portfólio

Tragédia em arte

Na Alemanha, a lama coletada depois do desastre de Mariana vira obras de arte que contam a história do antropoceno – e do descaso

José Gabriel Navarro
26set2017_07h10
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <I>Futuro das Pedras</I>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 10 x 4 x 4,5 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 10 x 4 x 4,5 cm FOTOS: SILVIA NORONHA

Quando o rompimento da barragem do Fundão sepultou a cidade de Mariana, em Minas Gerais, no que foi considerado o maior desastre ambiental da história do país, a artista plástica mineira Silvia Noronha já havia começado uma extensa pesquisa sobre como pedras podem ser consideradas uma forma de mídia, uma maneira única de se contar uma história. Foi influenciada pelo sociólogo francês Roger Caillois, autor de L’Écriture des Pierres (A Escrita das Pedras, sem edição no Brasil), que buscava examinar padrões revelados através de cortes de minerais. “Ele é um bom exemplo de pesquisador que queria ir além dos conceitos antropocêntricos, estabelecendo um interessante diálogo com as pedras em sua forma de extrair informações delas.”

Ao ver a onda de lama acabar com a cidade, pareceu-lhe óbvio investigar impactos e consequências imprevisíveis e irreversíveis que se seguiram à tragédia a partir da herança mineral. “O episódio representa muito dos tempos em que vivemos, o Antropoceno, período no qual a atividade humana tem sido dominante no clima e no meio ambiente. Ao ler as notícias, percebi como todo o ambiente da região, ou seja, como toda a informação contida naquela superfície, havia sido alterada em um curto espaço de tempo.”

A artista plástica arregaçou a barra da calça e coletou, ela própria, cerca de sete quilos de lama do povoado de Bento Rodrigues, distrito de Mariana mais atingido pelo desastre. De volta a Berlim, onde mora, ela começou a projetar o que chamou de “pedras especulativas”. “Entendo que esse material contém uma enorme quantidade de informações provenientes da catástrofe, tanto do presente como do passado. Grande parte dessa informação ainda não foi interpretada, e as pedras funcionam como mídia para transmiti-la de uma outra maneira, não linear”, explicou.

O resultado é a série The Future of Stones, oficialmente traduzida como O Futuro das Pedras. Os cristais de Silvia foram produzidos a partir de uma parceria com a Universidade Técnica de Berlim, onde rejeitos de Mariana foram submetidos a condições de temperatura e pressão extremas, de modo a simular possíveis processos geológicos que sofreriam naturalmente ao longo de (muitos) anos.

O trabalho pode ser visto no Kunstwerk, um centro cultural de Colônia, na Alemanha, até 4 de novembro. Não há previsão de se trazer a mostra ao Brasil.

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,5 x 6,5 x 7,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,5 x 6,5 x 7,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,0 x 8,5 x 8,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 5,0 x 8,5 x 8,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3,0 x 3,5 x 5,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3,0 x 3,5 x 5,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,5 x 6,0 x 7,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,5 x 6,0 x 7,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 13,0 x 14,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 13,0 x 14,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 9,0 x 10,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 8,0 x 9,0 x 10,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,0 x 4,5 x 10,0 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,0 x 4,5 x 10,0 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3 x 7,5 x 4 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 3 x 7,5 x 4 cm

Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série <i>Futuro das Pedras</i>, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,3 x 5,0 x 7,5 cm
Rocha Vulcânica, ca. 100.000 anos Pós-Antropoceno, 2016. Série Futuro das Pedras, terra com resíduos materiais coletados após a catástrofe em Bento Rodrigues, 4,3 x 5,0 x 7,5 cm

Errata: diferentemente do que foi publicado, Bento Rodrigues é um distrito do município de Mariana, em Minas Gerais, e não uma cidade. Informação atualizada às 16h40 do dia 26 de setembro de 2017.

 



José Gabriel Navarro

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Coração aos pedaços

As ruínas rascantes da voz de Tom Waits nos levam aos recantos mais escondidos da psique americana

4

O senhor do baixo clero

Quem é Alfredo Kaefer, do Partido Social Liberal, que se aproximou de um combalido Temer para se tornar a estrela dos nanicos

5

Investigação deflagrada por Cristo revela que São Pedro é evangélico

CÉU – Após dois dias de chuvas ininterruptas desde que o papa Francisco chegou à cidade do Rio de Janeiro, Jesus Cristo reuniu seu alto comando e, exigindo celeridade, ordenou à corte celeste que investigasse São Pedro. “Fomos a Deus Pai e pedimos autorização para instalar escutas em todos os ramais telefônicos de Simão Pedro”, informou são Tomás de Aquino, inspetor-chefe responsável pela investigação.

6

Papa Francisco reconsidera inferno após visita a convenção do MDB

“É preciso, em um mundo como vivemos hoje, ter a coragem de assumir erros. Eu errei, pois sou humano, e como humano reconsidero: o inferno existe.”

7

Povo? Que povo?

Voto ajuda, mas não é indispensável

10

piauí lança edição especial para a Flip 2018

Revista é distribuída gratuitamente durante a Festa Literária Internacional de Paraty