questões eleitorais

Fake news: mais de dois boatos de fraude nas urnas desmentidos por dia

Propagadas nas redes e no WhatsApp, notícias falsas tentam desacreditar eleições; um quarto das menções ao pleito no Twitter trata de urnas

Marcella Ramos
07out2018_19h04
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Nas duas semanas antes do primeiro turno, agências de checagem e grupos de verificação de conteúdo publicaram 32 histórias relacionadas às urnas eletrônicas. Em todos os casos, desmentindo boatos de fraude. Esse foi um dos assuntos mais comentados dessas eleições, principalmente por incitação de Jair Bolsonaro, candidato em primeiro lugar nas pesquisas. Defensor do voto impresso, Bolsonaro já questionou a segurança das urnas repetidas vezes.

Um relatório de hoje da Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas mostra que de meia-noite até as 16 horas deste domingo, o debate sobre eleições no Twitter resultou em 2 milhões de menções. Mais de um quarto delas – 572 mil tuítes – foram sobre urnas. O assunto despertou mais interesse do que, por exemplo, os candidatos Ciro Gomes e Fernando Haddad, segundo e terceiro candidatos mais comentados na rede social, atrás de Jair Bolsonaro.

Entre as mais de três dezenas de verificações sobre fraudes nas urnas está uma publicação de um site duvidoso que afirma que o Tribunal Superior Eleitoral teria entregue códigos de segurança das urnas eletrônicas para a Venezuela. Um dos posts divulgados no Facebook com o link para o conteúdo teve mais de 208 mil interações. Esse conteúdo sobre urnas foi verificado pelo projeto Comprova, uma coalizão de checagem de conteúdo sobre as eleições formada por 24 veículos jornalísticos, incluindo a piauí. Outras quatro verificações sobre o mesmo assunto foram feitas pelo projeto.

A mais recente delas é o desmentido de um boato que circulou no WhatsApp esta semana, sobre a Polícia Federal ter apreendido uma van com urnas eletrônicas adulteradas. O boato afirmava que, dos 152 equipamentos que teriam sido confiscados, 121 estariam “preenchidas com voto para o Haddad com pelo menos 72% dos votos” e que a Record teria noticiado o ocorrido. Procurada pelo Comprova, a PF informou que não há registro de uma ocorrência do tipo. Também não há nenhuma notícia no site da Record TV sobre apreensão de urnas eletrônicas.

A Agência Lupa, assim como o Fato ou Fake, do grupo Globo, fizeram dez verificações cada sobre o tema. O Aos Fatos fez sete. A mais recentes delas foi feita hoje pelo grupo de verificação do Globo. A equipe apurou que um vídeo que circulou pela manhã, enquanto aconteciam as votações, é montagem. No vídeo, um eleitor aciona a tecla “1” e, automaticamente, aparece “13”, com a foto do candidato Fernando Haddad. O TSE explicou em suas redes sociais, na tarde deste domingo, que o conteúdo era falso. “Os vídeos não mostram o teclado da urna, onde uma pessoa digita o restante do voto. Não existe a possibilidade de a urna autocompletar o voto do eleitor”, diz a nota do Tribunal.

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Marcella Ramos é jornalista baseada no Rio de Janeiro.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Utoya – 22 de Julho – enigma persistente

Filme ousa ao retratar atentado na Noruega sem pretender explicar suas razões

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Mais textos
2

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

3

A revolta conservadora

Bolsonaro será o líder de um governo antiestablishment

4

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

6

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

7

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

8

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

9

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

10

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país