questões eleitorais I

Contadores de votos

Uma história do Ibope, da miséria dourada à venda bilionária

José Roberto de Toledo
Na tarde do primeiro turno, os irmãos Luís Paulo e Carlos Augusto Montenegro, vice-presidente e presidente do Ibope Inteligência, e Márcia Cavallari, CEO da empresa, revisam pesquisas de boca de urna para divulgação; o instituto foi o que mais faturou nas eleições de 2018
Na tarde do primeiro turno, os irmãos Luís Paulo e Carlos Augusto Montenegro, vice-presidente e presidente do Ibope Inteligência, e Márcia Cavallari, CEO da empresa, revisam pesquisas de boca de urna para divulgação; o instituto foi o que mais faturou nas eleições de 2018 RACHEL GUEDES_2018

O trânsito paulistano estava especialmente carregado naquela tarde garoenta de sexta-feira. Os 22 quilômetros entre a sede do Ibope, o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística, na Água Branca, e nosso destino no Jabaquara custaram duas preciosas horas, ou quase. Fazia uma semana que Jair Bolsonaro havia sido esfaqueado enquanto era carregado nos ombros por entusiastas de sua campanha a presidente da República. O candidato do PSL estava hospitalizado, e ainda não se sabia qual impacto o atentado contra a vida do líder da corrida presidencial teria na opinião do eleitor. Era o que iríamos ajudar a aferir.

Enquanto o Uber abria caminho em meio à chuva fina, Adislene Machado Meireles me contava os macetes que aprendeu em dezesseis anos como pesquisador do Ibope. Ele explicou que é muito mais fácil fazer entrevistas domiciliares na periferia do que no Centro rico da cidade. O melhor lugar para trabalhar, disse, é em uma favela: “O acesso é bem mais fácil. Os moradores querem falar, te convidam para entrar.” E a segurança? “O pesquisador não pode ficar depois que escurece.” Meireles sabe do que está falando. Palmilhou Norte, Sul, Leste e Oeste de São Paulo. Conhece a capital de Perus a Marsilac, do Lajeado ao Rio Pequeno. Perguntei qual é o pior lugar para pesquisar. “Os setores mais difíceis são os verticais”, sentenciou, sem hesitar. Traduzindo: as áreas adensadas, onde quase todos moram em prédios de apartamentos. E o pior dos piores? Os Jardins, lar da burguesia paulistana. Nos bairros ricos gasta-se mais tempo para encontrar quem responda aos questionários porque o pesquisador não consegue autorização para entrar nos condomínios. O medo de assalto endureceu as regras de segurança nos edifícios. O jeito é ficar esperando em frente, na rua, até que alguém entre ou saia. Mas isso pode demorar. Pesquisadores experientes tentam convencer o porteiro a interfonar para os apartamentos e pedir a um morador para descer e dar a entrevista na calçada. Mas não um morador qualquer.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

José Roberto de Toledo

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

Foro de Teresina #27: Bolsonaro cai no mundo real, a oposição junta os cacos e Doria recruta no governo Temer

O podcast de política da piauí discute os fatos da semana na política nacional

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

O Muro – sinal de alerta, ouvidos moucos

Documentário de 2017 discute premonitoriamente a polarização de posições políticas

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

A lição de Josefa

A grande artesã deixa um conselho para os políticos: “Não há riqueza maior do que o nosso nome”

Mulher negra (não tão) presente

Representatividade de mulheres pretas e pardas, maioria da população brasileira, cresceu 38% nas eleições; participação dos homens brancos é 15 vezes maior do que a das mulheres negras

A democracia pode ser exceção

Nada garante que o regime seja inerentemente estável

Mais textos
1

O triunfo do bolsonarismo

Como os eleitores criaram o maior partido de extrema direita da história do país

2

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

3

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

6

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

7

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

8

Meus avós em ruínas

Por que não consigo me livrar do apartamento modernista que herdei há cinco anos?

10

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário