Igualdades

O ritmo da pandemia

Luigi Mazza e Renata Buono
16mar2020_08h17

A pandemia de coronavírus começou na China, mas é um problema cada vez mais ocidental. Depois das quarentenas rígidas e dos hospitais construídos da noite para o dia, os chineses reduziram de forma drástica a ocorrência de novos casos. Nas primeiras semanas de março, a cada vinte novas contaminações, só uma foi na China. A Itália, enquanto isso, decolou no número de casos, e a Europa é agora o novo epicentro da crise. No Brasil, o governo está perto de decretar uma epidemia de coronavírus, o que colocará à prova a capacidade do nosso sistema de saúde. É uma questão crucial: o exemplo da China mostra que, num cenário de superlotação hospitalar, a taxa de mortalidade do Covid-19 pode quase sextuplicar. O =igualdades desta semana faz um retrato do atual momento da pandemia de coronavírus.

A China conseguiu reduzir radicalmente as novas contaminações. Em fevereiro, a cada 20 novos casos no mundo todo, 18 eram na China. Em março (até o dia 12), apenas 1 a cada 20 novos casos foi registrado na China.

Depois de atingir um pico em fevereiro, o número de novos casos na China recrudesceu ao patamar do início da epidemia. Em 22 de janeiro, foram 31 novos casos; em 5 de fevereiro, no auge da crise, foram 3.893 novos casos; em 13 de março, foram apenas 11.

Até o final de fevereiro o quadro clínico dos contaminados na China se dividia assim: a cada 100 infectados, 81 apresentavam sintomas leves (com a recomendação apenas de ficar em casa), 14 entravam em estado grave (exigindo internação hospitalar) e 5 atingiam um estado crítico (exigindo internação em unidades de tratamento intensivo).

Pessoas com doenças crônicas são mais vulneráveis à Covid-19. Na China, até o final de fevereiro, a taxa de mortalidade entre pessoas saudáveis foi de 1,4%; entre os diabéticos, de 9,2%; e entre pessoas que tinham problemas cardíacos, de 13,2%.

Casos graves requerem internação em UTI, e esse é um dos pontos de preocupação no Brasil. O país tem 2 leitos de UTI para cada 10 mil adultos, para todas as doenças. Durante o auge da epidemia na China, a cidade de Wuhan precisou – só para dar conta do coronavírus – de 2,6 leitos de UTI para cada 10 mil adultos.

A mortalidade da Covid-19 tem ligação direta com a capacidade de atendimento dos hospitais. No auge da superlotação das UTIs em Wuhan, entre janeiro e fevereiro, a taxa de mortalidade chegou a 4,5%, enquanto no restante da China era de 0,8%. Ou seja: a mortalidade da Covid-19 num sistema hospitalar sobrecarregado é 5,6 vezes a fatalidade num sistema em condições normais.

A Itália começou a sofrer com a epidemia no mesmo período que a Coreia do Sul, mas demorou para tomar medidas de contenção. Na última semana de fevereiro, para cada novo caso registrado na Itália, havia 3 na Coreia do Sul. Já na semana de 7 a 13 de março, para cada caso novo na Coreia, havia 7 na Itália.

 A Coreia do Sul teve o primeiro caso confirmado em 20 de janeiro. Até o dia 12 de março, para cada pessoa que morreu por causa do vírus, oito foram curadas. Na Itália, que confirmou o primeiro caso em 30 de janeiro, a proporção até 12 de março foi de 1 para 1. Já nos Estados Unidos, cujo primeiro caso foi confirmado em 21 de janeiro, a proporção até 12 de março é praticamente inversa à da Coreia do Sul: para cada pessoa curada, houve cinco mortos.

Quem morreu na Coreia do Sul foram principalmente os idosos. Até o dia 12 de março, a cada 10 mortos pela Covid-19, 7 tinham 70 anos ou mais; 2 tinham entre 60 e 69 anos; e apenas 1 tinha menos do que 60.

Fontes: Organização Mundial da Saúde (OMS); Chinese Center for Disease Control and PreventionKorea Centers for Disease Control and Prevention; Universidade Johns HopkinsMinistério da Saúde; estudo publicado pela Universidade de Harvard.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

8

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana