questões epidemiológicas

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Allan de Abreu
27mar2020_16h06

O avanço da Covid-19 no Brasil impôs um desafio inédito a uma pequena empresa de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte. A QR Consulting aguarda a chegada do primeiro lote de testes rápidos para a detecção de infectados pelo coronavírus. Adquirido de uma distribuidora da Califórnia, nos Estados Unidos, o material deve desembarcar no Brasil em até três semanas. A empresa mineira foi uma das onze autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a fabricar, importar e vender os testes no Brasil. A demanda é enorme. Na última terça-feira, o Ministério da Saúde anunciou que vai disponibilizar 8 milhões de testes rápidos para diagnosticar a contaminação pelo vírus – boa parte deles deve ser comprada dessas onze importadoras e distribuidoras.

Das onze firmas, dez possuem know-how em importação de medicamentos e insumos médicos, caso da Celer Biotecnologia S/A, de Belo Horizonte, no mercado há dezenove anos. “Estamos adquirindo um lote de um fabricante em Guangzhou, na China, de quem já compramos produtos há cinco anos”, diz o engenheiro Denilson Laudares Rodrigues, sócio-fundador da empresa. 

Nesse grupo de gigantes do setor, a QR é o patinho feio. Fundada há seis anos pelas farmacêuticas Ana Paula Tameirão de Paula Castro e Maria José Barbosa Duarte, a firma ocupa uma sala acanhada em um edifício comercial moderno de Nova Lima. Possui apenas três funcionários, contratados em regime de trabalho temporário, e capital social de 3 mil reais. Como o telefone da empresa não está disponível na internet, obtê-lo não é tarefa fácil – a reportagem precisou recorrer às redes sociais das sócias para contatá-las. A pequena estrutura era suficiente para os negócios da QR até agora: registrar na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) produtos médicos fabricados no exterior. “É um trabalho técnico, feito por mim e minha sócia”, afirma Castro. A empresa nunca teve contratos com o poder público.

Em janeiro, quando o coronavírus era epidêmico apenas na China, as duas farmacêuticas resolveram ampliar os negócios para incluir a importação de insumos médicos. Elas contam que, ao tomarem a decisão, não cogitavam o rápido avanço da Covid-19 pelo mundo. No mês seguinte, a empresa da Califórnia contratou a QR Consulting com o intuito de solicitar à Anvisa autorização para comercializar no Brasil os testes rápidos, que detectam a presença de anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus. O resultado sai entre dez e trinta minutos. “Não esperávamos que a doença chegaria ao país da forma como chegou. Nem estamos fazendo prospecção de clientes porque não é preciso. Todo o lote que compramos da Califórnia já tem destino certo”, diz Castro. Por questões comerciais, ela não informa quantos testes virão dos Estados Unidos.



Quando indagada se a pandemia é uma oportunidade de ouro para a QR Consulting mudar de patamar, Castro desconversa: “Vamos fazer essa primeira importação e ver se compensa.” Ela enxerga vantagens no tamanho atual da firma. “Os clientes conversam diretamente comigo, e costumo ser bem franca a respeito de preços e prazos.”

A farmacêutica tampouco revela quem são os compradores dos testes. Diz apenas que vem mantendo contato com prefeituras, governos estaduais, laboratórios particulares e, claro, o Ministério da Saúde. Na Celer, também há demanda por parte de grandes empresas, interessadas em aplicar os testes em seus funcionários. A Anvisa ainda estuda se irá permitir a comercialização do produto nas farmácias. Rodrigues, da Celer, estima que cada kit deve custar entre 250 e 350 reais para o consumidor final.

Os testes rápidos detectam dois tipos de anticorpos no organismo. O IgM surge na fase mais aguda da doença, a partir do oitavo dia de contágio. Já o IgG aparece no décimo quarto dia e, em tese, imuniza o paciente contra a enfermidade pelo resto da vida (no caso da Covid-19, ainda não se sabe se a imunização de fato ocorre). Por detectar esses dois anticorpos, os testes possibilitam identificar quem foi infectado pelo vírus e, assim, mapear por onde o microrganismo passou em determinado território. Os infectologistas dizem que a epidemia estará sob controle quando houver a chamada “imunidade de rebanho”. Ou seja: quando entre 50% e 80% da população tiver sido contaminada e desenvolver defesas contra o coronavírus.

O problema, ainda segundo especialistas, é a exatidão do teste rápido. Além de não detectar o microrganismo no período de incubação, que vai até o sétimo dia de contágio, o exame tem eficácia de 60% a 70%, conforme epidemiologistas consultados pela piauí – quer dizer, a cada cem exames realizados, entre quarenta e trinta podem dar resultados imprecisos (de acordo com as importadoras, porém, a taxa de eficácia é de 90%). O outro tipo de teste existente no mercado, o RT-PCR, detecta o vírus diretamente e, por isso, é mais eficiente. A Coreia do Sul, por exemplo, optou pelo uso dele. O resultado, no entanto, é mais demorado – leva, em média, seis horas para sair. O RT-PCR também é 70% mais caro que o teste rápido. Além disso, há poucos laboratórios no Brasil com capacidade de realizá-lo.

Parte dos 8 milhões de kits que o Ministério da Saúde pretende disponibilizar deve vir da China. A Fiocruz e a Vale irão importá-los para uso dos profissionais de saúde, num primeiro momento. Depois, a testagem será ampliada. De 30 mil a 50 mil pessoas poderão se submeter ao exame em postos itinerantes instalados em municípios com mais de 500 mil habitantes. Ainda não há previsão para a chegada do  teste a cidades menores.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

7

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

8

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

9

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

10

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer