maratona piauí cbn de podcast

Quatro em cada dez internautas já ouviram podcast no Brasil

Pesquisa inédita do Ibope foi divulgada neste sábado na Maratona Piauí CBN de Podcast

11maio2019_15h01

No Brasil, dos cerca de 120 milhões de internautas, 40% já ouviram podcast – são 50 milhões de pessoas que já escutaram algum programa de áudio pela internet. Os dados integram pesquisa inédita realizada pelo Ibope e divulgada neste sábado, 11, na Maratona Piauí CBN de Podcast.

O outro lado dessa moeda é que 32% dos internautas, 38,4 milhões de pessoas,  nem sabem o que é um podcast. O Ibope entrevistou duas mil pessoas entre os dias 15 e 18 de janeiro. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Jovens, homens e integrantes  das classes A e B são os principais interessados em podcasts. Entre os homens, 45% já ouviram podcast ao menos uma vez; entre as mulheres, o índice cai para 36%. A familiaridade com esse tipo de mídia cresce em proporção inversa à idade: entre os jovens, 47% já ouviram podcast; entre os mais velhos, apenas 30%. Mulheres e pessoas com mais de 55 anos são os que menos ouvem podcasts.

“O que a pesquisa mostra é o potencial dos podcasts. E, se nos basearmos na tendência de outros países, é um grande potencial”, disse a CEO do Ibope Inteligência, Marcia Cavallari. Nos Estados Unidos, por exemplo, os podcasts são conhecidos por 70% dos internautas – ou seja, sete em cada dez pessoas. Cavallari participou de uma mesa com Greice Matos, analista de inteligência de mercado da rádio CBN. A conversa foi mediada por José Roberto de Toledo, editor do site da piauí.

O levantamento do Ibope também revela a frequência com que os entrevistados ouvem podcasts. No Brasil, um público fiel de 16 milhões de internautas – ou 19% do total – ouve podcasts três vezes ou mais por semana. Ao todo, 21,5 milhões têm o hábito de ouvir podcast ao menos uma vez a cada sete dias. Por outro lado, 43% dos entrevistados não costumam ouvir programas com regularidade.

Os ouvintes mais assíduos de podcasts, segundo a pesquisa, são jovens de 16 a 24 anos: quase metade deles (47%) escuta programas de áudio ao menos uma vez por semana, e 27% ouvem três vezes ou mais. Entre os mais velhos, por outro lado, 50% não costumam ouvir podcasts com frequência.



O Ibope também fez uma pesquisa qualitativa sobre os hábitos e preferências dos ouvintes. Os podcasts são ouvidos, em geral, enquanto o internauta faz outras atividades (da faxina de casa aos deslocamentos urbanos). A preferência dos ouvintes é por episódios curtos e objetivos.

O celular é, de longe, o equipamento mais usado pelos brasileiros para ouvir podcasts: três em cada quatro ouvintes (75%) utilizam o aparelho. Em seguida vêm o computador, com 40% das preferências, e o tablet, restrito a apenas 8% dos internautas.

A plataforma mais usada por quem ouve podcasts é o YouTube, escolhido por 42% dos entrevistados. Logo atrás vem o Spotify, acessado por 32% dos ouvintes. Juntas, as duas plataformas detêm 74% do público de podcasts no Brasil.

Mas a mesa também tratou de quem faz podcast no Brasil. Greice Matos, da CBN, divulgou uma pesquisa sobre o perfil dos produtores dos programas de áudio no país. O levantamento mostra um cenário ainda pouco profissional: 73,5% dos podcasters gravam seus programas em casa, sem qualquer ambiente especial, e 26,7% gravam em casa, mas improvisando um ambiente de estúdio. Apenas 1,5% dos produtores alugam um estúdio profissional para gravar. A pesquisa está disponível para download no site da Associação Brasileira de Podcasters (ABPod).

O estudo apresentado por Greice mostra também que a produção de podcasts ainda é muito restrita aos homens, que são 87,1% dos podcasters no Brasil. Mas, segundo a analista da CBN, esse é um cenário em transformação. “Já temos um número muito maior de mulheres participando do meio de podcasts hoje. Acredito que isso vá crescer ao longo do tempo.”

Leia também

Últimas Mais Lidas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

3

“8 ½” – “O salto mortal de Fellini”

Escrito ao longo de onze anos e mantido inédito até ser incluído em “Exercícios de leitura”, o ensaio de Gilda de Mello e Souza “O salto mortal de Fellini”, relido depois da revisão de “8 1/2”, revela acuidade crítica incomum.

4

As búlgaras estão com tudo

Nada a ver com a sucessão de Lula

6

Padre Cícero sem perdão

A luta de um bispo para reabilitar o mais venerado líder religioso do Nordeste

8

Os cabelos do bigode do Imperador

A correspondência amorosa mais famosa do Brasil talvez seja aquela formada pelas cartas trocadas de 1822 a 1829 entre o Imperador D. Pedro I e sua amante, Domitilia de Castro Canto e Mello, elevada por ele ao titulo de Marquesa de Santos em 1826. Infelizmente, das prováveis centenas de cartas escritas pela Marquesa apenas um punhado foi conservado nos arquivos imperiais. Por sorte, quase todas as cartas do Imperador foram guardadas pela Marquesa, apesar dos pedidos de D. Pedro para que as destruísse. Todas estão hoje publicadas (94 das quais no ano passado), totalizando mais de trezentas.

9

Na montanha-russa do século

Paradoxos do progresso em Corumbá aos olhos de um intelectual refugiado do nazismo

10

Vidas literárias: Tolstói

A espantosa história de Tolstói, que cai em depressão ao constatar que é milionário