Igualdades

País de privilegiados

Luigi Mazza e Renata Buono
15abr2019_09h54

Num mesmo Brasil, há ao mesmo tempo dois países. De um lado, 122 milhões de pessoas – ou 59% da população – sobrevivem com renda de até um salário mínimo. De outro, um pequeno grupo de 2 milhões de pessoas concentra a mesma quantidade de dinheiro que 40% da população. Há desigualdade até no clube dos ricos: os mais afortunados de Brasília têm renda muito superior à dos ricos de outros estados. Nesta semana, a desigualdade brasileira é o assunto do =igualdades, seção dedicada a comparações visuais.

Um brasileiro que está entre o 1% mais rico da população tem renda equivalente à de quarenta pessoas que estão entre os 40% mais pobres.

No Brasil, para cada pessoa com renda acima de 5 mil reais, há catorze pessoas que recebem menos de 1 mil reais.

Ao todo, mais de 63 milhões de brasileiros vivem com renda de até meio salário mínimo (468 reais, segundo valores de 2017). Isso é o equivalente à população de duas Venezuelas.

A probabilidade de encontrar alguém abaixo da linha da pobreza no Maranhão é três vezes maior do que encontrar alguém nessa mesma situação em São Paulo.

No entanto, o número absoluto de pessoas abaixo da linha da pobreza no Maranhão (3,7 milhões) é quase metade do de São Paulo (6,7 milhões).

No Brasil, para cada pessoa branca que vive em um domicílio sem banheiro exclusivo, há quatro pessoas negras na mesma condição.

Os 10% mais ricos do Distrito Federal têm rendimento médio três vezes maior que os 10% mais ricos do Tocantins.

 

Fonte: Síntese de Indicadores Sociais do IBGE, 2018.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí e produtor da rádio piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Dor e Glória – lembranças luminosas de Almodóvar

Inteligência e sensibilidade marcam filme que traduz vulnerabilidade física do diretor e de Banderas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4
5

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

7

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

9

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

10

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo