questões cinematográficas

Toni Erdmann – provocador e divertido

Além do boca a boca favorável, o que terá levado alguém a imaginar que o inquietante filme pudesse ser um bom programa?

Eduardo Escorel
24mar2017_14h24

Casa cheia domingo à noite. O que terá feito aquelas cento e poucas pessoas sairem de casa para assistir ao perturbador filme de Maren Ade, em um dia frio e chuvoso? Ser anunciado como “comédia dramática” pesou a favor da escolha de Toni Erdmann? E o Bonequinho do Globo, aplaudindo de pé, terá influído? Além do boca a boca favorável, apesar de haver respeitáveis vozes discordantes, o que terá levado alguém a imaginar que o inquietante filme pudesse ser um bom programa? É pouco provável que a maioria daqueles espectadores dominicais soubesse que um fato incomum aconteceu ano passado, na sessão da crítica de Toni Erdmann no Festival de Cannes: houve uma irrupção espontânea de aplausos em meio à projeção.

Inusitado, Toni Erdmann pega de surpresa quem não estiver preparado. Mas, quem poderia estar preparado para testemunhar as intervenções desconcertantes do alter ego de Winfried, professor de música idoso e doidão que se maquia, usa perucas e uma dentadura postiça? A força do filme, além das atuações brilhantes de Peter Simonischek, como Winfried/Toni Erdmann, e Sandra Hüller, como Ines, a filha yuppie de Erdmann, está em parte no modo simples de Ade filmar, na ironia que permeia o desenrolar da trama e, principalmente, no contraste entre o realismo da encenação e as sucessivas situações absurdas criadas por Erdmann.

Toni Erdmann consegue provocar um duplo constrangimento – aos personagens com os quais Erdman interage e aos espectadores do filme diante de algumas situações difíceis de testemunhar. O primeiro embaraço é a principal matéria prima do enredo, o segundo resulta da imaginação e modo de encenar de Ade, roteirista e diretora inspirada, conforme declarou, na sua própria experiência de vida, em especial na de seu pai.

Há um lado lúdico nas peças que Erdman prega, sem outro objetivo a não ser o de desconcertar práticas habituais e se divertir. São brincadeiras gratuitas, relativamente inofensivas, como a da primeira cena do filme, na qual um mensageiro, na tentativa de entregar uma encomenda, mal consegue manter a compostura.

Um propósito definido predomina, porém, na performance de Erdman. Sua missão é abalar a rigidez da filha, mais aparente do que real. Tarefa à qual ele se dedica com afinco ao longo de todo o filme, com algumas vitórias momentâneas e inconclusivas. No final, Ines parece ter reassumido a postura da sua persona convencional.



Maren Ade
Maren Ade
Ade definiu a personagem melhor do que qualquer um seria capaz. Ines “não é uma mulher reprimida”, declarou. “Eu a vejo como uma mulher que está se tornando mais consciente de que ela está engolindo coisas que não deveria engolir e que só quem pode mudar as coisas é ela mesma.” Quem assistiu a Toni Erdmann não terá dificuldade de entender o duplo sentido, metafórico e literal, dessa definição.

Entrevistas de diretores e diretoras são sempre arriscadas e Ade não deixa de derrapar, mas se recupera logo em seguida. Induzida pelo entrevistador, ela diz que Toni Erdmann é “sobre globalização e capitalismo e o que ambos fazem conosco, com nossas relações”. Ups! Essa é de doer. Ainda bem que nem todo mundo lê essas entrevistas. Ade, porém, na verdade, escapa do vexame completo ao qualificar melhor o que acabou de dizer e citar, em seguida, Asghar Farhadi, demonstrando certo senso de humor: “Toni Erdmann não faz uma declaração política forte. Há dois dias eu estava em um simpósio e o [diretor iraniano] Asghar Farhadi disse, ‘O tempo do cinema que dá respostas acabou – agora é o tempo do cinema que faz perguntas’. Eu pensei, ‘Oh merda, onde está meu notebook? Preciso anotar isso”. (entrevista disponível em aqui)

Toni Erdmann preserva qualidades do primeiro filme de Ade, A floresta das ilusões (Der Wald Vor Lauter Bäumen), de 2003 – a simplicidade na maneira de filmar e conduzir a narrativa, o realismo, e características da personagem principal, a jovem professora Melanie (Eva Löbau), igualmente desajustada, solitária e capaz de criar situações constrangedoras, como Erdmann. Mas agora, em Toni Erdmann, Ade vai além – radicaliza seu filme mais recente ao situar personagens comuns no mundo das grandes corporações e dos negócios internacionais, ao mesmo tempo em que transita, com humor, entre realismo e absurdo.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Feira livre de Covid

Cientistas rastreiam transmissão em cidade turística alagoana e ajudam a criar protocolos sanitários para manter atividades econômicas

Praia dos Ossos: penúltimo episódio já está disponível

Série em podcast produzida pela Rádio Novelo chega à fase final

Voando no meio do fogo

Piloto no Pantanal há 46 anos diz que as queimadas deste ano foram as piores que já viu na região

Os 26% de infectados e a vacinação

Enquete sorológica descobriu que 1 em cada 4 paulistanos já têm anticorpos contra o Sars-CoV-2. Entenda por que isso afeta a campanha de vacinação

A ciência da propaganda

Em meio à polêmica da vacinação em massa contra a Covid-19, ministro astronauta alardeia vantagens de vermífugo ainda sem eficácia comprovada diante da doença

Foro de Teresina ao vivo nas eleições 2020

O podcast de política da piauí será transmitido ao vivo no primeiro e no segundo turno

Mais textos
3

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

5

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

10

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois