questões do futebol

Crônica de (mais) um jogo às cegas

Acompanhar uma partida do Brasil na Copa de dentro de um avião: a pátria em smartphone é muito mais egoísta e sem graça

Fabio Victor
03jul2018_16h49
“Estava conformado em ver o jogo na sala de embarque de Congonhas, quando anunciam pelo alto-falante o embarque do meu voo”
“Estava conformado em ver o jogo na sala de embarque de Congonhas, quando anunciam pelo alto-falante o embarque do meu voo” /FABIO VICTOR

Em 2014, eu trabalhava na Folha de S.Paulo e fui o responsável, durante a Copa do Mundo do Brasil, por cobrir… bem, fui o repórter da Folha responsável por cobrir a seleção da Alemanha, aquela dos 7 a 1. Rodava o país na cola dos alemães, e no dia de um desses deslocamentos, o Brasil jogou as oitavas de final contra o Chile. Meu voo Rio-Porto Alegre atrasou, e o jogo – com prorrogação e disputa de pênaltis – se desenrolou enquanto eu voava, um suplício aliviado pela comandante Elisa.

Agora sou jornalista na piauí, e nesta segunda, 2 de julho, tive de ir de São Paulo ao Rio para uma reunião agendada muito antes da Copa. A passagem também fora comprada muito antes da Copa. Marcada para as 11 horas, o horário do jogo do Brasil contra o México pelas oitavas de final da Copa da Rússia. Desta vez não vou repetir 2014, prometi a mim mesmo. Na noite da véspera, consegui antecipar meu voo para as 9h40 – assim, chegaria ao Rio antes do início da partida. No aeroporto de Congonhas, descubro que o Santos Dumont está fechado desde cedo por causa de neblina. Assim permaneceu por toda a manhã. Estávamos, eu e a colega Maria Emília Bender, conformados em ver a partida no telão montado pela Infraero na sala de embarque do aeroporto. Sentados no chão, olhávamos os times perfilados ao som dos hinos nacionais, quando anunciam pelo alto-falante o embarque do meu voo.

Vinte minutos até embarcar, mais de meia hora de agonia parado dentro do avião. Tento assistir pelo celular, mas claro que não lembro a senha da operadora de tevê por assinatura. Ligo para minha mulher, interrompo o jogo dela, ela logo acha a senha… de nada adianta, meu 4G parece movido a lenha. Tento filar os celulares dos vizinhos, mas percebo que o Twitter – por onde eu já sabia que o México começara melhor, que sua torcida gritara olé mesmo com 0 a 0, e já me encantara com os memes do torcedor loiro com cara de assombração – e o grupo de WhatsApp da firma (obrigado, Malu Gaspar) são mais eficientes.

O avião continua no chão, lá dentro tudo incrivelmente quieto e calado, como se o jogo rolando fosse Austrália versus Dinamarca. A pátria em smartphone é muito mais egoísta e sem graça.

Até que um sujeito de repente quebra sozinho o silêncio, goooooooool. Segue-se uma calmaria desconfiada de uns dois segundos. Mas como “gol”, se um monte de gente também acompanhava no celular e não gritou gol? “Neymar”, ele complementou o furo jornalístico. Comentam que o moço ouvia o jogo pelo rádio – e rádio está sempre na frente, como mais tarde outro meme demonstraria. Confirmado o gol, gritos pelo avião. “Neymito” foi o que mais me chamou a atenção. Eu, que me especializei nas últimas semanas em difundir memes de Neymar rolando pelo mundo. Decolamos com 1 a 0, início do segundo tempo.

Às 12h34, surge no sistema de som o comandante. Aaaah, enfim, notícia, penso. Mas o comandante diz que estamos nos preparando para pousar, fala do tempo no Rio, pede desculpas pelo atraso, deseja a todos uma ótima estada. Nada sobre o jogo. Esse cara tá escondendo uma derrota, não quer ver os passageiros mais furiosos do que já estão pelo atraso? Esse cara não sabe que o Brasil está jogando um mata-mata na Copa? Um casal ao meu lado, de cujo celular eu pescara lances atrasados do primeiro tempo, se entreolha incrédulo com a omissão do comandante.

Enquanto o comandante sem alma recita o “tripulação, preparar para o pouso”, quando da janela eu avistava a ponte Rio-Niterói, o casal da fileira ao lado é informado pela mulher ao lado deles: 2 a 0. Como você soube?, eu pergunto. Pelo WhatsApp, já está funcionando, ela diz. O avião ainda voa. Como assim?, penso, mas o celular não tinha de estar desligado? Se a própria companhia em que voamos passou a distribuir suportes de papelão para celular, mas ao mesmo tempo continua a dizer que é proibido usá-lo durante pouso e decolagem e não fiscaliza quem não cumpre. Então pode? Não pode? Impossível saber.

Pousamos às 12h48. Tiro o celular do modo avião. Pelo Zap, já sei de tudo. E só então um comissário avisa: “Senhores passageiros, permaneçam sentados etc., bem-vindos ao Rio de Janeiro. E bem-vindos também às quartas de final da Copa. Neymar e Roberto Firmino.” Gritinhos tímidos no avião.

Saudades, comandante Elisa!

Fabio Victor (siga @fabiopvictor no Twitter)

Fabio Victor é repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por 20 anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Leia também

Relacionadas Últimas

O craque segundo Tostão

Uma das estrelas da Copa, o português Cristiano Ronaldo é um gênio ou um bom jogador? Tostão, titular da seleção do tri em 70, explica a diferença

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

O jogo da virada

Em 58, como agora, a seleção melhorou na terceira partida antes da final e ganhou confiança na Copa. Didi, Joel e Bellini reconstituem a arrancada para o primeiro título mundial do Brasil

Do inferno ao céu, de chuteiras

Em vídeo da série "Diz aí, mestre", os campeões mundiais Nilton Santos e Tostão e o técnico do time de 82 e 86, Telê Santana, investigam o caso de amor e ódio do torcedor brasileiro com a sua seleção

Jogador malandro e sem cabeleireiro

Zizinho, eleito o melhor do Mundial de 50, e Dadá Maravilha, da seleção de 70, relembram as manhas para infernizar a vida dos zagueiros numa Copa, sem precisar de laquê

45 anos de pena por um palpite errado

Titular da seleção de 50, Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo; De Gea é candidato a descobrir

Bellini ensina a disfarçar o nervosismo em jogo de Copa

Zizinho, Nilton Santos, Telê Santana e o capitão de 58 medem a tonelagem da pressão sobre o jogador do Brasil em um Mundial

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

Quando a Copa termina antes da hora

Nilton Santos e Zezé Moreira lembram a pancadaria na eliminação do Brasil em 54 e a desolação de deixar um Mundial no meio do caminho – como para as seleções que já caíram na Rússia

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

3

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

5

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

8

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty