questões de saúde

Nuvem negra sobre a pandemia

Na Amazônia, explosão do desmatamento prenuncia temporada de queimadas que costumam deixar Manaus sob fumaça e agravar síndromes respiratórias

Allan de Abreu e Thais Bilenky
23abr2020_18h31
Intervenção de Paula Cardoso sobre foto de Edmar Barros/Folhapress

Desde o último bimestre de 2019, a derrubada de árvores persiste com força na floresta amazônica. Com a chegada da estação seca, o temor dos pesquisadores do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) é que a região se torne cenário de queimadas gigantescas, ainda maiores do que as de agosto do último ano, quando uma grande nuvem de fuligem da floresta enegreceu o céu de São Paulo e ganhou as manchetes dos jornais do mundo todo. Em tempos de covid-19, a combinação do vírus com a fuligem tende a complicar o quadro clínico de pacientes e sobrecarregar ainda mais o sistema de saúde nacional, que colapsou primeiro justamente em cidades encravadas na floresta, como Manaus. 

Um estudo do Ipam publicado na quarta-feira, 22, mostra que, no primeiro trimestre de 2020, o desmatamento em terras públicas na Amazônia aumentou 51% em relação ao mesmo período do ano passado, em uma curva ascendente que destoa de 2017 e 2018. “Com a decisão do governo federal de enviar o Exército para conter as queimadas no fim de agosto, após pressão da comunidade internacional, houve uma diminuição nas queimadas, mas não no desmatamento, que seguiu crescendo sem parar até o mês passado, principalmente em terras públicas, onde a grilagem é mais intensa”, diz a diretora de ciência do Ipam, Ane Alencar. Segundo ela, os grileiros aproveitam os dias mais chuvosos e nublados do verão para a derrubada da mata, porque sabem que os satélites têm mais dificuldade em captar o fenômeno. Após o desmate, eles aguardam o período seco para espalhar o fogo. E neste ano a previsão é de pouca chuva na região, especialmente no sul do Pará, segundo Paulo Barreto, pesquisador do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). “Ao sobrevoar essa região do Pará no fim de 2019, havia notado grandes áreas desmatadas, mas ainda sem fogo. É questão de semanas para as queimadas começarem com toda força”, diz.

em maio o céu de Manaus costuma exibir as primeiras nuvens de fumaça, segundo moradores ouvidos pela piauí. Mas é a partir de julho que o céu da capital do Amazonas escurece de vez, um fenômeno detectado ano após ano pelo Imazon. E, em 2020, a covid-19 é um agravante. O sistema de saúde do Amazonas foi o primeiro do país a entrar em colapso com o avanço da pandemia. Registrou até quinta-feira, 22, 2.888 casos confirmados do novo coronavírus e 234 mortes, o que resulta em 8,1% de mortos entre os pacientes confirmados e 58 óbitos por 1 milhão de habitantes, a pior relação no país. A taxa de ocupação de leitos oscila entre 96% e 100%, segundo a Secretaria Estadual de Saúde. 

Por tudo isso, a temporada de seca na Amazônia deste ano preocupa especialistas em saúde. “A poluição do ar causa inflamação pulmonar e faz com que os mais vulneráveis fiquem mais suscetíveis ainda, com mais risco de desenvolver doenças respiratórias”, disse Paulo Saldiva, professor titular de patologia da Faculdade de Medicina da USP. “Quanto às queimadas amazônicas, a gente tem estudos com crianças na região mostrando que as partículas [de poluição] têm efeito tóxico, provocando maior taxa de atendimento por doenças respiratórias. Sobre a covid-19, ainda não há estudos, mas é provável que isso seja um fator agravante.”



Para Sandra Hacon, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, é “uma tragédia anunciada”. O período de queimadas, de junho a outubro, com a redução da umidade relativa do ar, registra todo ano o aumento de internações por problemas respiratórios, porque a poluição afeta a função pulmonar, disse a especialista. Uma criança que tem asma, por exemplo, costuma ajustar o medicamento no momento de agravamento das crises. Se ela depende da assistência básica, pode não encontrar o atendimento disponível, dada a superlotação das redes de saúde causada pela pandemia. O mesmo vale para idosos com alguma necessidade de cuidado pregresso.

Como a covid-19 é uma doença nova, não é possível prever com precisão como sua expansão será afetada pela poluição. “O que a gente sabe é que, sim, ela ataca o sistema imunológico. Se ele já está deficitário, vai agravar a infecção, podendo levar até a óbito. Por isso, teríamos que aplicar o princípio da precaução. Não dá para piorar a situação que estamos vivendo hoje”, alertou Hacon. De acordo com a especialista, um único dia de nuvens negras bastaria para causar um pico de internações, a depender da concentração de poluentes, sua toxicidade e o diâmetro das partículas. Por isso a precaução seria a melhor medida para evitar um colapso ainda maior nas redes hospitalares do país.

O perfil do paciente e fatores socioeconômicos vão influenciar o impacto do desmatamento na saúde pública. “O tipo de habitação, os aglomerados, o saneamento, temos uma complexidade que não está sendo analisada para os próximos meses”, ela pondera. Nos últimos três anos, Manaus registrou um total de 29,6 mil internações no SUS por problemas respiratórios, de acordo com o Ministério da Saúde – uma média de 29 internações diárias. Desde 2016 não há medição da poluição do ar na capital amazonense. Procurado, o prefeito Arthur Virgílio não retornou as ligações da piauí. De acordo com o site Poder360, já no início de maio o presidente Bolsonaro pretende enviar as Forças Armadas para combater as queimadas na Amazônia.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela editora Record

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

3

“8 ½” – “O salto mortal de Fellini”

Escrito ao longo de onze anos e mantido inédito até ser incluído em “Exercícios de leitura”, o ensaio de Gilda de Mello e Souza “O salto mortal de Fellini”, relido depois da revisão de “8 1/2”, revela acuidade crítica incomum.

4

As búlgaras estão com tudo

Nada a ver com a sucessão de Lula

6

Padre Cícero sem perdão

A luta de um bispo para reabilitar o mais venerado líder religioso do Nordeste

8

Os cabelos do bigode do Imperador

A correspondência amorosa mais famosa do Brasil talvez seja aquela formada pelas cartas trocadas de 1822 a 1829 entre o Imperador D. Pedro I e sua amante, Domitilia de Castro Canto e Mello, elevada por ele ao titulo de Marquesa de Santos em 1826. Infelizmente, das prováveis centenas de cartas escritas pela Marquesa apenas um punhado foi conservado nos arquivos imperiais. Por sorte, quase todas as cartas do Imperador foram guardadas pela Marquesa, apesar dos pedidos de D. Pedro para que as destruísse. Todas estão hoje publicadas (94 das quais no ano passado), totalizando mais de trezentas.

9

Na montanha-russa do século

Paradoxos do progresso em Corumbá aos olhos de um intelectual refugiado do nazismo

10

Vidas literárias: Tolstói

A espantosa história de Tolstói, que cai em depressão ao constatar que é milionário