maratona piauí cbn de podcast

Um podcast pra chamar de seu: os temas de cada tribo

Futebol, feminismo e história motivam conteúdos produzidos para grupos específicos; para realizadores, nem todo patrocínio é bom

17ago2019_13h40
Filipe Figueiredo, Gabriela Santos e a mediadora Paula Scarpin
Filipe Figueiredo, Gabriela Santos e a mediadora Paula Scarpin FOTO: MARCELO SARAIVA

A produção de podcasts voltados para nichos específicos – como entusiastas de futebol, geopolítica, feminismo e celebridades – foi o assunto da mesa “Temas e Tribos”, da 2ª Maratona Piauí CBN de Podcast, que acontece neste sábado, 17 de agosto, em São Paulo. O evento está sendo realizado no auditório da ESPM na Vila Mariana. Com mediação da diretora de criação da Rádio Novelo, Paula Scarpin, Filipe Figueiredo, apresentador do Fronteiras Invisíveis do Futebol, e Gabriela Santos, do Pretas na Rede, falaram sobre suas rotinas de trabalho e como surgiu a ideia de criar um programa de áudio. Os dois podcasts contam com um público fiel de seguidores nas redes.

“A gente faz o que quer fazer, e por alguma coincidência do universo as pessoas gostam”, brincou Figueiredo. Segundo ele, o Fronteiras Invisíveis do Futebol – publicado quinzenalmente – conta com audiência mensal entre 40 mil e 45 mil downloads.

O programa trata principalmente de história e geopolítica, tendo o esporte como condutor da narrativa. “O futebol é uma desculpa”, explicou. A ideia surgiu a partir de trabalhos que Figueiredo fez na USP junto com o colega Matias Pinto, hoje também apresentador do podcast. Os dois se dividem na produção do programa. “Podcast hoje é como o Cinema Novo: você só precisa de uma ideia na cabeça e um microfone na mão”.

No caso do Pretas, a dinâmica é diferente. O programa não é gravado presencialmente, mas por meio de plataformas de vídeo online. As apresentadoras moram em diferentes estados, e a maioria delas sequer se conhece pessoalmente. “Nós escolhemos um tema, criamos uma pauta estudada, para saber mais sobre o assunto, e marcamos uma data.”

Não há temática fixa no programa. Os assuntos variam de feminismo a celebridades, de empreendedorismo negro a pagode. “É um podcast no qual quatro mulheres pretas falam sobre tudo, provando que além de negritude nós tratamos de outras temáticas”, explica Santos. O público, segundo ela, não se restringe a pessoas negras, e; os ouvintes têm, em média, entre 30 e 35 anos.

Ao tratar de financiamento, os dois podcasters concordaram em um ponto: nem todo patrocínio é bom. Diferentemente de grandes veículos de comunicação, nos quais a publicidade tem efeito difuso, nos podcasts a relação entre apresentadores e ouvintes é de confiança e gera efeitos claros. Santos relatou que, recentemente, o Pretas recusou um patrocínio porque o produto em questão não dialogava com os assuntos tratados no programa. “Eu perguntei: vocês já ouviram o nosso programa?”

Para Figueiredo, “cabe aos podcasters saber valorizar o próprio passe”. Segundo ele, é mais importante saber recusar do que aceitar oportunidades de financiamento. “Se você ficar anunciando tudo, uma hora ninguém vai te ouvir mais.”

 



Leia também

Últimas

Ovo indiciado

Delegada qualifica arremesso de ovo como tentativa de homicídio e prende acusada de atacar Marcha pela Família Cristã

Quem é o terrorista?

Dez questões para ajudar a entender por que o novo projeto de lei contra o terrorismo ameaça seu direito de manifestação

Descontrole total

Documentário mostra como Trump desdenhou da Covid – inspiração seguida pelo ocupante do Planalto

Covid rouba dois anos da expectativa de vida dos brasileiros

Mortalidade associada à doença diminui esperança de vida de 77 para 75 anos; Rio e Porto Alegre registraram mais mortes que nascimentos em 2020

Desenvolver vacina no Brasil é dose

Além do coronavírus, cientista batalha contra negacionismo, orçamento curto, burocracia e exaustão

Memória de uma dor sem fim

Mãe da menina Isabella Nardoni, assassinada em 2008, troca mensagens de apoio com o pai do menino Henry Borel

“Queremos testar medicamento contra Covid no Brasil”

Brasileiro reproduz em laboratório de universidade americana anticorpos que combatem coronavírus

Mais textos