questões da política

Calheiros, dono do Brasil

Triste o país que precisa salvar Renan Calheiros para assegurar a sua própria salvação

Malu Gaspar
08dez2016_15h10
FOTO: PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

Há nove anos, em pleno Carnaval de 2007, Renan Calheiros jantava sozinho na residência oficial do Senado, acuado e deprimido com o escândalo que começara com a descoberta de que a empreiteira Mendes Júnior pagava a pensão da mãe de um filho seu, e só terminaria meses depois, com sua renúncia da presidência da Casa para evitar a cassação.  Naquela noite, duas visitas chegaram de surpresa. O senador as convidou à mesa, mas permaneceu alheio e mal conseguiu interagir. Grogue, muito provavelmente entupido de remédios, tentou conversar, mas apagou ali mesmo, sem concluir a refeição, diante dos pratos de comida e das visitas constrangidas.

Ontem, após a decisão do Supremo Tribunal Federal que o manteve no cargo, a mesma casa estava em festa, repleta de políticos, comemorando com vinhos e uísques a derrota que o Senado impôs ao STF.  Por incrível que pareça, o caso que originou toda a celeuma é ainda o mesmo – o inquérito sobre a pensão paga pela Mendes Júnior a uma amante. Depois de nove anos dormitando nas gavetas judiciais, a denúncia do Ministério Público foi aceita pelo Supremo, gerando a questão arbitrada ontem – afinal, pode ficar no cargo um político que, sendo o segundo na linha de sucessão da presidência da República, é alvo de investigação no STF? Para perplexidade geral de todos os que não comungam dos códigos de Brasília, a corte disse que sim, pode. Arrumou-se uma jabuticaba legal tão esdrúxula quanto a criada para impichar Dilma sem tirar-lhe os direitos políticos: no caso, Calheiros fica no cargo, mas não pode substituir o presidente da República.  Em troca do aval do Supremo, ele aceitou congelar a tramitação do projeto que impõe limites para abusos de autoridade de promotores e juízes. Que não reste dúvida, porém: mesmo cedendo, é o presidente do Senado o grande vitorioso desse episódio.

A cena de um Calheiros inerte, derrubado por medicamentos, está contada no livro Entre a Glória e a Vergonha: memórias de um consultor de crises, publicado em capítulos pelo UOL. O autor, Mário Rosa, que esteve nos bastidores de algumas das mais graves crises políticas e empresariais do país, é amigo do senador.  “Naquele momento, Renan era a crise da vez, um tumor a ser extirpado pela classe política. Hoje, ele é o único capaz de salvar o Brasil da septicemia.” O argumento de Rosa é justamente o que os ministros do Supremo ouviram na calada da noite de políticos de todos os matizes, escalados para construir a salvação do presidente do Senado. Jorge Vianna, petista ilustre, flagrado em um grampo da Lava Jato defendendo “subir o tom” e “enfrentar” o juiz Sérgio Moro, foi o principal emissário de Calheiros ao Supremo. Ao longo do dia, ontem, enquanto os ministros davam lustre de juridiquês aos votos elaborados sob o calor de um impasse institucional, jornalistas e comentaristas repetiam placidamente que, sem Renan na presidência, o Brasil mergulharia em uma crise sem precedentes – e com desfecho imprevisível.

Triste o país que precisa salvar Renan Calheiros para assegurar a sua própria salvação.  Para o bem de todos, porém, o melhor é que a afirmação não seja verdadeira, porque a solução que magistrados e políticos sacaram da manga é apenas provisória. A aura de intocável conferida a Calheiros a partir de agora só atiçou ainda mais a sanha investigativa de procuradores, policiais federais e magistrados que não respeitam conluios políticos tramados no escuro – sem contar os inimigos inconfessáveis que montam dossiês e grampos nos submundos do Planalto. Além de ser o foco de outros doze inquéritos no Supremo, Calheiros ainda tem potencial para figurar em destaque nas delações premiadas que vão sacudir o Brasil em 2017: se não brilhar na da Odebrecht, certamente será protagonista da de Eduardo Cunha. Como bem lembrou um experiente observador de Brasília, dia desses, “sempre que vai prender um traficante, a polícia começa a divulgar que ele é o novo dono do morro”. Calheiros, hoje, é o dono do Brasil. Se continuará sendo amanhã já é outra história.



Malu Gaspar (siga @malugaspar no Twitter)

Repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

7

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

8

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

9

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

10

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer