questões da República

Rua Silvia Celeste de Campos

02ago2018_12h09
ARTE: FABRIZIO LENCI_VAPOR324_2018

Casa adquirida por Maristela Temer em julho de 2011 por 1,3 milhão, em valores atualizados; imóvel foi reformado por 950 mil reais, sob supervisão da arquiteta Maria Rita Fratezi, mulher do coronel João Baptista Lima, amigo de Temer.

Leia a reportagem que mostra como a família do presidente acumulou um patrimônio em imóveis de 33 milhões de reais: íntegra do texto (para assinantes) ou resumo.

Acesse a página especial com detalhes da apuração.

Na lista de relacionadas, abaixo, os documentos dos outros imóveis mostrados na reportagem.

Leia também

Relacionadas Últimas

Infelizes como nunca

Pesquisa mostra que o brasileiro jamais se sentiu tão infeliz como na pandemia – e que o país é desigual até na infelicidade

Cinco anos para proteger dados sobre manutenção de veículos da Marinha e pesquisas aeroespaciais

Marinha mantém em sigilo por cinco anos documentos sobre veículos – mesmo tempo pelo qual a Agência Espacial Brasileira (AEB) oculta pesquisas sobre foguetes

Mais médicos mal formados

Em duas décadas, Brasil abriu 247 cursos de medicina – uns de excelência e outros onde falta de tudo, de microscópio a paciente para o aluno aprender procedimentos complexos

Até cem anos de sigilo para vacina de Bolsonaro e 41 para documentos americanos sobre ditadura no Brasil

Carteira de vacinação do presidente ficará em sigilo por até cem anos; papéis americanos sobre ditadura brasileira foram mantidos ocultos por 41 anos e 11 meses

Sangue e audiência

Plataformas de streaming apostam em crimes de repercussão nacional e, após sucesso de O Caso Evandro no Globoplay, Netflix responde com série documental sobre Elize Matsunaga

Atraso e confusão na segunda dose da vacina

Promessa de acelerar calendário de vacinação terá de concluir imunização de quem parou na primeira dose – pelo menos 1 milhão de pessoas em apenas oito estados do país

Até cem anos de proteção a Pazuello e cinco para quem denunciou milícia no Rio

Justificativa foi de que documentos continham informação pessoal; o de Pazuello ganhou sigilo de um século, e as cartas, de cinco anos

Mais textos