portfólio

Tragédia em arte

Na Alemanha, a lama coletada depois do desastre de Mariana vira obras de arte que contam a história do antropoceno – e do descaso

José Gabriel Navarro
26set2017_07h10
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <I>Futuro das Pedras</I>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 10 x 4 x 4,5 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 10 x 4 x 4,5 cm FOTOS: SILVIA NORONHA

Quando o rompimento da barragem do Fundão sepultou a cidade de Mariana, em Minas Gerais, no que foi considerado o maior desastre ambiental da história do país, a artista plástica mineira Silvia Noronha já havia começado uma extensa pesquisa sobre como pedras podem ser consideradas uma forma de mídia, uma maneira única de se contar uma história. Foi influenciada pelo sociólogo francês Roger Caillois, autor de L’Écriture des Pierres (A Escrita das Pedras, sem edição no Brasil), que buscava examinar padrões revelados através de cortes de minerais. “Ele é um bom exemplo de pesquisador que queria ir além dos conceitos antropocêntricos, estabelecendo um interessante diálogo com as pedras em sua forma de extrair informações delas.”

Ao ver a onda de lama acabar com a cidade, pareceu-lhe óbvio investigar impactos e consequências imprevisíveis e irreversíveis que se seguiram à tragédia a partir da herança mineral. “O episódio representa muito dos tempos em que vivemos, o Antropoceno, período no qual a atividade humana tem sido dominante no clima e no meio ambiente. Ao ler as notícias, percebi como todo o ambiente da região, ou seja, como toda a informação contida naquela superfície, havia sido alterada em um curto espaço de tempo.”

A artista plástica arregaçou a barra da calça e coletou, ela própria, cerca de sete quilos de lama do povoado de Bento Rodrigues, distrito de Mariana mais atingido pelo desastre. De volta a Berlim, onde mora, ela começou a projetar o que chamou de “pedras especulativas”. “Entendo que esse material contém uma enorme quantidade de informações provenientes da catástrofe, tanto do presente como do passado. Grande parte dessa informação ainda não foi interpretada, e as pedras funcionam como mídia para transmiti-la de uma outra maneira, não linear”, explicou.

O resultado é a série The Future of Stones, oficialmente traduzida como O Futuro das Pedras. Os cristais de Silvia foram produzidos a partir de uma parceria com a Universidade Técnica de Berlim, onde rejeitos de Mariana foram submetidos a condições de temperatura e pressão extremas, de modo a simular possíveis processos geológicos que sofreriam naturalmente ao longo de (muitos) anos.



O trabalho pode ser visto no Kunstwerk, um centro cultural de Colônia, na Alemanha, até 4 de novembro. Não há previsão de se trazer a mostra ao Brasil.

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,5 x 6,5 x 7,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,5 x 6,5 x 7,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,0 x 8,5 x 8,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,0 x 8,5 x 8,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3,0 x 3,5 x 5,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3,0 x 3,5 x 5,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,5 x 6,0 x 7,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,5 x 6,0 x 7,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 13,0 x 14,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 13,0 x 14,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 9,0 x 10,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 9,0 x 10,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,0 x 4,5 x 10,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,0 x 4,5 x 10,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3 x 7,5 x 4 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3 x 7,5 x 4 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,3 x 5,0 x 7,5 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,3 x 5,0 x 7,5 cm

Errata: diferentemente do que foi publicado, Bento Rodrigues é um distrito do município de Mariana, em Minas Gerais, e não uma cidade. Informação atualizada às 16h40 do dia 26 de setembro de 2017.

 

José Gabriel Navarro

Leia também

Últimas Mais Lidas

Os negócios da pandemia

Mais rápido que o Ministério da Saúde, o da Defesa já gastou quase 100% dos 531 milhões de reais que recebeu para o enfrentamento da Covid-19. Parte do dinheiro se destinou à compra de dezoito caminhonetes que ainda não foram entregues 

Uma facada atrás da outra

Apoiadores de Bolsonaro, inclusive um que foi a Juiz de Fora resgatá-lo depois do atentado, mostram decepção com o presidente e o governo; Flavio pede fé para 2021

Mentira e ilusão

Morador provisório do Palácio da Alvorada fabrica falsidades sem cerimônia

“Mamadeira de piroca” versão 2020

Monitoramento em oito capitais mostra como candidatos conservadores acusaram adversários usando “ideologia de gênero”

Inválidos, Paes e o Bispo

Paes derrota Crivella em todas as 49 zonas eleitorais, mas perde para abstenções em números absolutos

Foro ao vivo no 2º turno: o que concluir das eleições

Podcast de política da piauí fez um balanço do resultado das eleições municipais; a íntegra do programa ao vivo está disponível no YouTube

Mais textos
2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Lições de literatura e sociedade

Antonio Candido fala sobre o fazendeiro Pio e a invasão da USP

4

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

7

Incompreendido e compreendido

A briga, a separação, começam aí, assim, entre dois filmes como que realizados a quatro mãos, até que a fita de celuloide que os unia, se parta e as luzes se acendam.

8

Um teto todo seu

Conquistas de uma blogueira

9

Departamento de apelidos da Odebrecht exportará tecnologia

A capacidade produtiva do departamento de apelidos da Odebrecht chamou atenção do mercado internacional.