rádio piauí

Retrato Narrado #5: O caminho até o Planalto

Muitos acontecimentos naqueles meses de 2018 surpreenderam, entre eles um atentado contra Bolsonaro

28out2020_00h40

No quinto episódio da série Retrato Narrado, Carol Pires conta como Jair Bolsonaro fez uma campanha atípica – sem tempo de tevê, sem partidos aliados à sua coligação e com pouco dinheiro. Ainda que se destacasse nas pesquisas, poucos apostavam que  iria além de mais uma campanha barulhenta e derrotada. Mas entre os muitos acontecimentos surpreendentes daqueles meses de 2018 estaria um atentado ao candidato à Presidência. 

Carol mostra que, mesmo com mais tempo de campanha eleitoral gratuita, nenhum ataque de um adversário de Bolsonaro surtia efeito nas intenções de voto. Assim como não surtiam efeito as críticas da imprensa. A repórter resgata uma frase de Bolsonaro durante um programa da Record: “A mídia vai bater tanto em mim que vai acabar me elegendo.” 

No episódio, ela voltou a conversar com João Guilherme e  Alessandra Aldé, professores da Faculdade de Comunicação da Uerj. Ambos são colegas numa pesquisa que analisou o conteúdo circulado em grupos de WhatsApp bolsonaristas.  João Guilherme afirma que “o WhatsApp é a nova deepweb”.

Carol Pires também conversou com a ex-ministra Marina Silva. Ela concorreu contra Bolsonaro em 2018 e, na entrevista por telefone, disse:  “O Bolsonaro, na verdade, conseguiu furar uma bolha de um recalque político autoritário, que faz parte da cultura política brasileira e que aflorou em vários momentos da história.”



Retrato Narrado é uma série original do Spotify e da revista piauí, produzida pela Rádio Novelo.

Reportagem, roteiro e apresentação: Carol Pires
Direção: Paula Scarpin e Flora Thomson-DeVeaux
Montagem: Jordana Berg com assistência da Victoria Zanardi
Música original: Pedro Leal David
Produção: Aline Scudeller e a Claudia Nogarotto 
Pesquisa: Marlos Ápyus 
Captação de som direto: Gustavo Amora, em Brasília, Rodrigo Pereira e
Pedro Farias, no Rio de Janeiro, e Rafael Coutinho Bordalo, em São Paulo
Mixagem: João Jabace
Checagem: Érico Melo e Marcella Ramos
Promoção e extras: Mari Faria

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.