questões da política

Conflito com Rede Globo é chave para candidatura de Huck

Apresentador tem até sexta para responder ultimato da emissora; disputa contratual pode ser usada contra pecha de “candidato da Globo”

José Roberto de Toledo
15fev2018_15h36
FOTO: EDUARDO ANIZELLI_FOLHAPRESS

Éamanhã. Luciano Huck recebeu ultimato para definir até esta sexta-feira se é candidato ou não. Foi dado pela Rede Globo, que evocou a cláusula padrão dos contratos da emissora segundo a qual todo contratado tem que avisar com um ano de antecedência se disputará cargo eletivo. Encontros de Huck com políticos como Fernando Henrique Cardoso dariam base, em tese, para a emissora cobrar a multa rescisória, equivalente a vários “salários” do apresentador. Pagar dezenas de milhões de reais de indenização – ou levar a disputa à Justiça – é o preço para Huck viabilizar sua candidatura à Presidência. Talvez não seja tão caro assim.

Simulado ou real, o conflito público com o empregador permitiria ao apresentador tentar se livrar da pecha de “candidato da Globo”. Seria também uma maneira de a emissora dizer que não tem candidato naquela que promete ser a eleição presidencial mais acirrada desde o fim da ditadura. A disputa contratual pode ser a base de um acordo tácito entre Huck e a Globo. Ou não.

A pressão da mulher, dos pais e do irmão para que Huck não seja candidato não arrefeceu. Apresentadora como o marido, Angélica também perderia seu contrato com a emissora. De horário próprio na programação da tevê passaria a ser candidata a primeira-dama. A tempestade nas mídias sociais durante o Carnaval – motivada pela notícia de que Huck teve seu jatinho financiado pelo BNDES a juros negativos (menores do que a inflação) – deu uma amostra do que ele tende a enfrentar se vier a confirmar sua candidatura.

Há também questões judiciais envolvidas na decisão. Nesta quinta-feira, o ministro Napoleão Nunes, do Tribunal Superior Eleitoral, arquivou denúncia de dois senadores do PT contra Huck e seu colega Fausto Silva por abuso de poder econômico. O motivo foi uma aparição do apresentador no Domingão do Faustão, em 7 de janeiro, que os petistas consideraram campanha antecipada. Na sua defesa, Huck disse que não é candidato. Essa afirmação foi repetida na sentença do ministro. Se o apresentador se candidatar, o caso pode ressuscitar.

Falando no outro ouvido do apresentador estão políticos como FHC e Roberto Freire – presidente do PPS, partido pelo qual Huck se candidataria. Mas não só. Entres os apoiadores da candidatura presidencial estão alguns dos maiores empresários do país, como Jorge Paulo Lemann, e financistas como Armínio Fraga e Eduardo Mufarrej. Este último criou um mecanismo para apoiar candidatos – a maioria a deputado federal – chamado RenovaBr. Esboço de uma base parlamentar huckiana? O vídeo com uma fala do apresentador foi uma das atrações do evento de lançamento do movimento.

Mas nenhum empresário ou político levantou argumentos mais fortes para reanimar o Huck candidato do que a condenação de Lula em segunda instância e a perspectiva de o ex-presidente vir a ser preso. Pesquisas encomendadas pelo apresentador mostram que ele tem potencial para conquistar uma fatia dos eventuais órfãos da candidatura do petista, especialmente os mais pobres.

Nesse segmento do eleitorado a história de Huck tem mais apelo. É entre quem cola melhor o que os estrategistas do apresentador gostam de chamar de narrativa “aspiracional”. Segundo ela, o Huck candidato seria um novo capítulo do Huck apresentador. Como na tevê, ele representaria o facilitador que ajuda outros a realizarem seus sonhos. A diferença seria de escala: em vez de um telespectador por programa, milhões de eleitores por eleição.

Da idealização do roteiro ao sucesso nas urnas vai um longo caminho, cheio de armadilhas e contradições. Resolver a primeira delas é condição indispensável para a jornada do candidato poder mesmo começar: ser um nome global sem ser o candidato da Globo.

P.S.: O anúncio oficial só sai nesta sexta, mas o colunista Lauro Jardim, de O Globo, publicou nota em sua coluna on-line afirmando que Huck decidiu não se candidatar. Sinal de que não conseguiu resolver o conflito com a Rede Globo.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Fraturas no antipetismo

Bolsonaro não consegue unificar eleitorado que é contra Lula

Marina Silva, sem voto e sem dinheiro

Doações de pessoas físicas e crowdfunding para candidatura da Rede fracassam e campanha corta custos na reta final da disputa

Hungria, França e Brasil

Por que são críveis os acenos de Haddad ao centro

“São particulares”, diz Exército sobre caminhões usados em campanha

Veículos flagrados com propaganda de Bolsonaro e que viralizaram nas redes foram vendidos pela União, mas continuam com aparência militar

Plata o plomo

Bolsonaro depende de fisiologismo ou de autogolpe para governar

Maria vai com as outras #9: Sexo como ganha-pão

A prostituta de luxo Livia Rodrigues, a dona de uma sex shop para lésbicas e bissexuais Marcia Soares e a atriz pornô Monique Lopes falam sobre os prazeres e agruras que envolvem suas profissões

E se Bolsonaro ganhar?

A violência como plataforma de governo

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

Mais textos
1

Não foi você

Uma interpretação do bolsonarismo

2

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

3

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

4

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

5

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

6

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

7

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

8

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

9

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

10

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad