questões das redes

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Thais Bilenky
13nov2019_19h43

Cerca de nove horas antes do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, no dia 14 de março de 2018, a assessoria do então deputado federal Jair Bolsonaro me disse, em um telefonema, que o pré-candidato a presidente tinha dado uma trégua na agenda de campanha. O motivo era uma intoxicação alimentar, afirmou o assessor. Dada a convalescença, o deputado teria antecipado seu retorno de Brasília ao Rio de Janeiro, onde morava, conforme a assessoria de Bolsonaro. 

De posse da informação, publiquei-a no Twitter pouco depois do meio-dia. Não houve qualquer repercussão. À época, eu trabalhava no jornal Folha de S.Paulo.

Nesta quarta-feira, 13 de novembro de 2019, a publicação na rede social viralizou. Enquanto escrevo, são cinco mil compartilhamentos.

A informação de que Bolsonaro estaria no Rio de Janeiro naquela tarde de 14 de março aumentou a especulação sobre a veracidade ou não do relato de um porteiro do antigo condomínio do hoje presidente da República, chamado Vivendas da Barra. Segundo o funcionário disse à Polícia Civil, “seu Jair” autorizou a entrada de Élcio de Queiroz no condomínio, onde também morava o ex-policial militar Ronnie Lessa. Élcio de Queiroz e Ronnie Lessa estão presos acusados de terem matado Marielle e Anderson.

No entanto, a informação sobre o retorno antecipado de Bolsonaro ao Rio naquele 14 de março não se comprova. No mesmo dia, ele aparece em um vídeo durante uma sessão da Câmara dos Deputados, por volta das 20h05. O deputado estava ao lado de seu ex-colega Alberto Fraga (DEM-DF), que no momento do vídeo discursava em um microfone no plenário. No vídeo, não aparece indicação de hora, mas é possível confirmar o horário do momento do discurso do deputado pelo arquivo de áudio da sessão. Ouve-se Fraga dizer, no vídeo e no áudio: “O projeto não é de A, B e C. O projeto é do Brasil. O Brasil precisa da integração dos órgãos policiais, que hoje parece uma torre de babel”. Poucos segundos depois, Bolsonaro aparece no vídeo ao lado de Fraga, perto do microfone de apartes, no plenário da Câmara.

O registro de entrada de Élcio de Queiroz no condomínio Vivendas da Barra é das 17h13 daquele dia. Segundo registros da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), quatro voos partiram do Rio de Janeiro para Brasília em horários próximos da chegada de Queiroz ao condomínio. O primeiro foi o 6234, da Avianca, que decolou do aeroporto Santos Dumont às 16h40 – antes, portanto, que a portaria registrasse a visita de Queiroz. O segundo voo, o 3028, da Latam, saiu do Santos Dumont às 17h49 e chegou às 19h35 em Brasília. Foi o único a pousar antes do horário em que Bolsonaro aparece no vídeo da Câmara. No entanto, entre a entrada de Queiroz, às 17h13, e a decolagem do avião da Latam, às 17h49, passaram-se 36 minutos. O aplicativo de trânsito Waze calcula em cerca de uma hora e dez minutos o tempo de deslocamento do Vivendas da Barra ao Santos Dumont nesse horário. O condomínio fica na Barra da Tijuca, zona oeste da capital fluminense. O aeroporto fica na zona central.

Os próximos voos a deixar o Rio rumo a Brasília, ambos pelo Galeão, foram o 6214, da Avianca, que decolou às 18h20 e pousou às 20h15, e o 2040, da Gol, que decolou às 18h35 e chegou às 20h25.  Os dois voos aterrissaram, portanto, depois do horário em que Bolsonaro é visto no vídeo.

Bolsonaro emitiu duas passagens naquele 14 de março de 2018, ambas saindo de Brasília com destino ao Rio. Uma delas foi reembolsada no dia seguinte. O site da Câmara não disponibilizou detalhes como o dia do voo efetivamente nem os horários. Ambas eram da Gol. Solicitei tais informações à Câmara, que ainda não retornou. Por meio de sua assessoria, a Gol afirmou que não fornece informações sobre seus passageiros e bilhetes emitidos. 

Também voltei a telefonar ao assessor de Bolsonaro. Ele disse que não se lembrava da conversa e que até a Rede Globo mostrou imagens de Bolsonaro na Câmara – reportagem do Jornal Nacional informou que o então deputado registrou presença nas sessões daquele dia.

 

Colaborou Emily Almeida

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

4

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

5

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

7

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana