidencial
João Moreira Salles, da piauí, e Natuza Nery, da GloboNews, mediaram a conversa com Carlos Chamorro, do portal Confidencial FOTO: TUCA VIEIRA

Não tem sido fácil fazer jornalismo independente na Nicarágua do presidente Daniel Ortega, que está no poder desde 2007. Seu regime tirou canais de tevê do ar, censurou emissoras de rádio e impôs barreiras alfandegárias que dificultaram a compra de tinta e papel pelos jornais impressos. Declarados inimigos do Estado, os profissionais da imprensa foram acusados de incitar o ódio e promover terrorismo. “Ortega disse que nós somos filhos de Goebbels”, disse o jornalista Carlos Fernando Chamorro, referindo-se ao oficial nazista que comandava a propaganda da Alemanha de Hitler.

Chamorro foi o convidado da mesa de encerramento do Festival Piauí de Jornalismo, realizado nos dias 5 e 6 de outubro em São Paulo na Faap. Foi entrevistado por João Moreira Salles, editor fundador da piauí, e por Natuza Nery, jornalista da GloboNews. O nicaraguense é cofundador e editor da revista Confidencial, além de apresentar e dirigir os programas de tevê Esta Semana e Esta Noche. É filho de Violeta Chamorro, que presidiu a Nicarágua entre 1990 e 1997, e de Pedro Joaquín Fernando Cardenal, um jornalista famoso em seu país que foi assassinado nos anos 1970, durante a ditadura da dinastia Somoza. Carlos Fernando participou da revolução sandinista conduzida por Ortega e votou nele na eleição que terminou com a vitória de Violeta. Fez oposição à mãe no comando do jornal Barricada, quando trocou definitivamente a militância pelo jornalismo.

Em dezembro de 2018, a polícia da Nicarágua ocupou a redação do Confidencial, que faz uma cobertura crítica ao governo totalitário de Ortega. Depois do episódio, o jornalista se exilou na Costa Rica, país vizinho à Nicarágua. No vídeo em que anunciou seu exílio, gravado já fora do país, Chamorro reafirmou seu “compromisso sagrado com a liberdade de imprensa e de expressão”. Seus programas foram tirados do ar na tevê aberta, mas continuam sendo produzidos e transmitidos pelas redes sociais.

Assim como Chamorro, metade da redação do Confidencial está exilada na Costa Rica e nos Estados Unidos, mas o resto da equipe permanece na Nicarágua. É graças a esses profissionais,  disse o editor, que ele consegue cobrir do exterior a vida política do seu país. “Meus olhos e meus ouvidos continuam na Nicarágua, são nossos repórteres”, afirmou. “Ocuparam a redação, mas não conseguiram nos fechar.” Chamorro não está só: quase uma centena de jornalistas nicaraguenses se exilaram. Vinte e três veículos digitais já surgiram no exílio, de acordo com números de Chamorro.

Na Nicarágua, os filhos de Ortega controlam quatro canais de tevê e dezenas de emissoras de rádio. Pelas contas de Chamorro, já beira 1400 o número de ataques que jornalistas sofreram de simpatizantes ao regime de Ortega. Um jornalista, Angel Gahona, foi assassinado enquanto cobria uma manifestação contra o governo. Chamorro considera que o país vive um estado de sítio desde que o líder criminalizou os protestos contra o governo em outubro de 2018. “Ninguém tem garantia absoluta sobre sua liberdade e sua integridade física na Nicarágua”, afirmou.

Chamorro disse que a crise uniu os jornalistas que ficaram no país. Repórteres colaboraram uns com os outros, compartilham informações e contam com a ajuda de pessoas comuns que gravam e filmam excessos do governo. “Os jornalistas fazem um trabalho de curadoria do fluxo de informação produzida pelos cidadãos empoderados com seus celulares para documentar a repressão e a resistência”, disse o nicaraguense.

Otimista com o futuro do jornalismo e da política de seu país, Chamorro acredita que Ortega cairá cedo ou tarde, diante do cenário de profunda crise econômica e da resistência crescente da população. “O governo está ilhado”, afirmou. Diferentemente do que aconteceu na revolução sandinista de 1979, ele disse que a população não quer conflito armado e não busca derrubar o regime, mas apenas antecipar eleições, promovidas de forma livre e transparente. “Trata-se de uma rebelião cívica”, afirmou. “O jornalismo vai poder contar a história de como foi possível mudar uma ditadura de forma democrática.”

 

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

4

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

5

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

7

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana