questões ambientais

O verde passou em branco

Ausência de Salles em anúncio sobre desmatamento revela exiguidade de planos, de recursos e de comprometimento

Cristina Amorim
03dez2020_14h40
Operação Verde Brasil em Porto Velho, RO –
Operação Verde Brasil em Porto Velho, RO – Foto: Cb Estevam/CComSEx

O último dia de novembro de 2020 parecia tranquilo para o setor ambiental, caso considerasse somente a agenda oficial do ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, com visitas a lugares aprazíveis no Rio, como o Jardim Botânico. Mas, em São José dos Campos, no interior de São Paulo, o vice-presidente da República Hamilton Mourão e o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, anunciavam a nova estimativa anual de desmatamento na Amazônia.

A taxa registrada entre agosto de 2019 e julho de 2020 cresceu 9,5% em relação ao que foi registrado no período anterior: foram 11.088 km² de florestas derrubados em um único ano, até a terra ficar nua. É uma área equivalente a quase duas vezes o Distrito Federal, onde Salles desembarcou ao final daquele dia. De acordo com os dados preliminares do Prodes (Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite), foi o terceiro ano consecutivo de subida na taxa de desmatamento, o maior número em 12 anos e o primeiro totalmente sob a administração de Bolsonaro.

O anúncio feito pela boca do vice-presidente poderia indicar que o assunto tomara vulto dentro do governo, a ponto de subir da Esplanada dos Ministérios para o Palácio do Planalto. Mas é a ausência de Salles, e não a presença de Mourão, que expõe como o governo federal vê a Amazônia e o desmatamento que a come pelas beiras.

Apesar de o órgão responsável pelo monitoramento por satélite, o Inpe, estar subordinado ao MCTI, a regra é o Ministério do Meio Ambiente assumir ônus, na maioria das vezes, e bônus, em poucas ocasiões, do anúncio anual. Assim aconteceu na divulgação da taxa de 1995, quando houve o recorde de derrubada, 29.059 km² num único ano, com o então ministro do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, Gustavo Krause. Idem para o segundo maior índice, de 2004: 27.772 km², com Marina Silva como ministra; e assim consecutivamente.



A cada taxa anual, o ministro da vez apresentava ações para controlar a devastação da maior floresta tropical do mundo. De pacotes com medidas pontuais a planos de longo prazo, o anúncio trazia o comprometimento sobre o que viria a seguir e enviava sinais em duas direções. Internamente, para quem desmata, de que a mão do Estado se avizinhava; para fora, que o país tinha condições de cuidar da Amazônia.

 

Em 2020, a ausência do ministro traz a carga simbólica da exiguidade: de planos, de recursos e de comprometimento. O vice-presidente se coloca como um porta-voz do tema, e repassa ao Ministério da Defesa a função da coibição dos ilícitos. Nem um único representante deste ministério estava no anúncio no Inpe, e nenhum detalhamento das operações foi dado, nem quais metas busca atingir.

Enquanto isso, os dois órgãos com mais experiência acumulada no combate ao desmatamento, o Ibama e o ICMBio, foram esvaziados de orçamento e funções nos dois últimos anos. Em 2019, o número de multas aplicadas pelo Ibama no bioma amazônico foi o segundo menor nos últimos 16 anos, mesmo com um crescimento da taxa do desmatamento em quase 30%.

De 2019 para 2020, a redução no orçamento das despesas discricionárias do Ibama foi de 112 milhões de reais (30,4%); do ICMBio, de 97 milhões de reais (32,7%). O orçamento proposto pelo Executivo para 2021, a ser votado no Congresso, prevê corte em cima de corte: uma redução de 29% no orçamento do Ibama e de 40,4% no do ICMBio.

Ao fim e ao cabo, é vazia a agenda do ministro que historicamente assume a responsabilidade sobre o avanço dos tratores sobre a Amazônia; é ausente de transparência as ações detalhadas para controlar o desmatamento; é carente o orçamento para aqueles que têm experiência em tratar do problema.

Em poucos dias, o Acordo de Paris, que estabelece metas globais de controle das emissões de gases do efeito estufa, completa 5 anos. A principal fonte brasileira é o desmatamento e as queimadas, e o ritmo observado nos últimos anos colocou a capacidade brasileira de cumprir o objetivo em xeque.

Pelo acordo, o país deve chegar em 2025 com emissões líquidas anuais de 1,3 bilhão de toneladas. Conforme dados do Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa, o Brasil emitiu 1,570 bilhão de toneladas de CO² equivalente em 2019.

O país tem cinco anos para inverter a curva de desmatamento e mantê-la. A taxa no próximo ano pode até oscilar para baixo. Mas, sem compromisso oficial, é difícil acreditar que há um plano consistente e de pelo menos médio prazo para controlar a destruição da floresta e cumprir a meta climática.

Cristina Amorim

Coordenadora de comunicação do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia). Cobre temas de meio ambiente e ciência há quase duas décadas.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

3

“8 ½” – “O salto mortal de Fellini”

Escrito ao longo de onze anos e mantido inédito até ser incluído em “Exercícios de leitura”, o ensaio de Gilda de Mello e Souza “O salto mortal de Fellini”, relido depois da revisão de “8 1/2”, revela acuidade crítica incomum.

4

As búlgaras estão com tudo

Nada a ver com a sucessão de Lula

6

Padre Cícero sem perdão

A luta de um bispo para reabilitar o mais venerado líder religioso do Nordeste

8

Os cabelos do bigode do Imperador

A correspondência amorosa mais famosa do Brasil talvez seja aquela formada pelas cartas trocadas de 1822 a 1829 entre o Imperador D. Pedro I e sua amante, Domitilia de Castro Canto e Mello, elevada por ele ao titulo de Marquesa de Santos em 1826. Infelizmente, das prováveis centenas de cartas escritas pela Marquesa apenas um punhado foi conservado nos arquivos imperiais. Por sorte, quase todas as cartas do Imperador foram guardadas pela Marquesa, apesar dos pedidos de D. Pedro para que as destruísse. Todas estão hoje publicadas (94 das quais no ano passado), totalizando mais de trezentas.

9

Na montanha-russa do século

Paradoxos do progresso em Corumbá aos olhos de um intelectual refugiado do nazismo

10

Vidas literárias: Tolstói

A espantosa história de Tolstói, que cai em depressão ao constatar que é milionário