questões da política

Delação da Odebrecht, o dia seguinte

Uma vez concluída, a delação da Odebrecht fechará um capítulo na história da Operação Lava Jato.

Malu Gaspar
10ago2016_18h26
FOTO: Giuliano Gomes/Folhapress

Enfim, Marcelo Odebrecht começou a falar. Mas a conversa que teve com os procuradores na última quinta-feira foi apenas a primeira de uma longa série, e oficialmente nem depoimento foi.  Dentro da própria Odebrecht, não se espera a assinatura de um acordo de delação premiada antes de novembro. Até o final do processo, muita especulação e inúmeros vazamentos  vão rondar o conteúdo das revelações do executivo e de seu time.  Uma vez concluída, a delação da Odebrecht fechará um capítulo na história da Operação Lava Jato. Produzirá o maior inventário da corrupção já feito no Brasil. E deixará para a investigação e para as instituições desafios cruciais.

O primeiro desafio decorre da quantidade de políticos com foro privilegiado envolvidos  em algum tipo de crime. Nos bastidores, fala-se em duas centenas. Se cumprido o roteiro usual, o Ministério Público enviará ao Supremo Tribunal Federal pedidos para abrir inquérito contra todos, ou quase todos.  A questão é que a corte é muito lenta. Uma vez autorizada a abertura de inquérito, o STF leva, em média, 945 dias para decidir se abre um processo ou descarta a acusação, segundo um levantamento da Fundação Getulio Vargas feito para o jornal Valor Econômico. Por isso, uma ala dos investigadores teme que as denúncias de Odebrecht caiam no limbo e passem a opinião pública a impressão de que a Lava Jato chegou ao esgotamento.  A lentidão do Supremo foi, inclusive,  um dos argumentos utilizados pela banda da Lava Jato que era contra um acordo com Marcelo Odebrecht – como se vê, sem sucesso. Restou aos mais otimistas a expectativa de que a pressão sobre o STF poderá levar a uma mudança na regra do foro privilegiado, que hoje protege cerca de 20 mil funcionários públicos.  Acabar com o foro é uma briga muito cara à chamada República de Curitiba. Mas, até que alguma mudança aconteça (se é que vai acontecer), sempre se poderá temer que as investigações sigam um roteiro parecido com o das Operação Mãos Limpas, na Itália, que começou a perder força no momento em que sua abrangência aumentou significativamente.

O segundo desafio tem a ver com a forma de fazer negócios no Brasil. Desde que a operação começou a prender executivos de empreiteiras,  fala-se na entrada de novos competidores nesse mercado, pequenos, médios e estrangeiros. Até agora, porém, isso não aconteceu – em parte por causa do desaquecimento econômico, mas também por que não há nenhuma segurança de que, daqui para frente, será possível operar no Brasil sem ter de pagar propina para ninguém. Apesar das altas multas impostas aos corruptos confessos, na prática nada mudou na forma de contratação e na fiscalização de quem fecha contratos com o governo. Segundo me disse recentemente um banqueiro que recebe, por dever de ofício, acionistas de empresas estrangeiras buscando “entender o Brasil”, elas ainda não vieram por que não confiam que a forma de fazer negócios realmente irá mudar.

Mesmo entre as empreiteiras da Lava Jato, há diferenças na maneira de entender o novo contexto. Há as que fizeram delação e acordo de leniência com o governo e estão abandonando áreas de negócios para não ter de lidar com pedidos de propina, porque entendem que não há espaço, no futuro, para empresas corruptas. Mas há, também, os que comemoram ter fechado logo um acordo, porque assim os acionistas não precisaram fazer delação, e a multa, apesar de alta,  vai poder ser paga em prestações, ao longo de mais de uma década. Foi o que disse o dono de uma delas, dia desses, numa conversa com um parceiro comercial, em que nenhuma palavra de arrependimento ou mudança foi mencionada. Ao que parece, para alguns colaborar com a Lava Jato saiu barato. Nesse ponto, também, a forma como a Odebrecht sairá do acordo de delação deverá estabelecer um marco histórico – só não se sabe, ainda, quem pagará a  conta mais salgada.



Malu Gaspar (siga @malugaspar no Twitter)

Repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

3

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

4

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

5

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

8

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

10

De volta à Rua do Ouvidor

Uma pequena livraria no Centro do Rio sobrevive à catástrofe econômica causada pela quarentena