questões religiosas

Um olho em Bolsonaro, outro no estado laico

Pastor presbiteriano e advogado, atual ministro da Educação já batalhou em prol do ensino não religioso nas escolas públicas

João Batista Jr.
15out2020_09h16
Milton Ribeiro, ministro da Educação –
Milton Ribeiro, ministro da Educação – Foto: Isac Nóbrega/PR

Como ministro da Educação, Milton Ribeiro faz parte de um governo que o presidente Jair Bolsonaro define como cristão – embora a Constituição determine que o estado brasileiro é laico, sem prioridade para nenhuma religião. Antes de assumir a pasta, no entanto, o pastor e advogado visitou Brasília para defender justamente o estado laico como um pilar da democracia. Ele teve papel de relevância numa comitiva que almejava impedir o ensino religioso dentro de escolas públicas. Em três quartas-feiras de julho de 2009, Ribeiro esteve na Câmara dos Deputados ao lado de Roseli Fischmann, doutora e mestre em educação, e do engenheiro Daniel Sottomaior, criador da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos. O objetivo do trio era mostrar comunhão e pluralidade em torno do tema então sob ataque.

No fim de 2008, o Brasil e o Vaticano firmaram um acordo bilateral que  previa a obrigatoriedade do “ensino religioso católico e de outras confissões” nas escolas. Seria uma violação da Constituição, cujo artigo 19 proíbe que instituições educacionais da União, dos estados e dos municípios promovam esse tipo de prática. O documento, assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a Santa Sé, permitia ainda que a Igreja Católica suprimisse direitos trabalhistas de sacerdotes e que planejamentos urbanos levassem em conta espaços para fins religiosos.

As viagens do trio a Brasília pretendiam justamente questionar o acordo. À época, Fischmann discursou na Câmara para uma plateia de parlamentares que integravam a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional: “Um exemplo de fusão entre estado e religião é a República do Irã, onde há uma religião oficial. Se aprovado esse acordo, nossa Constituição será desrespeitada. A democracia zela pelas minorias, a democracia zela pelo pluralismo.”

A militância em prol do estado laico incluiu, claro, o corpo a corpo. Ribeiro compareceu ao gabinete do então presidente da Câmara, Michel Temer, para pedir o adiamento da votação do acordo em plenário. Além de Fischmann e Sottomaior, participaram da reunião deputados de espectros variados, como o líder da Igreja Batista, André Zacharow (PMDB), e o professor Ivan Valente (Psol). Ativistas favoráveis aos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres também marcaram presença. Tudo em vão. O acordo bilateral acabou aprovado.  Em julho de 2010, a Procuradoria Geral da República tentou modificá-lo e entrou com um pedido no Supremo Tribunal Federal para que o ensino religioso nas escolas fosse de caráter não confessional e facultativo. Em setembro de 2017, o STF julgou improcedente a ação da PGR. Por votação apertada, 6 a 5, os ministros da corte reiteraram que o ensino religioso nas instituições públicas pode ter natureza confessional. Em outras palavras: pode estar ligado a esta ou àquela religião.



Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Milton Ribeiro conheceu Roseli Fischmann no começo dos anos 2000. Ele bateu à porta da maior especialista em estado laico no país porque desejava que a professora orientasse sua tese de doutorado na Universidade de São Paulo. Àquela altura, Fischmann já tinha chamado de “criminoso” o deputado do baixo clero Jair Bolsonaro, que fizera ataques racistas contra a cantora Preta Gil. Defendida em 2006, a tese do ministro se intitula Calvinismo no Brasil e Organização: O Poder Estruturador da Educação.

Ribeiro assumiu a pasta do governo Bolsonaro em 16 de julho deste ano. Na ocasião, Fischmann preferiu não dar entrevistas sobre o ex-aluno para preservar a intimidade da relação acadêmica que os dois mantiveram ao longo de quatro anos. Até agora, a professora da Faculdade de Educação orientou 75 estudantes, entre mestrandos e doutorandos. Ela vê a pluralidade como essencial para um ensino de qualidade, que respeite as diferenças de gênero, religião, classe e etnia. Daí também ter sido orientadora do ativista indígena  Daniel Munduruku e de Inaicyra Falcão dos Santos, pesquisadora das tradições afro-brasileiras.

Por enquanto, Fischmann vem se manifestando sobre os rumos do país e da gestão Bolsonaro apenas em periódicos científicos. Num texto publicado em junho nos Cadernos CERU, da USP, ela apontou recentes violações aos fundamentos da democracia: “O Estado laico, republicano, tem relação direta com o direito a ter direitos, com o igual tratamento para todas e todos. Entre outros equívocos, o Brasil vive, neste momento, a situação de um presidente que afirma que nomeará para o Supremo Tribunal Federal alguém que seja ‘terrivelmente evangélico’, expressando sua disposição de violar o princípio de garantir igual tratamento a todas e todos, sem privilégio ou distinção.” Segundo  a professora, Bolsonaro ofende a Constituição ao “definir com base em uma escolha religiosa quem deverá ocupar posição tão relevante no sistema jurídico nacional”.

Na campanha, o capitão reformado usou o lema “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, que costuma repetir ainda hoje. No governo, já apareceu rezando com ministros e parlamentares. “A democracia é um elemento conatural do Estado laico, sendo o regime no qual todos – não importa a crença, ideologia ou classe social – temos o mesmo grau de proteção por parte dos governantes”, explica Roberto Romano, professor de Filosofia Política e Ética da Unicamp e autor do livro Brasil: Igreja Contra Estado. “Com a vitória de Jair Bolsonaro, no entanto, nota-se um aumento da importância dos evangélicos no poder ocupando ministérios e secretarias. Ser ou não ser evangélico não deveria ser o requisito da escolha em tese técnica; o que se vê é uma tentativa de impor suas verdades dogmáticas, morais e jurídicas.”

Ao tomar posse no Ministério da Educação, Milton Ribeiro ressaltou a importância do estado laico e mencionou a ex-orientadora. A chegada dele à Esplanada foi vista com bons olhos pela comunidade acadêmica após o fiasco de seus antecessores, Ricardo Vélez e Abraham Weintraub. Em entrevista recente ao Estadão, porém, o novo ministro disse que os homossexuais resultam de “famílias desajustadas” e acendeu o sinal de alerta sobre o quão laico e pluralista conseguirá ser à frente da pasta. Como a declaração repercutiu muito mal, Ribeiro se desculpou pelas redes sociais. Ele afirmou que sua fala “foi interpretada de modo descontextualizado” e que jamais pretendeu “discriminar ou incentivar qualquer forma de discriminação em razão de orientação sexual”. Na semana passada, onze entidades ligadas aos direitos LGBTQ+ entraram com ação civil pública contra Ribeiro após sua entrevista ao Estadão. O grupo pede indenização de 5 milhões de reais com o argumento de que as falas do ministro violam os direitos de uma categoria ou grupo. O valor pedido foi o resultado da seguinte equação: o alcance da mensagem, o poder econômico do mensageiro e a gravidade do conteúdo proferido.

Procurado pela piauí, o ministro não respondeu ao pedido de entrevista.

João Batista Jr. (siga @joao_batistajr no Twitter)

Repórter da piauí, ex-colunista de Veja e autor do livro A Beleza da Vida — A Biografia de Marco Antonio de Biaggi

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Editoras na berlinda

As editoras de revistas científicas foram objeto de uma polêmica inflamada na internet durante a semana que passou. A discussão foi desencadeada por uma coluna do ambientalista George Monbiot no jornal The Guardian, que as definiu como “os capitalistas mais impiedosos do mundo ocidental” e as acusou de violar o direito humano de acesso ao conhecimento. A mais ácida das reações despertadas pelo artigo veio de um editor do grupo Nature, para quem Monbiot usou argumentos simplistas e ignorou mudanças recentes do mercado editorial.

9

Crise na Bahia: Cláudia Leitte rouba sotaque de Ivete Sangalo

TODOS OS SANTOS - A greve de policiais na Bahia gerou uma onda de saques, pânico e rebolation nunca antes registrada. Em Itapuã, foram surrupiados o torso de seda, o brinco de ouro, o pano-da-costa, a bata engomada e a sandália enfeitada que a baiana tinha. Denúncias anônimas dão conta de que onomatopeias de Carlinhos Brown são traficadas à luz do Farol da Barra. Já em Amaralina, duas rimas de Caetano Veloso foram furtadas. Ou não.

10

Cremosa como um brie

Água incolor, insípida e inodora é para deseducados