maratona piauí cbn de podcast

Um podcast pra chamar de seu: os temas de cada tribo

Futebol, feminismo e história motivam conteúdos produzidos para grupos específicos; para realizadores, nem todo patrocínio é bom

17ago2019_13h40
Filipe Figueiredo, Gabriela Santos e a mediadora Paula Scarpin
Filipe Figueiredo, Gabriela Santos e a mediadora Paula Scarpin FOTO: MARCELO SARAIVA

A produção de podcasts voltados para nichos específicos – como entusiastas de futebol, geopolítica, feminismo e celebridades – foi o assunto da mesa “Temas e Tribos”, da 2ª Maratona Piauí CBN de Podcast, que acontece neste sábado, 17 de agosto, em São Paulo. O evento está sendo realizado no auditório da ESPM na Vila Mariana. Com mediação da diretora de criação da Rádio Novelo, Paula Scarpin, Filipe Figueiredo, apresentador do Fronteiras Invisíveis do Futebol, e Gabriela Santos, do Pretas na Rede, falaram sobre suas rotinas de trabalho e como surgiu a ideia de criar um programa de áudio. Os dois podcasts contam com um público fiel de seguidores nas redes.

“A gente faz o que quer fazer, e por alguma coincidência do universo as pessoas gostam”, brincou Figueiredo. Segundo ele, o Fronteiras Invisíveis do Futebol – publicado quinzenalmente – conta com audiência mensal entre 40 mil e 45 mil downloads.

O programa trata principalmente de história e geopolítica, tendo o esporte como condutor da narrativa. “O futebol é uma desculpa”, explicou. A ideia surgiu a partir de trabalhos que Figueiredo fez na USP junto com o colega Matias Pinto, hoje também apresentador do podcast. Os dois se dividem na produção do programa. “Podcast hoje é como o Cinema Novo: você só precisa de uma ideia na cabeça e um microfone na mão”.

No caso do Pretas, a dinâmica é diferente. O programa não é gravado presencialmente, mas por meio de plataformas de vídeo online. As apresentadoras moram em diferentes estados, e a maioria delas sequer se conhece pessoalmente. “Nós escolhemos um tema, criamos uma pauta estudada, para saber mais sobre o assunto, e marcamos uma data.”

 

Não há temática fixa no programa. Os assuntos variam de feminismo a celebridades, de empreendedorismo negro a pagode. “É um podcast no qual quatro mulheres pretas falam sobre tudo, provando que além de negritude nós tratamos de outras temáticas”, explica Santos. O público, segundo ela, não se restringe a pessoas negras, e; os ouvintes têm, em média, entre 30 e 35 anos.

Ao tratar de financiamento, os dois podcasters concordaram em um ponto: nem todo patrocínio é bom. Diferentemente de grandes veículos de comunicação, nos quais a publicidade tem efeito difuso, nos podcasts a relação entre apresentadores e ouvintes é de confiança e gera efeitos claros. Santos relatou que, recentemente, o Pretas recusou um patrocínio porque o produto em questão não dialogava com os assuntos tratados no programa. “Eu perguntei: vocês já ouviram o nosso programa?”

Para Figueiredo, “cabe aos podcasters saber valorizar o próprio passe”. Segundo ele, é mais importante saber recusar do que aceitar oportunidades de financiamento. “Se você ficar anunciando tudo, uma hora ninguém vai te ouvir mais.”

 

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Foro de Teresina #102: Tensão máxima no Planalto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

4

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

5

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

6

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

7

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

8

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

9

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

10

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores