questões da política

Vale quer rever sociedade com BHP

O rompimento da barragem de minério de Fundão afetou dramaticamente a imagem das duas maiores mineradoras do mundo

Consuelo Dieguez
04jul2016_19h11
Barragem de Fundão, em Mariana (MG)
Barragem de Fundão, em Mariana (MG) FOTO: CRISTIANO MASCARO E PEDRO MASCARO

O rompimento da barragem de rejeito de minério de Fundão, pertencente à mineradora Samarco – controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP Billiton –, afetou dramaticamente a imagem das duas maiores mineradoras do mundo. Tanto que a brasileira está revendo seus planos quanto à participação na Samarco. O diretor jurídico da empresa, Clóvis Torres, disse que tanto a Vale quanto a BHP estão preocupadas em mitigar os danos provocados pela tragédia. Passado o período de turbulência, no entanto, os sócios teriam que discutir a relação: a mineradora brasileira não quer mais trabalhar em joint venture com a BHP. O executivo não adiantou o que será feito, mas disse que, se a Samarco sobreviver à tormenta e for autorizada a retomar suas atividades, as controladoras terão que decidir quem irá operar a companhia. Hoje, embora controlada pelas duas gigantes do setor, a empresa tem uma gestão independente. Ao ser indagado sobre como será a operação futura, Torres afirmou que ou a BHP irá gerir a Samarco, ou a Vale. “Poderemos até continuar sócios, se ambos desejarem, mas não teremos mais uma joint venture com operação independente da Samarco.”

Torres evitou criticar abertamente os gestores da Samarco pelo rompimento da barragem que, em 5 de novembro do ano passado, matou dezenove pessoas e deixou um rastro de destruição ambiental que parte de Mariana, em Minas Gerais, e chega ao litoral do Espírito Santo. Mas informou que, se na negociação com a BHP ficar acertado que a Vale assumirá sozinha a Samarco, a empresa desaparece e passa a fazer parte da brasileira. “Esse acidente foi uma tragédia e um desgaste para nós. Nunca mais permitiremos que uma empresa fique fora do nosso controle direto. Não vamos admitir gestões separadas”, disse Torres.

O acidente também suscitou discussões na Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, Fiemg. O presidente da entidade, Olavo Machado, encomendou  ao Instituto Bioatlântica, Ibio, um mapeamento da bacia do rio Doce. De acordo com o estudo, se antes a bacia já estava comprometida, depois da invasão de lama a região entrou em estado de calamidade. Machado já disse a seus pares que, se nada for feito, em breve a região se tornará uma área estéril. Para ele, agora existe uma chance de melhorar as condições da bacia. Uma das propostas que a Fiemg quer discutir com a indústria mineira e o poder público é o fim das barragens de rejeito como as de Fundão, substituindo-as por uma mineração sustentável. Uma das alternativas é aproveitar os rejeitos na produção de tijolos, telhas, pisos e até na construção de estradas, o que contribuiria não só com a melhora do meio ambiente – já que as barragens são estruturas de grande poder de destruição –, mas para o desenvolvimento de uma nova indústria em Minas Gerais.

 

Consuelo Dieguez (siga @consuelodieguez no Twitter)

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Laudos, versões e milícia

Documentos e imagens da casa onde miliciano Adriano da Nóbrega foi morto contradizem relato de policiais sobre operação

Asfaltando a Amazônia

Bolsonaro inaugura trecho de rodovia federal e planeja mais mil quilômetros cortando áreas protegidas de floresta no Norte do Pará

Foro de Teresina #88: O miliciano morto, o Bolsa Família e o Pateta, e uma São Paulo submersa

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Petra Costa – uma amiga do povo entre nós

Criticar cineasta nos termos que fez a Secom é ato vil do governo federal

A pensão de 107 anos

Herdeiros de servidor público receberam legalmente benefício da Previdência de 1912 a 2019 – atravessando nove moedas e trinta presidentes brasileiros

“Imprecionante” e Enem explodem Weintraub

Após fiascos, referências ao ministro da Educação têm crescimento explosivo e fazem dele bolsonarista mais citado no Twitter em janeiro

Foro de Teresina #87: A ameaça do coronavírus, o “maiamentarismo” e a aliança BolsoSkaf

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Dona Hermínia, Blake, Schofield e Adoniran Barbosa – as peripécias para conseguir assistir a um filme

Barulho, informação errada e sala em péssimo estão no caminho de quem tenta ver documentário sobre compositor paulista

Na piauí_161

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas esta semana

Mais textos
1

A pensão de 107 anos

Herdeiros de servidor público receberam legalmente benefício da Previdência de 1912 a 2019 – atravessando nove moedas e trinta presidentes brasileiros

2

Asfaltando a Amazônia

Bolsonaro inaugura trecho de rodovia federal e planeja mais mil quilômetros cortando áreas protegidas de floresta no Norte do Pará

3

Laudos, versões e milícia

Documentos e imagens da casa onde miliciano Adriano da Nóbrega foi morto contradizem relato de policiais sobre operação

4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

9

Foro de Teresina #88: O miliciano morto, o Bolsa Família e o Pateta, e uma São Paulo submersa

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana