questões da opinião pública

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

José Roberto de Toledo
25abr2019_11h53

A experiência ameaça suplantar a esperança. Desde que Jair Bolsonaro começou seu mandato presidencial, caiu 13 pontos a proporção de eleitores que acham boa ou ótima a ideia de um governo militar no Brasil. Segundo pesquisa inédita do Ibope, em janeiro, logo após a posse, 62% dos brasileiros idealizavam os militares no poder. Foi um recorde, mas a presidência do ex-capitão do Exército não parece ter ajudado a sustentar tanta expectativa. Em abril, a taxa foi a 49%. Ainda é alta, mas a oposição ao governo militar ganhou força simultaneamente.

Em quatro meses, a fatia dos que acham o conceito de governo marcial ruim ou péssimo cresceu de 32% para 45%. Ou seja, os 30 pontos que separavam apoiadores de detratores da ideia viraram quatro. Os dois grupos estão no limite de um empate técnico, já que a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Para os que trocaram de lado, a experiência de ter um ex-militar no comando do país não está fazendo justiça à esperança que tinham nesse tipo de governo.

A diminuição do apoio ao poder fardado coincide no tempo e no tamanho com o desgaste de Bolsonaro. O presidente consumiu 14 pontos de sua popularidade nos mesmos quatro meses.

Desde janeiro o Ibope mede mensalmente a taxa dos que avaliam o governo Bolsonaro como ótimo+bom, regular ou ruim+péssimo. A curva da popularidade presidencial foi descendente em fevereiro e março, e estabilizou em abril. O ótimo+bom caiu de 49% para 39% do primeiro para o segundo mês de governo, foi a 34% no terceiro e oscilou para 35% no quarto. No mesmo intervalo, a taxa de ruim+péssimo cresceu todo mês: de 11% para 19% em fevereiro, para 24% em março e 27% em abril. O percentual de regular foi de 26% para 34% entre janeiro e março, e oscilou para 31% em abril. Em quatro meses, a proporção dos que não souberam avaliar o governo caiu à metade. Foi de 14% para 7%.

Para a CEO do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari, a realidade não está correspondendo à expectativa, e, por isso, o otimismo da população em relação ao governo militar se acomodou em um novo patamar, mais modesto. “Não é um movimento ideológico da opinião pública. É pragmático. O governo não está atendendo as expectativas quanto aos problemas mais imediatos das pessoas: emprego, saúde, educação e segurança”, avalia Márcia. “A expectativa do público era de que Bolsonaro fosse um governante forte, que resolvesse. Se não resolve, impacta negativamente todo o governo. E os militares são parte do governo.”



São parte importante do ministério, para desgosto do primeiro-astrólogo, Olavo de Carvalho, que dia sim e dia também usa as mídias sociais para atacar os generais embrenhados no governo Bolsonaro, e, em especial, seu vice-presidente, Hamilton Mourão. Nos últimos dias, a crise se intensificou com a sequência de tuítes e vídeos no YouTube que Carlos Bolsonaro, o filho vereador do presidente, vem dirigindo contra Mourão – a despeito da infrutífera tentativa de seu pai de acabar com o imbróglio.

O que a pesquisa inédita do Ibope demonstra é que a ideia de um governo militar só é majoritariamente aceita pelos brasileiros quando eles não estão no poder. Diferentemente do que diz o primeiro-astrólogo, os generais não “entregaram o poder aos comunistas”, ou seja, aos civis, por livre e espontânea vontade. Entre outros motivos, a ditadura acabou porque perdeu popularidade. Os 21 anos de torturas, desmandos e crises econômicas desgastaram os militares junto à opinião pública. As consequências negativas sobre a imagem dos generais como governantes se estendera por décadas após o fim da ditadura.

Para demonstrar isso, é necessário explicar como foi feita a medição. A pedido da piauí, o Ibope incluiu uma pergunta nas rodadas de janeiro e abril do BUS – a pesquisa-ônibus que o instituto faz mensalmente em todo o país juntando questões de diferentes clientes sobre temas diversos. A pergunta repetiu a formulação do World Values Survey, para que o resultado fosse comparável aos das pesquisas feitas sobre o tema no Brasil em 1997, 2006 e 2014: “Vou descrever alguns tipos de sistemas políticos e gostaria de saber o que o senhor pensa sobre cada um deles como modo de governar o país. Para cada um, diga se é ótimo, bom, ruim ou péssimo?” Uma das opções é “ter um governo militar”.

Nas três primeiras medições, a maioria dos brasileiros achava a ideia de um governo militar no país ruim ou péssima: 52% em 1997, 62% em 2006 e 60% em 2014. Foi só depois do movimento pelo impeachment de Dilma Rousseff, que ganhou as ruas em 2015, que a tendência se inverteu. As manifestações na avenida Paulista, em São Paulo, por exemplo, eram pontuadas por faixas e carros de som que faziam a apologia de uma intervenção militar.

O sucesso do impeachment e o fracasso popular do governo que sucedeu ao de Dilma, capitaneada pelo MDB de Michel Temer, deram novo impulso ao saudosismo militarista. A onda foi quebrar na campanha eleitoral de 2018 e foi surfada com êxito não apenas por Bolsonaro mas por dezenas de candidatos que usaram suas patentes militares na urna e acabaram eleitos deputados, senadores e governadores. Foi, ao que sugerem os novos números do Ibope, um momento de exceção. Bastaram quatro meses de experiência de um governo militarizado para derrubar a taxa de popularidade dos militares.

Em alguns segmentos da sociedade, a decepção com a experiência já equilibrou, se equivale ou mesmo supera a esperança em um governo fardado. Há empate entre ótimo+bom e ruim+péssimo entre os brasileiros que estudaram até o ensino médio. Entre quem fez faculdade já houve uma reversão: 54% passaram a rejeitar militares no poder, contra 43% que ainda acham uma boa ideia. O principal segmento que ainda dá uma pequena vantagem aos que apoiam os militares é o dos evangélicos, entre os quais 57% acham bom ou ótimo um governo fardado. Mas mesmo entre eles o apoio está em queda. Sinal disso foi que um dos líderes evangélicos no Congresso, o deputado Marco Feliciano (Podemos-SP), apresentou o pedido de impeachment de Mourão – pedido que foi rejeitado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

PT reelege, mas não renova

Se não fosse pelos prefeitos com mandato renovado, partido de Lula definharia ainda mais; siglas de direita como o Democratas avançam sobre adversários

Arco-íris na urna

Pelo menos 89 pessoas LGBT foram eleitas para as Câmaras Municipais em 69 cidades

A hora do Arenão

DEM e PP, oriundos do partido que deu sustentação à ditadura, elegem 1 140 prefeitos e lideram crescimento da velha direita

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas primeiras doses já estão encomendadas para poucos e ricos países

Mais textos
2

O funcionário que não pediu perdão

Condenado por cumplicidade em crimes contra a humanidade, Maurice Papon é enterrado com a Légion d'honneur no peito

3

Molho rápido de atum

Hoje o almoço precisava sair num relâmpago e optamos por um clássico do tempo apertado, o molho de atum. As quantidades da receita abaixo podem ser dobradas e temos uma população flutuante – e hoje foram dezesseis pessoas. Usamos quatro latas de atum sólido para quase dois pacotes de massa. Mas bem que poderíamos ter usado cinco ou seis, pois quanto mais atum, melhor.

4

Sem almoço no FT

Martin Wolf alerta para os perigos da aliança entre a classe trabalhadora e a direita xenófoba

5

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

7

Deodoro desabafa com Floriano

Nesta carta de 21 de Agosto de 1890, dirigida a Floriano Peixoto, uma das mais contundentes e irônicas da correspondência conhecida entre os dois grandes líderes militares dos primórdios da República, marechal Deodoro da Fonseca deixa transparecer claramente seu aborrecimento.

9

A igreja de Warren Buffet

Fé e fundamentos em Omaha

10

Nota sobre o calabouço

Brás Cubas e os castigos aos escravos no Rio