portfólio

Tragédia em arte

Na Alemanha, a lama coletada depois do desastre de Mariana vira obras de arte que contam a história do antropoceno – e do descaso

José Gabriel Navarro
26set2017_07h10
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <I>Futuro das Pedras</I>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 10 x 4 x 4,5 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 10 x 4 x 4,5 cm FOTOS: SILVIA NORONHA

Quando o rompimento da barragem do Fundão sepultou a cidade de Mariana, em Minas Gerais, no que foi considerado o maior desastre ambiental da história do país, a artista plástica mineira Silvia Noronha já havia começado uma extensa pesquisa sobre como pedras podem ser consideradas uma forma de mídia, uma maneira única de se contar uma história. Foi influenciada pelo sociólogo francês Roger Caillois, autor de L’Écriture des Pierres (A Escrita das Pedras, sem edição no Brasil), que buscava examinar padrões revelados através de cortes de minerais. “Ele é um bom exemplo de pesquisador que queria ir além dos conceitos antropocêntricos, estabelecendo um interessante diálogo com as pedras em sua forma de extrair informações delas.”

Ao ver a onda de lama acabar com a cidade, pareceu-lhe óbvio investigar impactos e consequências imprevisíveis e irreversíveis que se seguiram à tragédia a partir da herança mineral. “O episódio representa muito dos tempos em que vivemos, o Antropoceno, período no qual a atividade humana tem sido dominante no clima e no meio ambiente. Ao ler as notícias, percebi como todo o ambiente da região, ou seja, como toda a informação contida naquela superfície, havia sido alterada em um curto espaço de tempo.”

A artista plástica arregaçou a barra da calça e coletou, ela própria, cerca de sete quilos de lama do povoado de Bento Rodrigues, distrito de Mariana mais atingido pelo desastre. De volta a Berlim, onde mora, ela começou a projetar o que chamou de “pedras especulativas”. “Entendo que esse material contém uma enorme quantidade de informações provenientes da catástrofe, tanto do presente como do passado. Grande parte dessa informação ainda não foi interpretada, e as pedras funcionam como mídia para transmiti-la de uma outra maneira, não linear”, explicou.

O resultado é a série The Future of Stones, oficialmente traduzida como O Futuro das Pedras. Os cristais de Silvia foram produzidos a partir de uma parceria com a Universidade Técnica de Berlim, onde rejeitos de Mariana foram submetidos a condições de temperatura e pressão extremas, de modo a simular possíveis processos geológicos que sofreriam naturalmente ao longo de (muitos) anos.

O trabalho pode ser visto no Kunstwerk, um centro cultural de Colônia, na Alemanha, até 4 de novembro. Não há previsão de se trazer a mostra ao Brasil.

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,5 x 6,5 x 7,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,5 x 6,5 x 7,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,0 x 8,5 x 8,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,0 x 8,5 x 8,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3,0 x 3,5 x 5,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3,0 x 3,5 x 5,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,5 x 6,0 x 7,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,5 x 6,0 x 7,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 13,0 x 14,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 13,0 x 14,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 9,0 x 10,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 9,0 x 10,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,0 x 4,5 x 10,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,0 x 4,5 x 10,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3 x 7,5 x 4 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3 x 7,5 x 4 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,3 x 5,0 x 7,5 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,3 x 5,0 x 7,5 cm

Errata: diferentemente do que foi publicado, Bento Rodrigues é um distrito do município de Mariana, em Minas Gerais, e não uma cidade. Informação atualizada às 16h40 do dia 26 de setembro de 2017.

 

José Gabriel Navarro

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

4

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

5

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

7

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana