Fuga de cérebros, de Vito Quintans

_183

Dezembro 2021

cartuns

Cartuns de Renato Terra e Beto Nejme Renato Terra e Beto Nejme

COLABORADORES

Vito Quintans

[Capa] é artista plástico e assina a direção de arte do jogo virtual Lampião Verde – A Maldição da Botija.

Angélica Santa Cruz

[Arthur, o miúdo, p. 12], jornalista, foi editora executiva da revista Época e do Diário de S. Paulo.

Consuelo Dieguez

[Na encruzilhada, p. 20], repórter da piauí, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas (Companhia das Letras).

Bernardo Esteves

[A nova cara do ativismo, p. 34], repórter da piauí, é autor do livro Domingo É Dia de Ciência (Azougue Editorial).

Paula Ramón

[O carrasco em casa, p. 46], jornalista venezuelana, é correspondente da AFP em Los Angeles. Fotografia de Leo Drummond.

Caco Galhardo

[A reinauguração da realidade, p. 58], cartunista e roteirista, lançou a coletânea Cinco Mil Anos: E (Quase) Todas as Tiras (Companhia das Letras).

Edgard Telles Ribeiro

[Os claros da vida, p. 62] é escritor e diplomata aposentado. Publicou treze livros de ficção; entre eles, Uma Mulher Transparente e O Impostor (ambos pela Todavia).

Silvia Gomez

[A terra fumegante, p. 68] é dramaturga, roteirista e jornalista, autora das peças teatrais Mantenha Fora do Alcance do Bebê, Neste Mundo Louco, Nesta Noite Brilhante e A Árvore, entre outras.

Arthur Nestrovski

[O mineiro transcendental, p. 77] é diretor artístico da Osesp e autor de Tudo Tem a Ver: Literatura e Música (Todavia). Compositor e violonista, lançou os discos Sarabanda (com Lívia Nestrovski) e Sarabandas (violão solo), ambos pelo selo Circus.

Fernando de Barros e Silva

[Cinquenta tons de direita, p. 6] é repórter da piauí e apresentador do podcast Foro de Teresina. Fotomontagem de Pedro Zolli.

Renato Terra

[Cartuns a partir da p. 18] é colunista da Folha de S.Paulo e diretor de Narciso em Férias e Uma Noite em 67. Publicou Diário da Dilma (Companhia das Letras). Beto Nejme, ilustrador dos cartuns, é designer gráfico, artista plástico e capista.

Mitchell Abidor

[Extremismo à francesa, p. 28] é tradutor e historiador. Miguel Lago, coautor do artigo, é diretor executivo do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (Ieps) e leciona na Universidade Columbia, em Nova York, e na Sciences Po Paris.

Alan Bordallo

[Adeus à infância, p. 39] é jornalista e desde 2016 trabalha com comunidades tradicionais na Amazônia. Raimundo Paccó é fotojornalista. Trabalhou no Correio Braziliense e na Folha de S.Paulo. Seu primeiro longa-metragem, Consagração, estreia em janeiro.

João Felipe Gonçalves

[Racismo e asfixia, p. 54] é antropólogo, doutor pela Universidade de Chicago e professor da USP, onde dirige o Canibal – Grupo de Antropologia do Caribe Global.

Martha Batalha

[Todo mundo vai sofrer, p. 61] é escritora, autora dos romances A Vida Invisível de Eurídice Gusmão e Nunca Houve um Castelo (ambos da Companhia das Letras), e colunista do jornal O Globo.

Jerônimo Teixeira

[Explosão cambriana, p. 67] é jornalista e escritor. Publicou a coletânea de contos Antes do Circo (Record) e o romance Os Dias da Crise (Companhia das Letras).

Leda Martins

[Poesia, p. 73], poeta, dramaturga e ensaísta, é autora de Performances do Tempo Espiralar: Poéticas do Corpo-tela (Cobogó). Ilustração de João Pinheiro.