questões de saúde

A ciência da propaganda

Em meio à polêmica da vacinação em massa contra a Covid-19, ministro astronauta alardeia vantagens de vermífugo ainda sem eficácia comprovada diante da doença

Marta Salomon
23out2020_17h36
O ministro Marcos Pontes e pesquisadora Patricia Rocco  –
O ministro Marcos Pontes e pesquisadora Patricia Rocco – Foto: Neila Rocha /ASCOM-MCTI

O salão nobre do Palácio do Planalto foi preparado com antecedência para o anúncio da maior contribuição do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) no enfrentamento à pandemia de Covid-19. Voz impostada, o locutor da cerimônia declamou que a missão dada fora cumprida. “A nitazoxanida é eficaz. Comprovado”, disse, repetindo a legenda de um gráfico fake exibido num telão.  A cerimônia, na tarde da segunda-feira, 19, terminou com mais um pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro contra a vacinação obrigatória da população.

Para a missão de combate ao coronavírus, o ministro Marcos Pontes contou com quase meio bilhão de reais de gastos extraordinários autorizados de março a maio deste ano. Entre os investimentos possíveis para enfrentar a pandemia, o ministro elegeu como projeto prioritário os testes clínicos da nitazoxanida, o princípio ativo de um vermífugo, no tratamento precoce da doença. A eficácia do medicamento para reduzir a multiplicação do vírus do organismo e atenuar sintomas como febre e mal-estar em casos mais leves, no entanto, ainda aguardava comprovação. 

A pesquisa só teve os resultados reportados na sexta-feira, 23. A versão prévia do artigo científico relata que não houve diferença nos sintomas apresentados após cinco dias de terapia entre os pacientes que tomaram e os que não tomaram a nitazoxanida. O texto, que ainda depende da aprovação de outros cientistas para ser publicado, destaca a redução da carga viral entre os pacientes que tomaram o vermífugo. Testes aplicados após o final da terapia mostraram resultados negativos em 29,9% dos que tomaram a nitazoxanida, contra 18,2% de testes negativos entre os demais integrantes da amostra. 

Para o ministério, a publicação da pesquisa em revista científica é um detalhe burocrático. O anúncio antecipado, segundo o ministro, teve como objetivo “salvar vidas”. Coordenadora dos testes clínicos da nitaxozanida, a médica Patrícia Rocco, pesquisadora do Laboratório de Investigação Pulmonar da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), disse em entrevista no Planalto que o estudo já havia sido submetido a uma revista internacional que impedira a divulgação antecipada dos resultados. O ministério não quis divulgar o nome da publicação a que o estudo havia sido submetido. 

A piauí consultou o banco Clinical Trials, mantido pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, de registro de estudos clínicos conduzidos no mundo. A página aponta 3.706 testes em curso sobre a Covid-19, 23 deles com uso da nitazoxanida. O estudo, intitulado Effects of Early Use of Nitazoxanide in Patients With COVID-19 e patrocinado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, foi registrado apenas em 17 de setembro, mais de três meses após seu início, em 8 de junho, com o código NCT04552483. Nenhum resultado foi reportado na página.

Um último registro nessa base foi feito em 22 de outubro, três dias após a cerimônia no Planalto. Foi anotado o critério adotado para dimensionar o tamanho da amostra, de 392 pacientes, dos quais 196 receberiam doses de nitazoxanida a cada oito horas durante cinco dias, e outros 196 receberiam placebo. Como principais resultados esperados da administração da nitazoxanida, o estudo listava a redução do período de febre, tosse e fraqueza (astenia) na fase precoce da doença. A diminuição da carga viral e de dias de internação aparecem como desfechos secundários pretendidos pela terapia.

Com base nas informações registradas, o doutor em microbiologia e imunologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Alison Chaves avalia que o estudo não vai mudar a conduta clínica para os casos leves da Covid-19. “Se o objetivo é reduzir o mal-estar, faz mais sentido usar um antitérmico, por exemplo”, disse o autor de um artigo crítico ao estudo, publicado no dia seguinte à cerimônia pela revista virtual Questão de Ciência.  No artigo, Chaves manifestou estranheza pelo registro tardio dos testes clínicos com a nitazoxanida. O registro é recomendado pela Organização Mundial da Saúde e exigido por publicações científicas de maior impacto. Chaves também chamou a atenção para o desencontro de informações sobre o estudo. No Planalto, Patrícia Rocco informou a participação de 1.575 voluntários, número quatro vezes maior do que o registrado no Clinical Trials.

A divulgação de uma versão prévia dos resultados da pesquisa na sexta-feira esclareceu em parte a diferença no número de participantes do estudo. O texto explica que parte deles foi excluída do estudo, por exemplo, por terem sido internados. A amostra considerou, finalmente, 392 participantes: 194 tomaram nitozoxanida e 198 tomaram placebo – número diferente do registrado na plataforma de testes clínicos. No que seria o principal objetivo da terapia, a redução dos sintomas, o texto relata que não houve diferença entre os dois grupos nos cinco dias de tratamento. Por telefone, após uma semana, 78% dos que tomaram a medicação reportaram ausência de sintomas, contra 57% no grupo que tomou placebo. Mas o resultado, segundo Alison Chaves, não é significativo do ponto de vista estatístico. “Foi uma propaganda falsa”, sustenta.

Questionado nos quatro dias seguintes ao anúncio no Planalto, o Ministério da Saúde não havia se movimentado até sexta-feira para alterar as orientações de uso de medicamentos contra a Covid-19 e incluir a nitazoxanida entre os procedimentos recomendados. A mais recente nota informativa foi publicada em agosto e incluiu o uso da cloroquina tanto em casos leves como em pacientes internados, depois de o governo gastar mais de 1 milhão de reais na fabricação de 3 milhões de comprimidos no Laboratório do Exército. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou a exigência de estudos regulatórios para incluir uma eventual indicação do vermífugo para casos de Covid-19 na bula do medicamento Annita e dos oito equivalentes disponíveis no mercado com o mesmo princípio ativo.

 

Sem resultados comprovados ou orientação formal para o uso da nitazoxanida, o maior efeito do anúncio antecipado por Marcos Pontes pode ser o estímulo à automedicação. A exigência de receita médica especial, com duas vias, adotada em abril para evitar uma corrida ao medicamento, foi abolida em setembro pela Anvisa. O Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) não faz previsões sobre vendas futuras de medicamentos. À piauí, relatou um aumento de apenas 2,1% nas vendas dos medicamentos à base na nitazoxanida entre janeiro e setembro de 2020, em relação ao mesmo período do ano passado.

A queda da exigência de receita médica especial coincidiu com a contaminação de Marcos Pontes pelo vírus. Em 30 de julho, o ministro anunciou que recebera o diagnóstico de Covid-19 e participaria dos testes clínicos do vermífugo. Nove dias depois, também em sua conta no Twitter, anunciou que estava curado. E escreveu: “Para quem estiver curioso se tomei ou não NITAZOXANIDA, a resposta é SIM. Participei como voluntário do estudo clínico. Também estou ansioso pela conclusão e resultado.”

Pontes já havia atuado antes como garoto-propaganda de travesseiros que emulavam o nome da agência espacial norte-americana. Vestido de astronauta, Pontes foi escolhido por uma empresa de Santa Catarina para aparecer na embalagem do produto depois que o governo brasileiro pagou 10 milhões de dólares por uma carona para Pontes na nave russa Soyuz até a base da estação espacial internacional, em 2006.

Pontes entrou na propaganda do vermífugo, inicialmente sem revelar o nome, ainda em abril. No começo do mês, o ministro visitou o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas. Lá, ouviu os resultados de uma pesquisa de reposicionamento de fármacos, que testou as chances de medicamentos já disponíveis no mercado no combate ao novo vírus, a partir de uma amostra colhida entre os primeiros casos da doença registrados no Brasil. “De tudo o que a gente estudou, a nitazoxanida se destacou”, contou o diretor-geral do Centro, José Roque.

Nos estudos em laboratório, o medicamento apresentava efeitos semelhantes aos da cloroquina, sem seus efeitos colaterais. Os dados eram suficientes para recomendar os testes clínicos com o vermífugo. Em maio, o MCTI autorizou gastos de 45 milhões de reais no CNPEM. No início de junho, a pesquisadora Patrícia Rocco foi beneficiada com 5 milhões de reais para conduzir os testes clínicos da Nitazoxanida. Antes disso, a Fundação Coppetec, ligada à UFRJ, havia sido beneficiada com mais 6 milhões de reais para o estudo de novas estratégias terapêuticas em pacientes com pneumonia grave e que tinha por objetivo evitar a intubação e a ocupação de leitos em UTI. A responsável por esse estudo também é Rocco. Procurada novamente depois do anúncio no Planalto, Rocco informou que apenas o ministério falaria sobre o estudo. 

O destino no dinheiro reservado para o combate à pandemia está registrado em sistema do Tesouro Nacional. Um dos registros do MCTI no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) revela pagamento de 1,4 milhão de reais a uma pesquisa sobre o efeito da cloroquina na prevenção à Covid-19. A pesquisa teria início finalmente em agosto, quando a eficiência do medicamento já era contestada. A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) chegou a convocar profissionais da área de saúde em Belo Horizonte a participar como voluntários. “Vamos dar uma última chance para a cloroquina”, disse o médico e pesquisador da UFMG Unaí Tupinambás na ocasião. Em outubro, recrutamento foi suspenso por falta de interessados.

Os registros do MCTI não permitem acessar detalhes de todos os gastos feitos com o dinheiro do enfrentamento à pandemia. Questionado, o ministério não respondeu sobre os resultados de investimentos em vacinas e testes para diagnóstico da Covid-19. Marcos Pontes não respondeu às perguntas encaminhadas pela piauí. Em postagem no Instagram na quinta-feira, 22, o laboratório da UFRJ que comandou os testes com a nitazoxanida reiterou as supostas vantagens da nitazoxanida, mas ressaltou que o medicamento não substitui a vacina.



Marta Salomon

Jornalista especializada em políticas públicas e doutora em Desenvolvimento Sustentável (UnB), trabalhou na Folha de S. Paulo e no Estado de S. Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder perguntas vitais que permanecem sem resposta desde o começo da pandemia

A sutil arte de ligar o BBB

Com 77 milhões de menções no Twitter, programa deixou para trás Bolsonaro, Covid, vacina e futebol; Globo acolhe Karol Conká em “operação descancelamento”

Vacina atrasada, variante acelerada

Ritmo lento de imunização aumenta risco de disseminação de mutações do Sars-CoV-2

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais textos
3

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

A representação de Eva

Sua beleza exercia sobre mim um fascínio irresistível, mas meu pai a chamava de bataclana. De Perón, ele não perdoava o presente. De Eva, além do presente, era imperdoável o passado

5

The Ziriguidum Herald: Desfile das Pronatecs de Samba do Grupo Especial

O tradicional desfile das Escolas Técnicas do Samba, implementadas com indiscutível êxito no governo Dilma, ocorrerá no Eixo Monumental. Em portentosa exibição, as escolas prometem sacudir a poeira da Capital Federal exaltando os feitos petistas que a imprensa golpista insiste em difamar.

6

Kendry quer ser rainha

A pequena candidata do povo

7

The Presidential Laquê Herald

Para boa parte dos brasileiros, o primeiro adjetivo que vem à mente quando se menciona o penteado presidencial é “glorioso”. Nada mais natural. Com a possível exceção de Nefertite, cujo adereço capilar seduziu não só Amenófis IV mas todo o Alto Nilo, em 3 mil anos de História nenhum outro chefe de Estado soube usar tão bem suas melenas para cativar o mundo civilizado. O que pouca gente sabe, no entanto, é que o laquê rousseffiano é bem mais do que um ardiloso instrumento de fascínio. 

8

Dois mestres americanos do desenho

Uma edição com David Levine, Robert Crumb e também com as tiras do gaúcho Rafael Sica

9

Período em silêncio faz popularidade de Marina subir 30%

LIMBO - Quando certa manhã Marina Silva acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se na cama metamorfoseada em candidata novamente. "Durante o período mais agudo da Lava Jato, Marina permaneceu em silêncio