questões da desigualdade

Em 37 dias, vírus mata mais que bala e trânsito em um ano

Mortes crescem na periferia de São Paulo enquanto hospitais particulares veem estabilização do número de casos

Camille Lichotti
25abr2020_10h32
Ilustração de Carvall

Ao marchar das áreas nobres de São Paulo rumo à periferia da cidade, a covid-19 mata cada vez mais. De 17 de março, quando foi confirmada a primeira morte na capital, a 23 de abril, foram 2.727 óbitos por covid-19 entre confirmados e suspeitos, de acordo com a prefeitura. Ou seja, 23 mortes a cada cem mil habitantes. Em 2017, durante todo o ano, as taxas de mortes por homicídio e em acidentes de trânsito, somadas, chegaram a 16,7 por cem mil habitantes – em pouco mais de um mês, a taxa de mortes por covid-19 foi 38% maior. Outra comparação ajuda a entender a velocidade e a letalidade da covid-19 na capital paulista: a taxa de 23 mortes por cem mil habitantes é 4 vezes a taxa de homicídios de todo o ano passado.  

A epidemia evolui de modo distinto nas diferentes regiões de São Paulo. Enquanto nos hospitais privados, que atendem as classes mais altas, o número de internações aos poucos se estabiliza, o cenário que se desenha nas Zonas Leste e Norte mostra que, por lá, o problema está longe de acabar – e as consequências serão muito piores. No dia 17 de abril, quando a prefeitura publicou o último boletim epidemiológico, a taxa de mortes suspeitas e confirmadas por covid-19 por cem mil habitantes da Zona Leste 1, que abrange 16 distritos entre a região central e o extremo leste, já era a maior da cidade. A taxa de 23,5 ultrapassou inclusive a do Centro, que era 20,2 até então.

Para Beatriz Tess, epidemiologista e professora da Universidade de São Paulo, muitas variáveis ajudam a explicar o alto número de mortes nos bairros periféricos, e o acesso à assistência médico-hospitalar é uma delas. “Uma assistência médica de qualidade é crucial para os pacientes que desenvolvem um quadro mais grave da doença ”, diz Tess. O porte e a distribuição dos hospitais, assim como ofertas de leitos de UTI e equipamentos, são decisivos para preservar a vida dos doentes. E, nesse ponto, a desigualdade pode ser fatal. No último boletim epidemiológico da prefeitura, o Morumbi, distrito rico da Zona Oeste, registrava 297 casos confirmados – o maior número da cidade – e sete mortes. Sapopemba, na periferia Leste, tinha 84 casos confirmados e 51 mortes. “Não há dúvidas de que a desigualdade está sendo responsável por esse cenário”, diz Tess.

O índice de Gini é um parâmetro utilizado para medir o nível de desigualdade de uma região. Varia de 0 a 1, e quanto maior o número, mais desigual é aquele local. O índice 1, por exemplo, indicaria que todo o rendimento é concentrado em apenas uma pessoa. Segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano, o índice de Gini da cidade de São Paulo é 0,62 – maior que a média brasileira –, e os efeitos da desigualdade paulistana se acentuam em momentos de crise. 



O Hospital Estadual de Sapopemba dispõe de vinte leitos adultos de UTI no total, segundo o Datasus. Sapopemba é parte da Zona Leste 1 e, de acordo com o último boletim epidemiológico, era o segundo distrito com maior número de mortes. Os moradores podem buscar atendimento em hospitais públicos de bairros vizinhos, mas pelo menos quatro outros hospitais da Zona Leste já estão com as UTIs funcionando no limite máximo. A assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde da Prefeitura não respondeu quantos leitos, dos vinte disponíveis, estão sendo usados para pacientes com covid-19 em Sapopemba. Durante o pico de internações, somente a unidade Morumbi do Hospital Albert Einstein chegou a utilizar 66 leitos de UTI para pacientes com covid-19. Isso é três vezes o número de leitos totais do Hospital Estadual de Sapopemba.

No Hospital Albert Einstein, voltado para um público de maior poder aquisitivo e onde foram registrados os primeiros casos da doença, o número de internações e casos confirmados está caindo. No dia 9 de abril, a unidade Morumbi tinha 112 casos confirmados de covid-19 e 66 pacientes em UTI. Menos de duas semanas depois, no dia 20 de abril eram 83 casos e 39 internações na UTI. Além disso, o hospital aumentou o número de altas de pacientes de covid-19 – foram 260 no último dia 20.

 

Nas regiões mais pobres, a epidemia está longe de ser controlada. Segundo Tess, as consequências – entre elas o número de mortes – na periferia ainda vão se mostrar muito piores no futuro. Informações do último boletim epidemiológico da Prefeitura de São Paulo mostram que a escalada no número de mortes é muito discrepante entre os distritos. Na 12ª semana epidemiológica, em meados de março, Brasilândia, bairro pobre da Zona Norte, e o Morumbi tinham a mesma quantidade de mortes: uma em cada distrito. Sapopemba ainda não apresentava mortos por coronavírus. Quatro semanas depois, Brasilândia tinha 51 mortes, Sapopemba, 48 e o Morumbi, apenas 7. 

 

Os dados da prefeitura somam mortes confirmadas e suspeitas de covid-19. É uma estratégia adotada com o objetivo de não piorar ainda mais o cenário de subnotificação, potencializado pelo atraso nos resultados dos testes. A falta de testes e a demora nos resultados indicam que a real situação é bem pior do que mostram os dados, principalmente na rede pública. Segundo o último boletim epidemiológico da prefeitura, publicado no dia 17 de abril, o Instituto Adolfo Lutz – principal responsável pela análise de amostras do SUS – só havia entregado o resultado de 32% dos testes para covid-19 realizados desde o início da epidemia. Ou seja, a maior parte dos testes da rede pública ainda não tinha resultado disponível até então.

A epidemiologista Beatriz Tess explica que o acesso aos testes também é um indicador social. “Pela distribuição do mapa [apresentado no boletim epidemiológico], vemos que nas regiões mais pobres a maioria dos óbitos nem chegou a ser confirmada”, conta. O distrito de Sapopemba, por exemplo, tem mais de 75% das mortes classificadas como suspeitas, de acordo com o último boletim epidemiológico da prefeitura. É uma situação bem diferente do Morumbi, que tem menos de 25% das mortes nessa situação. O atraso nos testes pode esconder um número muito maior de casos nas regiões periféricas, como explica Tess. “A defasagem nos dados dificulta a análise mais cuidadosa e particularizada de cada distrito”, acrescenta. “Além disso, atrapalha a adoção de políticas públicas efetivas.”

O número de hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave dá uma pista do tamanho dessa defasagem. Dos 12.495 casos observados na cidade até a publicação do último boletim epidemiológico, 3.282 foram confirmados para o novo coronavírus, mas 6.467 ainda estão sob investigação. Até o dia 23 de abril, a Prefeitura de São Paulo confirmou 11.025 casos de covid-19 e 1.124 mortes.

 

Camille Lichotti (siga @camillelichotti no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

5

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos