tribuna livre da luta de classes

Utopia e pragmatismo

Uma resposta a Ruy Fausto

Samuel Pessôa
ILUSTRAÇÃO: NEGREIROS_2017

O leitor da piauí que tiver nos acompanhado até aqui – a mim e ao professor Ruy Fausto, em nosso debate sobre os dilemas da esquerda brasileira – talvez tenha notado a diferença fundamental que nos separa. Eu e Fausto falamos de dois lugares muito diferentes.[1] Seria ligeiro dizer que ele, o filósofo, é de esquerda, enquanto eu, o analista econômico, represento a direita.

A divergência a que me refiro é mais específica, embora provavelmente se relacione também com nossa oposição ideológica. Em seus artigos, Fausto propõe reorganizar a produção e a distribuição da riqueza de uma forma radicalmente diferente de tudo o que já se viu até hoje no mundo, em qualquer época ou sociedade. Defende a preservação da propriedade privada e, ao mesmo tempo, a “neutralização do capital”. É partidário da democracia representativa, mas é também anticapitalista. Sugere estatizar o “grande capital” e apoiar cooperativas e experiências de economia solidária.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Samuel Pessôa

Samuel de Abreu Pessôa é sócio da consultoria Reliance e pesquisador associado do Instituto Brasileiro de Economia da FGV

Leia também

Últimas

Bolsonaro, os judeus e o antissemitismo

Presidente buscou ganhos políticos ao fazer crer que ele e a comunidade judaica seriam unha e carne; agora, acuado, apela ao discurso antissemita

Feridas abertas

Caso prevaleça a tradição brasileira de impunidade, jamais superaremos a perda de milhares de vidas

O avalista oculto da Covaxin

Quem é o advogado Marcos Tolentino e quais suas ligações com a empresa que deu garantia fajuta para a compra da vacina indiana

O procurador, a homofobia e a rede social

Membro da procuradoria vira réu por atacar LGBTs em seu perfil no Facebook

Mais textos