anais do fogo

A expedição dos caciques e o silêncio da floresta

Repórter percorre terra indígena ameaçada por queimadas, desmatamento e pelo avanço da fronteira agrícola no Sul do Amazonas

Rodrigo Pedroso
24set2019_10h23
Felipe Tenharin observa a nascente do rio –
Felipe Tenharin observa a nascente do rio – Foto de Rodrigo Pedroso, com intervenção de Paula Cardoso

A nascente do Rio Marmelos, no Sul do Amazonas, é um fio d’água avermelhado e fraco. Aos 64 anos, Felipe Tenharin, um dos anciões de sua tribo, olha para o leito do rio onde troncos, rochas e bancos de areia ganham espaço sobre a água. Sua voz se eleva sobre o barulho do rio, e ele começa a cantar. Cinco caciques tenharins se agrupam para ouvi-lo, e a voz ressoa, como em um transe, entoando um canto sagrado sobre os antepassados. O lugar também é sagrado: é na nascente do Marmelos, segundo as crenças de seu povo, que habitam os espíritos da floresta e dos que se foram. Depois de quarenta anos sem visitar o lugar, Felipe repete o canto, mas as lágrimas o impedem de terminá-lo. O que viu ao subir o rio foi mais uma ameaça à existência do seu povo. O fogo das queimadas de agosto e setembro esturricou o que pôde até a margem e parou a poucos metros antes de alcançar o rio. Quilômetros e quilômetros de campos amazônicos, bolsões de cerrado na floresta tropical e que também fazem parte da terra indígena Tenharin/Marmelos estão ardendo nesta temporada de queimadas, a mais forte da qual podem recordar os velhos das aldeias.

A reportagem da piauí acompanhou uma expedição de caciques tenharins que percorreu a região de queimadas em suas terras até a nascente do Rio Marmelos. Durante dois dias, duas caminhonetes rodaram 240 km para avaliar a extensão das queimadas e pedir apoio das autoridades para debelar o fogo. A terra dos Tenharin, de meio milhão de hectares, está cercada por madeireiros, grileiros e fazendeiros, e hoje se encontra na fronteira da expansão agrícola e do desmatamento no Amazonas. Abrigava 828 indígenas em 2014, de acordo com os últimos dados do Sistema de Informação da Atenção à Saúde Indígena (Siasi), vinculado à Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde. 

Desde o começo de agosto até 16 de setembro o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou 34 focos de calor na terra dos Tenharin. Em agosto, os incêndios na Amazônia brasileira queimaram o equivalente a uma Bélgica e colocaram o Brasil no centro de uma crise internacional. A questão ambiental brasileira está no centro do discurso do presidente Jair Bolsonaro nesta terça na abertura da sessão das Nações Unidas.

Os dados dos satélites traduzem o fogo visto do espaço. De baixo, o que se vê nos campos amazônicos, alvo da expedição dos caciques, são cortinas de incêndio na restinga que havia sido queimada em agosto, mas que voltou a crescer com a chuva. A reserva indígena tinha uma brigada de incêndio com 29 homens treinados pelo ICMBio entre os tenharins. Mas os cortes de verbas deste ano reduziram o número a dezoito combatentes. Na ida até a nascente, a 135 km da aldeia Marmelos, a principal dos tenharins, uma parede de fogo de 15 km de extensão se avistava ao longe. A altura do fogo vai de meio metro a dois metros de altura, dependendo do porte da vegetação.

O fogo e o rastro e destruição dentro da Terra Tenharin Marmelo – Fotos de Rodrigo Pedroso

 

Na volta, no dia seguinte, o fogo havia avançado até a estrada criada pelos brigadistas para combater as chamas, contidas com o uso de abafadores. À noite, a cena é apocalíptica: o fogo grita e cria pontos vermelhos na escuridão. À luz do sol, os vestígios aparecem: árvores carbonizadas, tocas de tatu incineradas, esqueletos de jabuti e cobras que não escaparam. Não se ouvem pássaros, antes abundantes. Não se avistam mamíferos, que antes se moviam em bando. Aqueles que conseguem fugir escondem-se nos bolsões de floresta, que também estão sendo atingidos. Castanheiras, seringueiras e açaizeiros, fonte de renda para os indígenas, também foram incinerados. Os fiscais dizem não saber quem são os responsáveis pelo fogo.

Depois da expedição, a brigada da reserva pediu ajuda ao Exército para enviar um avião para combater o fogo. Sem tempo de esperar a burocracia, os brigadistas partiram da aldeia na noite seguinte com a caminhonete de que dispunham. O satélite do Inpe mostrou que eles apagaram os focos. No outro dia, mais pontos de calor apareceram na tela. 

“Olha como está fraca essa nascente. É o peixe que segura a água. Sem ele a água seca”, explicou o ancião Felipe, sentado no chão da selva enquanto descansava à noite. Mostrou-se angustiado com o futuro próximo de seu povo. “Nossa aldeia depende do rio. Se os peixes não conseguem subir para cá para desovar, não vai ter [peixe] depois lá embaixo.” Lá embaixo quer dizer cinco dias descendo o rio de barco com motor de popa desde o ponto em que o Marmelos cruza as aldeias, cortadas pela BR-230, a rodovia Transamazônica. O maior medo de Felipe depois que se acercou de uma das paredes de fogo que roçava os campos é que essas labaredas passem para o outro lado da nascente, ainda a salvo.

Bióloga e geógrafa, a professora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) Viviane Vidal da Silva estuda a dinâmica da região desde que se mudou do Rio de Janeiro para o Sul do estado, em 2006. Explica que o fato de Felipe ter visto nada mais que alevinos na nascente é um indicativo de que a água pode estar secando porque a cobertura vegetal da mata ciliar não está suficientemente protegida. A fuligem das queimadas é levada ao rio pelo vento ou chega ao leito em forma de chuva ácida, avermelhando a água. “Essa vegetação é extremamente diversa e, na seca, pega fogo fácil, o que causa o esgotamento de nutrientes e perda da biodiversidade. Se esse processo for muito grande e prolongado, esses campos podem até virar um areal no futuro.”

Em sua tese de doutorado, a pesquisadora estudou os assentados de Santo Antônio do Matupi, distrito de Manicoré que faz divisa com a reserva indígena. Quase todos os entrevistados eram paranaenses que subiram de Rondônia porque a terra era mais barata. O processo é parecido com o observado em outras regiões da floresta. Primeiro os madeireiros entram em área de manejo legal e, quando acaba a madeira nobre, começam a extraí-la de áreas públicas, reservas ou unidades de conservação. Depois queimam o que sobrou e abrem espaço para a entrada de grileiros que vendem a terra para fazendas de gado ou soja. Com ou sem intenção, o fogo, sem fiscalização ou controle, passa para áreas protegidas.

“O Sul do Amazonas foi demarcado com terras indígenas e unidades de conservação como tentativa de barrar a expansão vinda de Rondônia e Mato Grosso. O avanço dessa fronteira está na base de todos os conflitos e é um processo que está acelerando nos últimos anos”, comenta Vidal em uma sala de aula na sede da Ufam em Humaitá, município a Oeste da reserva Tenharin e que lembra cidades do interior do Paraná, com ruas amplas e casas com quintais e recuos – traços da migração paranaense na região. O calor e a umidade, no entanto, acusam que se está pisando no Norte do Brasil.

Os campos sofrem com queimadas naturais, causadas por tempestade de raios, mas também há um fator humano, diz Vidal. A terra dos tenharins está cercada por madeireiros, grileiros e fazendeiros, espremida, como o Sul do Amazonas, entre o arco do fogo e o arco do desmatamento. As duas expressões, porém, se referem ao mesmo fenômeno: o avanço da fronteira do modelo econômico na região, centrado no extrativismo e na monocultura. 

A última vez em que o Ibama e a Polícia Federal fizeram uma grande operação na zona a pedido dos indígenas, em novembro de 2013, desencadeou-se uma série de eventos que seguem repercutindo na vida dos tenharins e dos moradores de Humaitá e Matupi, outra cidade próxima. No mês seguinte à operação, o cacique Ivan Tenharin foi encontrado inconsciente na margem da Transamazônica e morreu no hospital. Duas semanas depois, três moradores não indígenas de Humaitá desapareceram no percurso entre a cidade e Matupi, dentro dos 55 km de estrada dentro da terra indígena. A população não demorou para acusar os tenharins pelas mortes, como vingança pela morte de Ivan. 

A 123 km da terra indígena dos Tenharin, Humaitá, cidade de 55 mil habitantes, vive da exploração da madeira e do garimpo. Na noite de Natal de 2013, Humaitá ardeu. A população queimou a Casai (Casa de Saúde do Indígena) e a sede, os carros, as motos e o barco da Funai. A cobrança de pedágio ilegal na estrada, praticada pelos indígenas desde 2006 como compensação informal pelos danos da Transamazônica e que aumentou a tensão com os não indígenas, teria sido outro motivo para a revolta. Os 140 indígenas que estavam na cidade naquele Natal tiveram que ir para o Batalhão do Exército para serem removidos em segurança para as aldeias. Uma megaoperação da Polícia Federal com o Exército e as polícias do estado foi montada para debelar o caos na cidade e buscar os desaparecidos. Aqueles que não apareceram foram encontrados no mês seguinte, enterrados na floresta. Em janeiro de 2014, a Polícia Federal entrou no caso e o Ministério Público determinou a prisão de cinco tenharins, que cumpriram pena com o processo em andamento até 2015, quando passaram à prisão domiciliar por decisão de desembargadora do Amazonas. O caso segue em aberto na Justiça do estado. O inquérito local apontou que o cacique Ivan morreu em um acidente de moto. Os tenharins rejeitam essa versão e dizem que ele foi assassinado em represália às denúncias contra madeireiros e grileiros. 

Depois daquele Natal, lideranças tenharins sofreram ameaças de morte. O cacique Antônio Enésio, coordenador-geral da Organização dos Povos Indígenas do Alto Madeira (Opiam), só saía da reserva sob escolta da Polícia Federal e para resolver problemas urgentes. Ninguém deixava o lugar sem autorização, e as forças policiais monitoravam quem entrava ou saía da terra. Os indígenas cogitaram fechar a estrada, o que provocaria uma guerra com os não indígenas. A estimativa dos próprios indígenas é de que existam 3 mil tenharins, somando os que vivem nas cidades e em outras duas áreas de reserva na região. “Aos poucos estamos voltando a ter mais contato com a sociedade em volta, mas sofremos pressão de todos os lados: fazendeiros, madeireiros e, agora, o fogo. E ainda por cima há esse novo governo que quer legalizar o garimpo e rever nossas terras. São muitas frentes de luta ao mesmo tempo”, diz Enésio.

O Ibama e o Instituto Chico Mendes (ICMBio), responsáveis por fiscalizar a terra, foram praticamente enxotados da região. Em 2017, em represália a uma operação do Ibama no Rio Madeira contra o garimpo ilegal, a população de Humaitá ateou fogo mais uma vez na sede e em veículos do Ibama. O Incra e o ICMBio também foram alvo da fúria pirômana. A Polícia Federal investigou o caso e prendeu temporariamente por associação criminosa e dano qualificado o prefeito, Herivâneo Seixas (Pros), e seu vice, Rademacker Chaves (PSD). Ambos estão soltos e respondem ao processo em liberdade.

Seixas e Chaves seguem no cargo. O prefeito nega associação com os garimpeiros, apesar de aparecer em um vídeo caminhando ao lado dos humaitaenses gritando contra os órgãos federais no dia dos incêndios. “Tudo aqui é culpa do prefeito: se queima, se chove, se faz sol. Mas graças a Deus eu estou tranquilo, o processo continua correndo. Não fui eu que queimei”, afirmou à reportagem da piauí

Em 2018, segundo dados do Inpe, o desmatamento nos municípios de Humaitá e Manicoré, pelos quais se estende a Terra Tenharin Marmelo, somou cerca de 130 quilômetros quadrados. Até hoje as sedes do Ibama e do ICMBio em Humaitá continuam queimadas e inutilizadas. O Ibama na cidade será fechado definitivamente, segundo anúncio do governo federal no final de agosto. As operações serão centralizadas em Manaus, a 591 km de distância. O ICMBio diminuiu quase à metade o número de brigadistas em terra Tenharin neste ano e conta apenas com uma caminhonete para chegar aos incêndios. A orientação de Brasília é que eles não devem falar com a imprensa salvo com autorização da diretoria do órgão. Uma fonte, no entanto, relatou à piauí que em 2018 a brigada tinha o dobro de combustível para atuar nas queimadas e que mesmo com a estrutura melhor que a deste ano, foi difícil ser efetivo no combate ao fogo. Para a próxima temporada de seca, ano que vem, a tendência é que a situação se agrave.

Depois de voltar da expedição à nascente do Rio Marmelos, o cacique Antônio Enésio senta para descansar na aldeia cortada ao meio pela Transamazônica. As casas, de madeira, são esparsas e convivem com pés de manga e castanheiras, disputados refúgios de sombra em meio ao calor. A vida corre em ritmo mais lento, interrompido só pelo som e fúria das carretas que passam levantando poeira. O campo de futebol, colado na rodovia, é o centro das atenções nos finais de semana, ao passo que o posto de saúde, atrás dele, funciona dia e noite. A casa de cultura, onde se realizam celebrações e encontros tradicionais, está ao fundo, distanciada da rodovia. Os tenharins despertam cedo e se recolhem cedo. Quando o sol está a pino, a aldeia se recolhe para as redes. Quando amaina, as crianças saem para brincar, e os vizinhos se visitam.

A 40 metros da estrada, Antônio Enésio explica que desde 2013 não há monitoramento da divisa da reserva com o distrito de Santo Antônio do Matupi, pois falta apoio logístico da Funai e do Ibama de Humaitá. Os índios suspeitam de que madeireiros estejam derrubando árvores nobres dentro da reserva e levando-as para oito serrarias instaladas na floresta. Conforme ele conta, um caminhão sem placa carregado de tábuas de madeira passa pela estrada. 

No domingo passado, para quem saía da terra Tenharin, a balsa para atravessar o Rio Madeira tinha uma fila de dezoito carretas, cada uma com cinquenta toneladas de tábuas de madeira cortada na floresta. O sol se punha, dourava os bancos de areia do Madeira e queimava a pele dos motoristas, nervosos com o congestionamento atípico nesta travessia. As cargas rodavam a caminho do Rio de Janeiro, onde serão embarcadas para o exterior. Estudo da MAAP [Monitoring of the Andean Amazon Project, a sigla em inglês] mostra que a maioria das queimadas deste ano no Brasil ocorreu em áreas que foram desmatadas meses antes desta época de seca. É a fronteira em expansão.

O superintendente da Polícia Federal no Amazonas Alexandre Saraiva afirmou à piauí que 98% da madeira apreendida na última grande operação no estado contra madeireiros, em 2017, no porto de Manaus, tinha origem ilegal. Metade iria para a Europa e a outra metade tinha como destino o mercado interno. A PF criou uma base do Grupo de Investigações Ambientais Sensíveis no distrito de Matupi neste ano para desmontar a extração nessa região da floresta. Um grupo será colocado no embarque da balsa para Humaitá no próximo mês, enquanto a inteligência prepara operações. “Ali vai estrangular os madeireiros, não tem como passar por outra rota. Começamos no porto de Manaus, o Sul do estado é o próximo passo. Não chegamos do dia para a noite e não sairemos do dia para a noite”, afirma. “Não é só uma questão de meio ambiente, mas também de economia. Estão roubando madeira que pertence à União, a todos.” 

Na aldeia Marmelos, alheio aos movimentos das autoridades e órgãos de fiscalização, o ancião Felipe Tenharin observa o jogo de futebol entre Juventus e Corinthians, times de jovens tenharins que disputam o campeonato entre aldeias. Sentado em um tronco próximo ao gramado com outros anciãos, Felipe fuma tabaco e observa os chutões de ambos lados. O vento aliviava o sol inclemente, sinal de que a tarde começava a cair. Felipe é irmão de Ivan Tenharin, o cacique encontrado morto. A decisão de ir até a nascente do rio depois de tantos anos teve um sentido: lembrar o irmão e ver mais uma volta no nó que estrangula sua terra, sufocada entre o fogo e o desmatamento. Foi por tudo isso, pelos mortos e pelos vivos, que o velho tenharin cantou e chorou.

Rodrigo Pedroso

É jornalista e mestre em sociologia. Foi repórter do Valor Econômico e hoje é freelancer e escreve sobre temas latino-americanos

Leia também

Últimas Mais Lidas

The world without the Amazon

A climate model predicts the effects of turning the forest into cattle pastures: 25% less rain in Brazil and higher temperatures, with “catastrophic” consequences for agriculture and energy production

Six conclusions about a model of the world without the Amazon

The price that Brazil and the world will pay if the forest continues to be cut down so that livestock can graze

Vazamento de óleo avança, plano de controle patina

Manchas se aproximam dos corais de Abrolhos; especialistas cobram do governo federal transparência em uso de programa para conter derrames de óleo

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

3

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

4

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

7

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

10

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana