Igualdades

Bolsonário: discursos

Emily Almeida, Amanda Rossi e Renata Buono
23set2019_08h36

Marcado para amanhã (24), o discurso de Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU virou motivo de debate nacional. O presidente iria ou não? Se fosse, o que diria? Até 6 de setembro, Bolsonaro já fez 156 discursos ou pronunciamentos, utilizando mais de 9 mil palavras diferentes, segundo levantamento da piauí. Em suas falas, o presidente nomeou amigos e inimigos. O “Exército” apareceu 9 vezes para cada menção a “universidades”. As palavras “paraquedista” e “coronel” foram mencionadas tanto quanto “indígena” e “quilombola” – estes, porém, foram tratados de forma negativa. Depois de analisar o dicionário do presidente nas entrevistas concedidas à imprensa, o =igualdades apresenta os discursos de Bolsonaro. Nas próximas semanas, mais verbetes do Bolsonário.

Bolsonaro fala mais quando não precisa dividir o microfone. Em discursos e pronunciamentos feitos até o início de setembro, o presidente disse 131,3 mil palavras. É o dobro do que proferiu nas entrevistas concedidas no mesmo período, 65,2 mil palavras.

Bolsonaro fala muito em economia (126), mas pouco em emprego ou desemprego (25).

A Amazônia não recebia muito destaque nos discursos do presidente. De janeiro a julho, foi citada apenas 16 vezes. Só em agosto, quando as queimadas na região geraram uma crise internacional, a Amazônia foi lembrada por Bolsonaro 36 vezes.

 

O presidente falou do Exército em 147 ocasiões. É mais de nove vezes o número de menções a universidades, 16 no total. Em metade dos casos, Bolsonaro se referiu a universidades de forma negativa, associando-as a “ideologia”, “esquerda”, “socialismo”, “militantes” e criticando vagas para transexuais.

A julgar pelos discursos de Bolsonaro, os Estados Unidos não são o principal aliado internacional do Brasil. O país mais mencionado pelo presidente foi Israel, 121 vezes. Já os Estados Unidos foram lembrados 76 vezes.

Bolsonaro mencionou 59 vezes as palavras paraquedista e coronel. É praticamente o mesmo número de vezes que falou de indígenas e quilombolas (61) – porém, nesses dois casos, todas as referências foram negativas, dizendo haver “febre de demarcações” de terras indígenas e quilombolas, “que só dividem nosso povo” e que “nosso agronegócio vai ficar inviabilizado”.

Bolsonaro também se mostrou sentimental. Falou diversas vezes as palavras filho (51), querido (61), maravilhoso (60), coração (79).

Em seus discursos e pronunciamentos, o presidente falou mais de 6 vezes da “esquerda” para cada vez que mencionou a “direita” (26 X 4). O foco de Bolsonaro no polo político rival já tinha ficado evidente nas suas entrevistas, quando citou muito mais o PT do que de seu próprio partido, o PSL.

Assista ao vídeo:

 

Fonte: Transcrição de discursos de Jair Bolsonaro no site da Presidência da República.

Dados abertos: Acesse a planilha e o documento que serviram de base para a reportagem.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

6

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

10

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana