maratona piauí cbn de podcast

Um podcast pra chamar de seu: os temas de cada tribo

Futebol, feminismo e história motivam conteúdos produzidos para grupos específicos; para realizadores, nem todo patrocínio é bom

17ago2019_13h40
Filipe Figueiredo, Gabriela Santos e a mediadora Paula Scarpin
Filipe Figueiredo, Gabriela Santos e a mediadora Paula Scarpin FOTO: MARCELO SARAIVA

A produção de podcasts voltados para nichos específicos – como entusiastas de futebol, geopolítica, feminismo e celebridades – foi o assunto da mesa “Temas e Tribos”, da 2ª Maratona Piauí CBN de Podcast, que acontece neste sábado, 17 de agosto, em São Paulo. O evento está sendo realizado no auditório da ESPM na Vila Mariana. Com mediação da diretora de criação da Rádio Novelo, Paula Scarpin, Filipe Figueiredo, apresentador do Fronteiras Invisíveis do Futebol, e Gabriela Santos, do Pretas na Rede, falaram sobre suas rotinas de trabalho e como surgiu a ideia de criar um programa de áudio. Os dois podcasts contam com um público fiel de seguidores nas redes.

“A gente faz o que quer fazer, e por alguma coincidência do universo as pessoas gostam”, brincou Figueiredo. Segundo ele, o Fronteiras Invisíveis do Futebol – publicado quinzenalmente – conta com audiência mensal entre 40 mil e 45 mil downloads.

O programa trata principalmente de história e geopolítica, tendo o esporte como condutor da narrativa. “O futebol é uma desculpa”, explicou. A ideia surgiu a partir de trabalhos que Figueiredo fez na USP junto com o colega Matias Pinto, hoje também apresentador do podcast. Os dois se dividem na produção do programa. “Podcast hoje é como o Cinema Novo: você só precisa de uma ideia na cabeça e um microfone na mão”.

No caso do Pretas, a dinâmica é diferente. O programa não é gravado presencialmente, mas por meio de plataformas de vídeo online. As apresentadoras moram em diferentes estados, e a maioria delas sequer se conhece pessoalmente. “Nós escolhemos um tema, criamos uma pauta estudada, para saber mais sobre o assunto, e marcamos uma data.”



Não há temática fixa no programa. Os assuntos variam de feminismo a celebridades, de empreendedorismo negro a pagode. “É um podcast no qual quatro mulheres pretas falam sobre tudo, provando que além de negritude nós tratamos de outras temáticas”, explica Santos. O público, segundo ela, não se restringe a pessoas negras, e; os ouvintes têm, em média, entre 30 e 35 anos.

Ao tratar de financiamento, os dois podcasters concordaram em um ponto: nem todo patrocínio é bom. Diferentemente de grandes veículos de comunicação, nos quais a publicidade tem efeito difuso, nos podcasts a relação entre apresentadores e ouvintes é de confiança e gera efeitos claros. Santos relatou que, recentemente, o Pretas recusou um patrocínio porque o produto em questão não dialogava com os assuntos tratados no programa. “Eu perguntei: vocês já ouviram o nosso programa?”

Para Figueiredo, “cabe aos podcasters saber valorizar o próprio passe”. Segundo ele, é mais importante saber recusar do que aceitar oportunidades de financiamento. “Se você ficar anunciando tudo, uma hora ninguém vai te ouvir mais.”

 

Leia também

Últimas Mais Lidas

Gatinhos que rugem e outros bichos

Na política e nos negócios, manada digital manipula incautos

Desespero e solidariedade em Manaus

Rapaz que perdeu três parentes para a Covid relata os dias em que lutou para que sua mãe pudesse ter oxigênio 

2020 – Deletar ou nunca esquecer?

Esquecimento apaga a avaliação de erros e responsabilidades; urgente é construir memorial em homenagem às vítimas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.