questões energéticas

Colheita amarga

Produção de etanol patina, empresas nacionais são vendidas e país fica longe da ambição de ser uma "Arábia Saudita verde"

Consuelo Dieguez
O presidente Lula empunhou a bandeira do “combustível verde-amarelo” quando a produção de cana dobrou para 600 milhões de toneladas, depois do aparecimento dos carros flex nas ruas do país, em 2003. Com a descoberta do pré-sal, o governo esqueceu do álcool. “Seremos o país do etanol de cana que compra etanol de milho”, prevê um dirigente do setor
O presidente Lula empunhou a bandeira do “combustível verde-amarelo” quando a produção de cana dobrou para 600 milhões de toneladas, depois do aparecimento dos carros flex nas ruas do país, em 2003. Com a descoberta do pré-sal, o governo esqueceu do álcool. “Seremos o país do etanol de cana que compra etanol de milho”, prevê um dirigente do setor FOTO: RICARDO FUNARI_BRAZILPHOTOS.COM

Sertãozinho, no interior de São Paulo, é uma cidade de 112 mil moradores que vive da cana-de-açúcar. Mas sua aparência não tem nada de grotão miserável perdido no tempo. Não se veem trabalhadores andrajosos nem famílias sem eira nem beira vagando pelas ruas, na paisagem humana associada à cultura do açúcar. É uma cidade de classe média cuja população vive em casas de um andar, fachadas limpas e pequenos jardins na frente.

Até 2007, ela ocupava o sexto lugar no ranking das melhores cidades brasileiras, medido por pesquisas da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, que levam em conta emprego, nível de renda, saúde e educação. Sertãozinho era o maior polo nacional de produção de máquinas e equipamentos para o setor do açúcar e do álcool. Na maioria, os trabalhadores de lá são operários especializados.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Consuelo Dieguez

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Mais textos
4

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

6

A Terra é redonda: O mundo dá voltas

Os terraplanistas estão se aproximando do poder: chegou a hora de falar deles

7

Depois do atentado

Como a morte de Marielle Franco mudou nossas vidas

8

O bigode da modernidade ataca novamente

As peripécias manhosas do brônzeo estadista que veio do Maranhão e não largou a rapadura

9

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA