questões do futebol

Tempo de vagabundagem

George Best nasceu em Belfast, o que, além de ser uma pista para os excessos em relação à bebida, o impediu de brilhar em competições entre seleções. E como o futebol de clubes estava longe de proporcionar o prestígio internacional de que hoje desfrutam Messi, Cristiano Ronaldo, Ibrahimovic e muitos mais, Best nunca foi tão conhecido entre os brasileiros. Mas era o diabo dentro de campo, tanto quanto fora dele. Virou nome de aeroporto em sua cidade natal, deu origem à frase “Maradona good. Pelé better. George Best." e morreu aos 59 anos, em Londres.

Jorge Murtinho
17dez2014_13h58

Embora descrente, o blogueiro também é filho de Deus. E se até o Valdívia tem direito a trinta dias de férias, nada mais justo que eu tire a metade disso.

Mas vamos lá. Enquanto não pinta o apito final de 2014, vamos ao último post da temporada, em que recorro à ironia e ao talento do maior – e provavelmente o único – craque irlandês de toda a história do futebol.

Lembrei de George Best há dois ou três anos, quando circulou o boato de que o ex-jogador Muller passava por dificuldades financeiras e vinha morando de favor na casa de Pavão, um antigo companheiro dos tempos de São Paulo. O miserê de Muller não foi confirmado, ele mesmo negou, Pavão não disse nem que sim nem que não, mas é fato que Muller gastou bem mais do que devia em seu período pré-evangélico, levando uma vida luxuosa e, digamos, pouco sustentável.

O mesmo fizera, cerca de vinte anos antes e a nove mil quilômetros de distância, George Best – boêmio, bon vivant, mulherengo, perdulário e o melhor de todos os atacantes que passaram pelo Manchester United nas décadas de sessenta e setenta.

Há pelo menos duas frases de Best que, muito mais que um post, dariam um livro:  

“Em 1969, abandonei as mulheres e o álcool. Foram os vinte piores minutos da minha vida."

"Gastei muito dinheiro com bebidas, carros e mulheres. O resto eu desperdicei."

George Best nasceu em Belfast, o que, além de ser uma pista para os excessos em relação à bebida, o impediu de brilhar em competições entre seleções. E como o futebol de clubes estava longe de proporcionar o prestígio internacional de que hoje desfrutam Messi, Cristiano Ronaldo, Ibrahimovic e muitos mais, Best nunca foi tão conhecido entre os brasileiros. Mas era o diabo dentro de campo, tanto quanto fora dele. Virou nome de aeroporto em sua cidade natal, deu origem à frase “Maradona good. Pelé better. George Best." e morreu aos 59 anos, em Londres. No criado mudo ao lado da cama hospitalar, repousava uma carta assinada da seguinte maneira: “Do segundo melhor jogador de todos os tempos, Pelé".

Vale a pena passar alguns minutos na agradável companhia de George Best, enquanto saio para quinze dias de bem-bom. Feliz Natal. Feliz Ano Novo. Questões do Futebol volta na primeira semana de 2015.    

Jorge Murtinho

Jorge Murtinho foi autor do blog questões de futebol no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria vai com as outras #4: Profissionais do Cristianismo

Uma pastora Batista e uma freira Agostiniana contam sobre rotina, compromissos, sustento e planejamento quando se trata de uma profissão de fé

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

Cinema em mutação –  É Tudo Verdade reinventado

Festival adia mostra presencial, mas fará exibições online; quando a epidemia passar, o hábito de ir ao cinema persistirá?

Mais textos
1

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

2

O enigma japonês

Com pouco mais de mil casos de coronavírus, Japão contraria recomendações sanitárias e causa desconfiança às vésperas de uma Olimpíada cada vez mais improvável

3

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

4

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo

6

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

7

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

8

Um médico a menos

Fora do Mais Médicos desde a eleição de Bolsonaro, clínico cubano sobrevive aplicando acupuntura em Salvador enquanto sonha em combater o coronavírus

9

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

10

Posto Ipiranga, o último a admitir

Em meio ao avanço do coronavírus, demorou dez dias até Paulo Guedes ser convencido por auxiliares de que a cartilha fiscalista seria insuficiente e o aumento de gastos, inevitável