anais das redes

Buscas por “Bolsonaro + aborto” disparam no Google

Curiosidade foi despertada pelos próprios apoiadores do candidato, que temiam publicação de reportagem sobre o assunto

Marcella Ramos
04out2018_18h57
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Na madrugada de quinta-feira, a busca por “Bolsonaro + aborto” bateu recorde no Google, com o maior volume de buscas por esses termos associados já registrado. A curiosidade foi provocada pelos próprios apoiadores do candidato do PSL, a partir da publicação de vídeo gravado por um deles no YouTube.

Mesmo sendo recorde no caso de Bolsonaro, a associação de seu nome à palavra aborto não chegou nem perto do que aconteceu na eleição de 2010. Naquela disputa presidencial, o volume de consultas pela expressão “Serra + aborto” foi dez vezes maior do que agora, no caso de Bolsonaro. Naquela eleição, veio a público no segundo turno a notícia de que a então mulher do candidato do PSDB, Mônica Serra, havia contado em uma aula que fizera um aborto anos antes. O tema já havia sido responsável por levar a eleição para o segundo turno naquele ano, quando circulou um boato de que Dilma Rousseff legalizaria o aborto se fosse eleita presidente, fazendo-a perder votos de eleitores religiosos.

Na madrugada desta quinta-feira, entre 0h20 e 1h40, o volume de buscas pelos termos “Bolsonaro + aborto” foi de 0 ao pico máximo de interesse por essa relação. O horário coincide com o momento em que eleitores do candidato a presidente pelo PSL passaram a divulgar nas redes sociais que uma revista publicaria reportagem sobre Bolsonaro ter “obrigado” a sua ex-esposa a fazer um aborto. Pela manhã, a reportagem não havia sido publicada, mas a correlação estava feita na cabeça dos internautas que pesquisavam sobre o assunto.

A origem da curiosidade foi um vídeo de Joice Hasselmann, candidata a deputada federal pelo PSL em São Paulo, no qual ela diz que estava se antecipando à publicação da reportagem, com uma versão negativa da história envolvendo Bolsonaro e aborto. O assunto viralizou nas mídias sociais. No Twitter, um dos principais posts sobre o tema atingiu 3,5 mil retuítes e mais de 5 mil curtidas. A pesquisa pelos termos “Bolsonaro + aborto” ganhou fôlego. Acabou sendo três vezes maior do que, por exemplo, na última semana.

Antes do aumento nas buscas da madrugada de quinta-feira, as consultas pelos termos tiveram um pico em agosto, quando a Folha de S. Paulo publicou uma entrevista em que o candidato do PSL afirmou que homens não deveriam intervir na decisão da mulher de interromper a gravidez.

 

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Marcella Ramos é jornalista baseada no Rio de Janeiro.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Sergei Loznitsa – decadência e degradação onipresentes

A Rússia filmada pelo cineasta ucraniano mostra ao resto do mundo qual caminho não seguir

Deu no celular

Fim do lulismo, campanha via smartphone e a era da desinformação

No Brasil, passeata passa antes pela escola

Pesquisa da Pew Research mostra que 29% dos brasileiros mais escolarizados dizem participar de protestos, contra 8% dos que têm menos anos de estudo – a maior diferença entre 14 países

Ingressos à venda para o Festival Piauí GloboNews de Jornalismo

Estudantes e professores pagam meia-entrada, e assinantes da revista têm desconto

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

Correndo riscos

Eficiente na campanha, o medo não serve a Bolsonaro para governar o país

Buscas por “Fascismo” batem recorde no Google

Curiosidade atingiu o auge no domingo da eleição, com dez vezes mais pesquisas do que a média; "Jair Bolsonaro" é um dos principais assuntos relacionados

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

3

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

6

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

7

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

8

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

9

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

10

O candidato da esquerda

Pouco conhecido, sem nunca ter feito vida partidária ou disputado votos, o ministro Fernando Haddad parte em busca dos militantes do PT, dos paulistanos e da prefeitura