portfólio

Tragédia em arte

Na Alemanha, a lama coletada depois do desastre de Mariana vira obras de arte que contam a história do antropoceno – e do descaso

José Gabriel Navarro
26set2017_07h10
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <I>Futuro das Pedras</I>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 10 x 4 x 4,5 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 10 x 4 x 4,5 cm FOTOS: SILVIA NORONHA

Quando o rompimento da barragem do Fundão sepultou a cidade de Mariana, em Minas Gerais, no que foi considerado o maior desastre ambiental da história do país, a artista plástica mineira Silvia Noronha já havia começado uma extensa pesquisa sobre como pedras podem ser consideradas uma forma de mídia, uma maneira única de se contar uma história. Foi influenciada pelo sociólogo francês Roger Caillois, autor de L’Écriture des Pierres (A Escrita das Pedras, sem edição no Brasil), que buscava examinar padrões revelados através de cortes de minerais. “Ele é um bom exemplo de pesquisador que queria ir além dos conceitos antropocêntricos, estabelecendo um interessante diálogo com as pedras em sua forma de extrair informações delas.”

Ao ver a onda de lama acabar com a cidade, pareceu-lhe óbvio investigar impactos e consequências imprevisíveis e irreversíveis que se seguiram à tragédia a partir da herança mineral. “O episódio representa muito dos tempos em que vivemos, o Antropoceno, período no qual a atividade humana tem sido dominante no clima e no meio ambiente. Ao ler as notícias, percebi como todo o ambiente da região, ou seja, como toda a informação contida naquela superfície, havia sido alterada em um curto espaço de tempo.”

A artista plástica arregaçou a barra da calça e coletou, ela própria, cerca de sete quilos de lama do povoado de Bento Rodrigues, distrito de Mariana mais atingido pelo desastre. De volta a Berlim, onde mora, ela começou a projetar o que chamou de “pedras especulativas”. “Entendo que esse material contém uma enorme quantidade de informações provenientes da catástrofe, tanto do presente como do passado. Grande parte dessa informação ainda não foi interpretada, e as pedras funcionam como mídia para transmiti-la de uma outra maneira, não linear”, explicou.

O resultado é a série The Future of Stones, oficialmente traduzida como O Futuro das Pedras. Os cristais de Silvia foram produzidos a partir de uma parceria com a Universidade Técnica de Berlim, onde rejeitos de Mariana foram submetidos a condições de temperatura e pressão extremas, de modo a simular possíveis processos geológicos que sofreriam naturalmente ao longo de (muitos) anos.

O trabalho pode ser visto no Kunstwerk, um centro cultural de Colônia, na Alemanha, até 4 de novembro. Não há previsão de se trazer a mostra ao Brasil.

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,5 x 6,5 x 7,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,5 x 6,5 x 7,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,0 x 8,5 x 8,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,0 x 8,5 x 8,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3,0 x 3,5 x 5,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3,0 x 3,5 x 5,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,5 x 6,0 x 7,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,5 x 6,0 x 7,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 13,0 x 14,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 13,0 x 14,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 9,0 x 10,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 9,0 x 10,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,0 x 4,5 x 10,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,0 x 4,5 x 10,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3 x 7,5 x 4 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3 x 7,5 x 4 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,3 x 5,0 x 7,5 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,3 x 5,0 x 7,5 cm

Errata: diferentemente do que foi publicado, Bento Rodrigues é um distrito do município de Mariana, em Minas Gerais, e não uma cidade. Informação atualizada às 16h40 do dia 26 de setembro de 2017.

 

José Gabriel Navarro

Leia também

Últimas Mais Lidas

A eleição de nariz tampado

Resultado da votação terá impacto direto na decisão do Reino Unido de manter ou não o Brexit; isolamento do país e direitos sociais estão em jogo

Foro de Teresina #81: A popularidade de Bolsonaro, o pacote anticrime sem Moro e as fake news na mira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Memória do óleo

Mais de um mês depois da chegada do petróleo numa praia do Sul da Bahia, voluntários anônimos enfrentam o cansaço, o sol e a exaustão mental para tentar limpar até a última mancha

Ele e eu – Dziga Vertov em apuros

Biografia de cineasta russo lembra relação estreita entre arte e resistência

Alcolumbre ganha asas

Presidente do Senado toma o lugar de Eduardo Bolsonaro e se torna um dos políticos mais citados em novembro

Maria Vai Com as Outras #8: Feminismo negro

A socióloga Márcia Lima encerra a terceira temporada numa gravação especial com participação da plateia

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Contagem regressiva

A responsabilidade do campo democrático para evitar a catástrofe

2

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

3

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

4

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

5

Memória do óleo

Mais de um mês depois da chegada do petróleo numa praia do Sul da Bahia, voluntários anônimos enfrentam o cansaço, o sol e a exaustão mental para tentar limpar até a última mancha

6

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

7

O minibolsonarista

Um menino que adora fardas

8

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

9

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

10

A eleição de nariz tampado

Resultado da votação terá impacto direto na decisão do Reino Unido de manter ou não o Brexit; isolamento do país e direitos sociais estão em jogo