vultos da república

O chanceler do regresso

Os planos de Ernesto Araújo para salvar o Brasil e o Ocidente

Consuelo Dieguez
“Não creio que a China não queira exportar seu modelo, que só pretenda fazer negócios. Aos chineses não interessa que os países mantenham a sua liberdade, já que não tem isso lá”, diz Araújo
“Não creio que a China não queira exportar seu modelo, que só pretenda fazer negócios. Aos chineses não interessa que os países mantenham a sua liberdade, já que não tem isso lá”, diz Araújo FOTO: JR Duran_2019

Na tarde de 21 de fevereiro, a assessoria do chanceler Ernesto Araújo dava os retoques finais na nota do Ministério das Relações Exteriores sobre a operação de ajuda humanitária internacional à Venezuela que ocorreria dali a dois dias. O pedido para que o Itamaraty se incumbisse da divulgação do evento fora feito, horas antes, pelo Palácio do Planalto, e os jornalistas aguardavam ansiosos pela informação no andar térreo da chancelaria, na Esplanada dos Ministérios. Embora aquele fosse um dos dias mais tensos da crise da Venezuela com os países vizinhos, o ministro, acomodado na cadeira estofada em couro preto, atrás da grande mesa de madeira de seu gabinete, no 2º andar do prédio, demonstrava tranquilidade.

Por volta das sete da noite, seu assessor de imprensa, o diplomata João Alfredo dos Anjos Junior, interrompeu de maneira cordata a entrevista que o chanceler dava à piauí. Queria informá-lo que o porta-voz do Planalto concedia naquele instante uma entrevista coletiva para explicar a logística da operação na fronteira. Araújo assistiu à transmissão no celular do assessor e, em seguida, anunciou: “Deixa eu tuitar aqui então.” Numa velocidade surpreendente, o ministro postou três mensagens em seu próprio aparelho, informando: 1) Da sua ida para Cúcuta, na fronteira da Colômbia com a Venezuela, no dia seguinte; 2) Da viagem que faria à Pacaraima, em Roraima, no sábado, para supervisionar o envio da ajuda brasileira aos venezuelanos; 3) De sua reunião em Bogotá, na segunda, dia 25, em companhia do vice-presidente, general Hamilton Mourão, para discutir a crise com o Grupo de Lima, formado por Brasil e mais treze países, entre eles Argentina, Paraguai, Colômbia, Peru, Chile, Costa Rica e Canadá. Enquanto escrevia, levantou por um instante a vista para mim e, se desculpando pela interrupção, disse, com expressão marota: “Momento de tuitagem.” E voltou a mergulhar na tela do celular.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Consuelo Dieguez

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

6

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

7

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

8

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA