maratona piauí cbn de podcast

Em podcasts jornalísticos, muito planejamento e pouco improviso

Produção diversificada e roteiro bem construído ajudam a resumir informação e análise

17ago2019_16h28
Camila Olivo, Conrado Corsalette, Magê Flores e o mediador Antonio Rocha Filho
Camila Olivo, Conrado Corsalette, Magê Flores e o mediador Antonio Rocha Filho FOTO: MARCELO SARAIVA

Na rotina agitada de uma redação, fazer um podcast diário exige muito de planejamento e pouco de improviso. O roteiro definido é um dos traços em comum dos podcasts jornalísticos diários, tema da terceira mesa da 2ª Maratona Piauí CBN de Podcast, realizada neste sábado, 17 de agosto, em São Paulo. Participaram da conversa Conrado Corsalette, editor-chefe do portal Nexo Jornal e apresentador do Durma com Essa, Magê Flores, jornalista da Folha de S.Paulo e apresentadora do Café da Manhã, e Camila Olivo, jornalista que produz, edita e apresenta os podcasts Panorama CBN, diário, e CBN Professional, semanal. A mediação foi do professor Antonio Rocha Filho, da ESPM, parceira institucional do evento. O Google News Initiative também apoiou a maratona.

“Nossos podcasts surgiram a partir de uma pergunta: qual a melhor forma de contar uma história? Se for a trilha sonora de um filme, vamos contar em áudio. A gente fazia podcasts sobre vários temas”, lembrou Corsalette ao explicar a entrada do Nexo Jornal, um veículo nativo digital, na era dos podcasts. A partir de 2017, o Nexo começou a investir em podcasts de política. O Durma com Essa vai ao ar a partir das 18h30, discutindo um tema relevante do dia, e dura de 10 a 15 minutos.

O relato de Flores ajudou a entender como veículos tradicionais aderiram aos podcasts. O primeiro realizado na Folha foi o Presidente da Semana, criado pelo jornalista Rodrigo Vizeu. Aos poucos, a partir de propostas do Spotify, o veículo foi criando mais conteúdos em áudio. Vizeu e Flores deixaram outras funções no jornal para se dedicar apenas aos podcasts. Segundo a jornalista, cada episódio do Café da Manhã consome, em geral, um dia de trabalho. O podcast vai ao ar antes das 6h da manhã e, em geral, conta com a participação de repórteres da Folha.

Olivo destacou que o texto de podcasts tem características específicas, que o tornam mais leve que o texto de rádio. A linguagem é mais informal, e não é necessário começar com a notícia. “É uma coisa mais contada, como se eu estivesse falando com uma pessoa. Posso começar explicando o que é Mercosul. O podcast quebra um pouco o paradigma do que é notícia nova e o que é notícia velha”, explicou. No Panorama CBN, ela costuma aproveitar áudios produzidos para os programas da emissora.



O podcast The Daily, produzido pelo The New York Times, foi citado pelos três jornalistas como referência de conteúdo diário em áudio. Em busca da melhor forma de contar uma história, um ponto foi unânime entre os três jornalistas: é preciso juntar a qualidade do formato, destacando o roteiro e uma boa edição de som, com a qualidade do conteúdo. “É preciso ter o que dizer”, destacou Corsalette.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Gatinhos que rugem e outros bichos

Na política e nos negócios, manada digital manipula incautos

Desespero e solidariedade em Manaus

Rapaz que perdeu três parentes para a Covid relata os dias em que lutou para que sua mãe pudesse ter oxigênio 

2020 – Deletar ou nunca esquecer?

Esquecimento apaga a avaliação de erros e responsabilidades; urgente é construir memorial em homenagem às vítimas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.