Festival Piauí GloboNews de jornalismo

César Batiz e o dia a dia de um cidadão na Venezuela

01nov2016_13h17

César Batiz trabalha em dois veículos da mídia independente em seu país: a plataforma de dados Poderopedia e o canal online El Pitazo. Batiz conversou com a repórter Carol Pires e com Simon Romero, correspondente do New York Times.

Batiz comentou a grave crise econômica que afeta a rotina da população. Diariamente, as pessoas com menor poder aquisitivo gastam horas em filas para adquirir produtos de primeira necessidade. A gravidade da situação propiciou o surgimento dos bachaqueros: “São pessoas que têm contatos no comércio e ligam a seus clientes oferecendo produtos, como por exemplo um quilo de arroz.” Os bachaqueros cobram mais caro e lucram em cima da revenda. “Todos os venezuelanos precisam desses vendedores informais, que repassam arroz, fraldas, cimento, medicamentos, até papel higiênico.”

O governo controla as fábricas importantes, e a escassez de produtos gera situações inusitadas: “As fábricas de cimento foram estatizadas e não dispõem de sacos para embalar o produto. Recorrem a sacos plásticos destinados a outros fins. E se você for pego na rua com vários sacos de cimento, podem achar que são para revenda e você corre o risco de ser preso.” O governo também controla o papel. “Os jornais tiveram de reduzir o número de páginas; alguns se limitam a lançar a edição impressa somente em alguns dias por semanas, colocando o resto do conteúdo na internet.” Nos últimos três anos, 22 jornais fecharam na Venezuela devido à falta de papel.

 

Veja também

César Batiz e o jornalismo independente na Venezuela

A íntegra da conversa[vc_column][/vc_column][/vc_row]



Leia Também

Últimas Mais Lidas

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

A história e os bastidores do Foro de Teresina

Apresentadores relembram início do programa, que completa um ano esta semana

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

Interação com o público ajuda a ganhar e manter audiência

Fidelidade de ouvintes pode se transformar em financiamento coletivo e ajudar a manter podcasts

Os desafios e a rotina de contar histórias em podcast

Roteiro capaz de amarrar narrativas é segredo para um bom programa; dificuldade de financiamento é cotidiana

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

A Copa industrializada

Revendo algumas imagens, graças ao santo youtube, é fácil notar que a Copa de 66, na Inglaterra, teve um jeitão todo inglês. A de 70, no México, foi mexicana até o último burrito. O raciocínio parece óbvio, mas ele melhora se pegarmos as copas disputadas neste século: todas foram iguais, sem qualquer sabor local. Por incrível que pareça, conseguiram fazer uma Copa na África idêntica a uma Copa na Alemanha. A Fifa acha isso bom. Eu acho péssimo.

6

Touchdowns no ABC

A batalha de São Bernardo Cougars contra Sorocaba Vipers

7

Princesa Kate: “Edison Lobão foi minha desgraça.” 

PALÁCIO DE BUCKINGHAM – Aos prantos, três horas após aceitar como seu legítimo esposo William Arthur Philip Louis, duque de Cambridge, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, Kate Middleton confessou ao pai: “Amo Edison Lobão.” A notícia, não confirmada pela Casa de Windsor, causou perplexidade no Reino Unido e já é considerada a pior crise da monarquia desde a renúncia de Eduardo VIII, em 1936.

8

Furo: a exemplo de falso fotógrafo exposto pela BBC, famoso blogueiro também copiava textos

A história era de grudar os olhos na tela: um blogueiro brasileiro se lançara às principais zonas de guerra do Brasil, entre elas Brasília, São Bernardo do Campo, Guarujá e Atibaia, para registrar o sofrimento humano

10

Chico Buarque é visto vendendo miçanga na praia para sobreviver

LEBLON - O fim do Ministério da Cultura fez com que artistas consagrados finalmente começassem a trabalhar.