questões da opinião pública

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

José Roberto de Toledo
25abr2019_11h53

A experiência ameaça suplantar a esperança. Desde que Jair Bolsonaro começou seu mandato presidencial, caiu 13 pontos a proporção de eleitores que acham boa ou ótima a ideia de um governo militar no Brasil. Segundo pesquisa inédita do Ibope, em janeiro, logo após a posse, 62% dos brasileiros idealizavam os militares no poder. Foi um recorde, mas a presidência do ex-capitão do Exército não parece ter ajudado a sustentar tanta expectativa. Em abril, a taxa foi a 49%. Ainda é alta, mas a oposição ao governo militar ganhou força simultaneamente.

Em quatro meses, a fatia dos que acham o conceito de governo marcial ruim ou péssimo cresceu de 32% para 45%. Ou seja, os 30 pontos que separavam apoiadores de detratores da ideia viraram quatro. Os dois grupos estão no limite de um empate técnico, já que a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Para os que trocaram de lado, a experiência de ter um ex-militar no comando do país não está fazendo justiça à esperança que tinham nesse tipo de governo.

A diminuição do apoio ao poder fardado coincide no tempo e no tamanho com o desgaste de Bolsonaro. O presidente consumiu 14 pontos de sua popularidade nos mesmos quatro meses.

Desde janeiro o Ibope mede mensalmente a taxa dos que avaliam o governo Bolsonaro como ótimo+bom, regular ou ruim+péssimo. A curva da popularidade presidencial foi descendente em fevereiro e março, e estabilizou em abril. O ótimo+bom caiu de 49% para 39% do primeiro para o segundo mês de governo, foi a 34% no terceiro e oscilou para 35% no quarto. No mesmo intervalo, a taxa de ruim+péssimo cresceu todo mês: de 11% para 19% em fevereiro, para 24% em março e 27% em abril. O percentual de regular foi de 26% para 34% entre janeiro e março, e oscilou para 31% em abril. Em quatro meses, a proporção dos que não souberam avaliar o governo caiu à metade. Foi de 14% para 7%.

Para a CEO do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari, a realidade não está correspondendo à expectativa, e, por isso, o otimismo da população em relação ao governo militar se acomodou em um novo patamar, mais modesto. “Não é um movimento ideológico da opinião pública. É pragmático. O governo não está atendendo as expectativas quanto aos problemas mais imediatos das pessoas: emprego, saúde, educação e segurança”, avalia Márcia. “A expectativa do público era de que Bolsonaro fosse um governante forte, que resolvesse. Se não resolve, impacta negativamente todo o governo. E os militares são parte do governo.”

São parte importante do ministério, para desgosto do primeiro-astrólogo, Olavo de Carvalho, que dia sim e dia também usa as mídias sociais para atacar os generais embrenhados no governo Bolsonaro, e, em especial, seu vice-presidente, Hamilton Mourão. Nos últimos dias, a crise se intensificou com a sequência de tuítes e vídeos no YouTube que Carlos Bolsonaro, o filho vereador do presidente, vem dirigindo contra Mourão – a despeito da infrutífera tentativa de seu pai de acabar com o imbróglio.

O que a pesquisa inédita do Ibope demonstra é que a ideia de um governo militar só é majoritariamente aceita pelos brasileiros quando eles não estão no poder. Diferentemente do que diz o primeiro-astrólogo, os generais não “entregaram o poder aos comunistas”, ou seja, aos civis, por livre e espontânea vontade. Entre outros motivos, a ditadura acabou porque perdeu popularidade. Os 21 anos de torturas, desmandos e crises econômicas desgastaram os militares junto à opinião pública. As consequências negativas sobre a imagem dos generais como governantes se estendera por décadas após o fim da ditadura.

Para demonstrar isso, é necessário explicar como foi feita a medição. A pedido da piauí, o Ibope incluiu uma pergunta nas rodadas de janeiro e abril do BUS – a pesquisa-ônibus que o instituto faz mensalmente em todo o país juntando questões de diferentes clientes sobre temas diversos. A pergunta repetiu a formulação do World Values Survey, para que o resultado fosse comparável aos das pesquisas feitas sobre o tema no Brasil em 1997, 2006 e 2014: “Vou descrever alguns tipos de sistemas políticos e gostaria de saber o que o senhor pensa sobre cada um deles como modo de governar o país. Para cada um, diga se é ótimo, bom, ruim ou péssimo?” Uma das opções é “ter um governo militar”.

Nas três primeiras medições, a maioria dos brasileiros achava a ideia de um governo militar no país ruim ou péssima: 52% em 1997, 62% em 2006 e 60% em 2014. Foi só depois do movimento pelo impeachment de Dilma Rousseff, que ganhou as ruas em 2015, que a tendência se inverteu. As manifestações na avenida Paulista, em São Paulo, por exemplo, eram pontuadas por faixas e carros de som que faziam a apologia de uma intervenção militar.

O sucesso do impeachment e o fracasso popular do governo que sucedeu ao de Dilma, capitaneada pelo MDB de Michel Temer, deram novo impulso ao saudosismo militarista. A onda foi quebrar na campanha eleitoral de 2018 e foi surfada com êxito não apenas por Bolsonaro mas por dezenas de candidatos que usaram suas patentes militares na urna e acabaram eleitos deputados, senadores e governadores. Foi, ao que sugerem os novos números do Ibope, um momento de exceção. Bastaram quatro meses de experiência de um governo militarizado para derrubar a taxa de popularidade dos militares.

Em alguns segmentos da sociedade, a decepção com a experiência já equilibrou, se equivale ou mesmo supera a esperança em um governo fardado. Há empate entre ótimo+bom e ruim+péssimo entre os brasileiros que estudaram até o ensino médio. Entre quem fez faculdade já houve uma reversão: 54% passaram a rejeitar militares no poder, contra 43% que ainda acham uma boa ideia. O principal segmento que ainda dá uma pequena vantagem aos que apoiam os militares é o dos evangélicos, entre os quais 57% acham bom ou ótimo um governo fardado. Mas mesmo entre eles o apoio está em queda. Sinal disso foi que um dos líderes evangélicos no Congresso, o deputado Marco Feliciano (Podemos-SP), apresentou o pedido de impeachment de Mourão – pedido que foi rejeitado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).



José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder perguntas vitais que permanecem sem resposta desde o começo da pandemia

A sutil arte de ligar o BBB

Com 77 milhões de menções no Twitter, programa deixou para trás Bolsonaro, Covid, vacina e futebol; Globo acolhe Karol Conká em “operação descancelamento”

Vacina atrasada, variante acelerada

Ritmo lento de imunização aumenta risco de disseminação de mutações do Sars-CoV-2

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais textos
3

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

A representação de Eva

Sua beleza exercia sobre mim um fascínio irresistível, mas meu pai a chamava de bataclana. De Perón, ele não perdoava o presente. De Eva, além do presente, era imperdoável o passado

5

The Ziriguidum Herald: Desfile das Pronatecs de Samba do Grupo Especial

O tradicional desfile das Escolas Técnicas do Samba, implementadas com indiscutível êxito no governo Dilma, ocorrerá no Eixo Monumental. Em portentosa exibição, as escolas prometem sacudir a poeira da Capital Federal exaltando os feitos petistas que a imprensa golpista insiste em difamar.

6

Kendry quer ser rainha

A pequena candidata do povo

7

The Presidential Laquê Herald

Para boa parte dos brasileiros, o primeiro adjetivo que vem à mente quando se menciona o penteado presidencial é “glorioso”. Nada mais natural. Com a possível exceção de Nefertite, cujo adereço capilar seduziu não só Amenófis IV mas todo o Alto Nilo, em 3 mil anos de História nenhum outro chefe de Estado soube usar tão bem suas melenas para cativar o mundo civilizado. O que pouca gente sabe, no entanto, é que o laquê rousseffiano é bem mais do que um ardiloso instrumento de fascínio. 

8

Dois mestres americanos do desenho

Uma edição com David Levine, Robert Crumb e também com as tiras do gaúcho Rafael Sica

9

Período em silêncio faz popularidade de Marina subir 30%

LIMBO - Quando certa manhã Marina Silva acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se na cama metamorfoseada em candidata novamente. "Durante o período mais agudo da Lava Jato, Marina permaneceu em silêncio