chegada

A vacina

A batalha de Bolsonaro para chegar imunizado em 2022

Malu Gaspar
CRÉDITO: ALLAN SIEBER_2020

Foi assim nos dois primeiros anos de mandato de Jair Bolsonaro. A cada atentado ao bom senso, à ciência e à harmonia entre os poderes da República, proclamava-se: a crise é grave, a queda é iminente. Eis que, de crise em crise, com a ameaça de um processo de impeachment sempre à espreita, terminamos outubro com Bolsonaro desfrutando das mais altas taxas de popularidade de seu governo e supostamente domesticado, depois de uma aliança com o Centrão. Representante desse bloco de partidos que integrou a base política de todos os governos desde a redemocratização, o deputado Fábio Faria (PSD-RN) assumiu o Ministério das Comunicações, em junho, defendendo a pacificação dos ânimos no Palácio do Planalto, porque “ninguém aguenta briga todos os dias”.

O coroamento dessa conjuminância – ou casamento, para usar uma metáfora ao gosto presidencial – foi a indicação do desembargador Kassio Nunes Marques para o Supremo Tribunal Federal, no início de outubro. Apesar de amplamente aceita por todas as correntes políticas, a nomeação também foi atribuída ao Centrão. Nos últimos tempos, a influência do bloco sobre os rumos do governo parecia tão grande que alguns analistas começaram a dizer que o Centrão havia fagocitado Bolsonaro. Para outros, mais benévolos e mais otimistas, a nova fase do presidente demonstrava que ele finalmente entendera a importância de dialogar e preservar a harmonia entre os poderes.

E então veio a polêmica da vacina. 

“O povo brasileiro NÃO SERÁ COBAIA DE NINGUÉM”, postou o presidente, com letras maiúsculas, em suas redes sociais, na manhã de 21 de outubro. Era uma reação aos protestos de apoiadores do governo contra o anúncio do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, de que o governo federal compraria 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina em produção pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, do governo de São Paulo. Na postagem, Bolsonaro negou ter decidido adquirir a “vacina chinesa de João Doria”. Explicou: “Não se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem.”



Falácias, claro. Pazuello agiu com a autorização de Bolsonaro. O próprio governo federal já empenhou 1,9 bilhão de reais na compra antecipada de doses de outra vacina, a do consórcio entre o laboratório AstraZeneca e a Universidade Oxford, que tampouco “ultrapassou sua fase de testagem”. Doria, por sua vez, já prometeu diferentes datas para o início da vacinação sem que a vacina tenha sequer sido aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Mas o que mais surpreendeu foi a guinada de Bolsonaro. Num dia, Pazuello foi aplaudido por governadores e líderes do governo escolhidos pelo Centrão ao declarar orgulhoso que a CoronaVac seria uma “vacina brasileira”. No dia seguinte, Bolsonaro insinuou que seu ministro da Saúde cometia “traição”, disse que não abria mão de sua autoridade e chamou Doria de “ditador”.

 

É certo que Bolsonaro sentiu-se pressionado a dar uma satisfação ao seu eleitorado radical, que vinha esbravejando nas listas de WhatsApp contra o fisiologismo, os “bandidos do STF” e o abandono do combate à corrupção. Já tinham tido que engolir a aliança com o Centrão, a nomeação de Nunes Marques e o flagrante do vice-líder do governo, Chico Rodrigues (DEM-RR), com alguns milhares de reais escondidos entre as nádegas. Com tudo isso, ainda impor aos seguidores “a vacina chinesa de Doria” era demais.

Há, porém, outras interpretações para a inflexão do presidente. A mais óbvia é a seguinte: João Doria, que corre pela direita ou centro-direita, é o adversário – inimigo, no dialeto bolsonarista – que mais tira do sério um presidente que só pensa na reeleição em 2022. Auxiliares próximos contam que, na noite em que Bolsonaro viu os vídeos de Doria celebrando a compra de sua vacina nas redes sociais, a irritação do presidente pôde ser ouvida em mais de um andar do Palácio do Planalto.

A razão menos óbvia para o retorno do presidente aos discursos belicosos, no entanto, é também a mais desafiadora. Se Bolsonaro resolveu voltar a tumultuar o ambiente político e a buscar crises em série, depois de meses simulando bom comportamento, é porque ele agora sente que pode fazer isso sem colocar em risco sua permanência no Planalto.

Recordemos que, entre maio e junho, seu mundo parecia prestes a desabar, diante dos conflitos com o STF, sua tentativa de intervir militarmente na Corte Suprema e a prisão de Fabrício Queiroz, o miliciano das rachadinhas. Na primeira semana de outubro, em Brasília, alguns dos coadjuvantes desses episódios relembravam o período como um momento tenso, em que Bolsonaro esteve a ponto de cair – ou, pelo menos, acreditou que estivesse.  O presidente achava que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estava promovendo uma manobra para derrubá-lo quando decidiu manter vivas, no final de junho, as ações que pedem a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão pela contratação de disparos em massa de mensagens de WhatsApp na campanha de 2018. Mesmo considerando os indícios frágeis, os ministros do TSE aprovaram a continuidade das investigações por 4 votos contra 3. Foi nesse contexto que Bolsonaro aceitou as sugestões do novo ministro Fábio Faria e de outros interlocutores pela harmonia e pela conciliação.

 

A briga com Doria acontece num momento diferente, em que o Planalto não é assombrado pelo risco de impeachment. A popularidade recorde de Bolsonaro, turbinada pelo auxílio emergencial, deixa-o numa situação mais confortável. Até políticos que lhe faziam oposição ultimamente agora fazem agrados, como Renan Calheiros, do MDB de Alagoas. Calheiros celebrou a escolha de Nunes Marques como mais um sinal do “desmonte do Estado policialesco”, como ele se refere à Lava Jato.

É sintomático que, depois de Bolsonaro atacar Doria e desautorizar Pazuello de forma pública e humilhante, os mesmos integrantes da base governista que antes apregoavam as vantagens da pacificação tenham submergido. Passaram a manifestar-se apenas nos bastidores, justificando a atitude do presidente com uma crítica necessária a Doria e seu uso oportunista da “vacina chinesa”.

Como das outras vezes em que desafiou a ciência e o interesse público ao longo da pandemia, a ofensiva de Bolsonaro não é imune a riscos. Além de São Paulo, a CoronaVac está em teste em outros cinco estados e no Distrito Federal, cujos governadores vão querer oferecê-la à sua população, caso seja aprovada. Soma-se a isso uma expectativa disseminada, até em locais onde ela não está sendo testada, de que a CoronaVac poderá ser autorizada e distribuí-da antes da “vacina de Oxford”, na qual a gestão Bolsonaro  apostou todas as suas fichas até agora. Se de fato a dianteira da CoronaVac se confirmar, a pressão dos governadores e da própria população pela liberação será grande, e pode redundar em ações judiciais contra o governo federal.

Bolsonaro tem provado, nos últimos meses, que sabe virar o jogo das narrativas e sair ileso das incoerências e barbaridades que comete no meio do caminho. Não à toa, ele já começou a desviar o foco do debate para a obrigatoriedade da vacina, tema que já chegou à pauta do STF, e a reforçar que, se a CoronaVac for aprovada pela Anvisa, o governo irá comprá-la e distribuí-la. Assim, deixa aberta a brecha para, se necessário, voltar atrás sem qualquer constrangimento – e, de preferência, faturar politicamente, vendendo a imagem de governante responsável e cuidadoso. Com a guerra da vacina, Bolsonaro busca reassumir o comando do jogo político para a segunda metade de seu mandato, manejando seus radicais conforme a conveniência e mantendo o Centrão como rede de proteção, à custa do fisiologismo de sempre. O resultado da batalha irá nos dizer se foi o Centrão que fagocitou Bolsonaro, ou se foi Bolsonaro quem fagocitou o Centrão.

Malu Gaspar

Repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

7

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

8

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

9

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer