festival piauí de jornalismo

Quando mídia, ciência e universidade viram “inimigos”

Jornalista Jane Mayer aponta estratégias para reagir aos ataques de Trump à imprensa americana

05out2019_18h00
Jane Mayer (ao centro), repórter da revista The New Yorker, conversou com Malu Gaspar e André Petry.
Jane Mayer (ao centro), repórter da revista The New Yorker, conversou com Malu Gaspar e André Petry. FOTO: TUCA VIEIRA

Um governante que espalha notícias falsas pelas redes sociais, ataca os cientistas e o conhecimento especializado e faz troça com os repórteres, desacreditando o trabalho da imprensa junto à opinião pública. O relato pode soar familiar para os brasileiros, mas é a descrição que a jornalista norte-americana Jane Mayer fez do presidente Donald Trump na tarde deste sábado (05/10) no Festival Piauí de Jornalismo. Ela e seus colegas se veem diante de desafios inéditos desde que Trump foi eleito, no fim de 2016. “Nunca vi nada nem remotamente parecido com isso em minha carreira”, disse Mayer, que cobre o poder desde os anos 1980, quando o presidente era Ronald Reagan. 

Chefe da sucursal de Washington da revista New Yorker, onde trabalha desde 1995, Mayer é também professora de jornalismo na Universidade Princeton. No festival, a norte-americana foi entrevistada por Malu Gaspar, repórter da piauí, e André Petry, da Galápagos Newsmaking. A sexta edição do evento, que acontece no auditório da Faap, em São Paulo, reúne jornalistas de vários países em que a liberdade de imprensa está a perigo.

Mayer contou que o presidente norte-americano passou a se referir aos repórteres como “inimigos do povo americano” _ uma acusação que já foi usada na União Soviética de Stálin, na China de Mao Tsé-Tung e em outros regimes autoritários que mataram jornalistas. “Trump tenta deslegitimar o trabalho da imprensa para fazer o público achar que ele é a única fonte da verdade”, disse a repórter. “Nossa maior batalha como jornalistas é convencer o público de que somos dignos de confiança e que não somos inimigos do povo.” 

O jornalismo não é a única instituição atacada pelo presidente. “Trump ataca também a ciência, o Judiciário independente, os analistas da CIA que dizem coisas que ele não quer ouvir”, afirmou. “O padrão dele é deslegitimar todas as fontes independentes de informação e de poder.” 



Mayer discutiu também o papel que os irmãos Koch, bilionários americanos detentores de uma das maiores fortunas do mundo, tiveram na ascensão de Trump e nos ataques à ciência e à imprensa. Retratados no livro Dark Money, que ela lançou em 2016, os irmãos contrataram detetives para vasculhar a vida pessoal da jornalista em busca de algo que pudesse comprometê-la e chegaram a lançar contra ela acusações falsas de plágio. 

Os irmãos Koch fizeram fortuna no setor de petróleo e gás e financiaram iniciativas que negam a influência dos combustíveis fósseis e outras atividades humanas no aquecimento global em curso desde a Revolução Industrial. “O que eles conseguiram fazer foi confundir completamente o público ao longo de anos”, disse Mayer. O resultado é que os Estados Unidos estão na contramão do mundo, num caminho que o Brasil ameaça seguir, num momento em que o consenso da ciência está mais forte que nunca. “Estamos perdendo tempo, e não temos tempo a perder”, afirmou a jornalista. “É uma batalha da Idade Média contra o Iluminismo.”

Cobrir os discursos e coletivas de Trump, recheados de alegações falsas, é um dilema para Mayer e seus colegas. “Somos treinados para ser cuidadosos e buscarmos a verdade, mas passamos boa parte do tempo corrigindo as mentiras do presidente”, disse Mayer. Quando conseguem enfim comprovar ou desmentir uma alegação, continuou, o mandatário já fez outras cinco declarações questionáveis. “Estamos sempre correndo atrás dele.” Uma solução para evitar isso seria não dar visibilidade indevida às declarações de Trump. “O presidente vive de atenção”, disse Mayer. “Devíamos reproduzir seus tuítes num pequeno boxe ao lado dos resultados esportivos ou da previsão do tempo.”

Para Mayer, o declínio de jornais locais nos Estados Unidos e em outros países ajudou a minar a credibilidade da imprensa. Quando as pessoas se acostumam a ver os repórteres desses jornais cobrindo eventos políticos e esportivos comunitários, elas sabem que eles estão apenas tentando apurar o que está acontecendo, e não são inimigos do povo. “Seria saudável se encontrássemos meio para reconstruir a imprensa local, para ficarmos acessíveis e visíveis para a comunidade, e não só na tevê”, disse a norte-americana.

Leia também

Últimas Mais Lidas

No meio do fogo, entre o atraso e o retardante

Diante do avanço das queimadas no Pantanal, governo de Mato Grosso apela a produto químico de efeitos ainda desconhecidos no meio ambiente após longo tempo de uso

Dois trilhões de suspeitas

Documentos secretos do governo americano mostram como cinco bancos multinacionais ignoraram alertas e movimentaram dois trilhões de dólares de clientes investigados por crimes de todo tipo durante anos

Um calote de R$ 158 milhões

Grupo Schahin usou empresa de fachada para ocultar fortuna em processo de falência; documentos dos FinCEN Files organizados pelo ICIJ embasaram a reportagem

Praia dos Ossos: segundo episódio já está disponível

Podcast original da Rádio Novelo é publicado aos sábados

Cercados pelas chamas

Uma família encurralada em casa por um incêndio no Cerrado

Mais textos
1

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

2

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

4

Ray Kurzweil e o mundo que nos espera

Uma entrevista com o inventor e futurólogo americano

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

Juízes vão ganhar auxílio-greve

“Você já viu o preço de um megafone hoje em dia? Sabe quanto custa mandar fazer faixas, camiseta, alugar carro de som?” Com essas palavras o ministro Luiz Fux justificou a aprovação do auxílio-greve para juízes federais que farão parte da mobilização que tenta barrar o fim do auxílio-moradia aos magistrados

7

Pero sin perder la broma

A revista que inferniza a monarquia espanhola se adapta aos tempos de crise

10

Chiclete com Banana adere à gourmetização e muda nome para Shitake com Macadâmia

AMARALINA - Em reformulação desde a saída do vocalista Bell Marques, o grupo Chiclete com Banana resolveu dar uma guinada radical para se adequar aos novos tempos. "Se você é diferenciado / Vem dançar ao som do berimbau goumertizado / Se Caetano estacionou o carro no Leblon / Eu brindo a vida com Paleta e Chandon", cantarolou o novo vocalista da banda, João Doria Junior.