anais das redes

Moro cresce e irmãos Bolsonaro caem em citações no Twitter

Monitoramento indica personagens do governo mais citados na rede este ano

Marcella Ramos
10maio2019_19h25

Sobem Sergio Moro e Paulo Guedes, caem os irmãos Bolsonaro. No Twitter, os super-ministros da Justiça e da Economia estão em alta, cada vez mais citados em publicações na rede social, enquanto os filhos do presidente apresentam tendência de queda. A pedido da piauí, a Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (DAPP-FGV) monitorou os personagens do governo mais citados no Twitter de 1º de janeiro até o dia 7 de maio. O balanço a seguir mostra o sobe e desce dos bolsonaristas até agora. Ele será atualizado ao fim de cada mês.

O ano começou com maior número de menções a Flávio, Carlos e Eduardo Bolsonaro. No final de abril, o cenário já era outro: o ministro da Justiça, Sergio Moro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o ministro da Educação, Abraham Weintraub, foram os mais citados do mês. No acumulado dos últimos quatro meses, Moro foi o mais popular, seguido pelos três filhos do presidente, que são cada vez menos mencionados desde fevereiro.

 

Em abril, Moro e Guedes chamaram mais atenção do que qualquer outro personagem. Guedes foi o segundo mais presente, com 1 milhão de citações – quase o triplo do que recebeu em março (362 mil). Abril foi o mês em que se intensificou o debate sobre a reforma da Previdência. Numa audiência na Câmara, Guedes foi protagonista de uma discussão acalorada com o deputado Zeca Dirceu, do PT, que o chamou de “tchutchuca”. Diante da confusão, a sessão foi encerrada. Guedes e Dirceu saíram do plenário aos gritos, e o bate-boca movimentou o Twitter.

O crescimento constante de Moro nas redes acabou levando o ministro a criar sua conta no Twitter no mês passado. Em poucas horas, ele conquistou mais de 50 mil seguidores e hoje tem mais de 750 mil. Em abril, o ministro da Justiça foi citado 1,1 milhão de vezes. Um dos primeiros atos de Moro na rede social – a tentativa de “provar” que o perfil era legítimo, mesmo que o selo de verificado já sirva para isso – virou piada. Em março, o grande momento de Moro foi o embate com Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, que criticou o pacote anticrime do ministro e se recusou a colocá-lo em pauta.

Carlos, que foi o segundo personagem relacionado ao governo mais citado em janeiro, principalmente porque começou o mês na garupa do Rolls-Royce presidencial, não teve o mesmo nível de atenção ao criticar o vice-presidente Hamilton Mourão em abril. O general teve mais citações naquele mês do que o próprio filho de Bolsonaro.

 

Flávio Bolsonaro foi campeão de menções em janeiro e se mantém em segundo lugar no ranking geral graças aos desdobramentos do caso Queiroz – que teve início em 6 de dezembro de 2018, quando O Estado de S. Paulo publicou que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) registrou movimentação atípica, de 1,2 milhão de reais entre 2016 e 2017, na conta do ex-assessor do então deputado estadual. Em janeiro, o Jornal Nacional noticiou que, entre junho e julho de 2017, Flávio Bolsonaro recebeu 48 depósitos suspeitos, no valor total de 96 mil reais. Naquele mês, ao todo, foram 2,2 milhões de menções ao senador do PSL do Rio de Janeiro. Em fevereiro, no entanto, as menções ao primogênito de Bolsonaro despencaram e, desde então, só tendem a cair.

Olavo de Carvalho, ideólogo de extrema direita e influente na formação do governo – ele que indicou o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o ex-ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez –, alcançou seu maior número de menções no Twitter na primeira semana de maio de 2019. O motivo: a batalha digital contra o ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz.

O diretor da Dapp, Marco Ruediger, ressalta que os números também espelham a situação conflituosa em que o governo se encontra. “Surge um segundo momento marcado pelo embate entre o centro e a extrema direita. Nesse cenário, Olavo de Carvalho cresce. No momento que o centro ameaça deixar o governo, Bolsonaro tem que manter a ‘base’, o eleitorado mais preocupado com a pauta dos costumes”, explica.

A primeira semana de maio foi decisiva também para outro personagem: o novo  ministro da Educação, Abraham Weintraub. Desconhecido até abril, quando foi nomeado, o economista chamou atenção quando declarou, no dia 30 daquele mês, que cortaria recursos de universidades que promovessem “balbúrdia”. Em maio, bloqueou o orçamento da educação, do ensino infantil à pós-graduação. As medidas provocaram protestos de estudantes em todo o Brasil.

No último dia do levantamento da DAPP, 7 de maio, Weintraub cometeu uma gafe durante uma audiência na Comissão de Educação do Senado. Na tentativa de citar o escritor tcheco Franz Kafka, autor de O Processo, pronunciou “kafta”, prato comum na culinária árabe. O episódio foi motivo de piada no Twitter e gerou os primeiros memes da carreira do ministro.

 

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Mais textos
2

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

4

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

6

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

7

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

10

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução