questões bolivarianas

Venezuela, seus dois presidentes e o vizinho

Eleição de Bolsonaro precipitou ação diplomática coordenada pelos Estados Unidos contra Maduro, avalia especialista

José Roberto de Toledo
23jan2019_22h25
ILUSTRAÇÃO: ISABELA DA SILVEIRA

Minutos após Juan Guaidó autodeclarar-se presidente da Venezuela, representantes de Estados Unidos, Brasil, Chile, entre outros, reconheceram sua legitimidade – em detrimento do governo do outro presidente venezuelano, Nicolás Maduro. Declarações de apoio em série não acontecem por acaso. Foram o desenlace de articulação diplomática que tomou corpo após a eleição de Jair Bolsonaro. O presidente brasileiro não esteve à frente do processo, mas, sem a afinação com o Brasil, a orquestra regida pela administração de Donald Trump não teria se apresentado tão rapidamente como se viu nesta quarta-feira. A avaliação é de Matias Spektor, professor de Relações Internacionais da Fundação Getulio Vargas, em São Paulo.

O movimento decisivo ocorreu quatro dias após a posse de Bolsonaro. Em 4 de janeiro de 2019, o chamado Grupo de Lima – formado por chanceleres das Américas para acompanhar a crise na Venezuela – aprovou declaração não reconhecendo o governo de Maduro, que havia sido reeleito em maio de 2018. Países signatários (Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia) chamaram de volta seus embaixadores em Caracas e passaram a reavaliar o status de suas relações diplomáticas com a Venezuela. O México foi o único país do Grupo de Lima que não assinou a declaração.

No dia seguinte, Juan Guaidó assumiu a presidência da Assembleia Nacional da Venezuela, que passou a ser considerada o único ente democrático e legítimo representante da população venezuelana pelos governos do Grupo de Lima. Em 10 de janeiro, Maduro tomou posse para seu segundo mandato presidencial. Três dias depois, Guaidó foi detido por agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional, do governo Maduro, mas libertado logo depois. Desde então, ele tem viajado pelo país em busca de apoio para chegar ao poder. Na terça-feira, véspera de Guaidó autodeclarar-se mandatário da Venezuela, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, divulgou vídeo na internet encorajando as manifestações de rua contra Maduro previstas para o dia seguinte e reforçando o apoio a Guaidó.

Não foi a única iniciativa do governo norte-americano para promover a troca de comando na Venezuela. Em 29 de novembro, John Bolton, assessor de Segurança Nacional de Trump, visitou o então presidente eleito Jair Bolsonaro em sua casa, no Rio de Janeiro. Bolsonaro literalmente bateu continência para Bolton e, desde então, tem repetido críticas a Maduro. Desconvidou-o para sua posse em Brasília. Maduro também elevou o tom. Ameaçou armar a milícia bolivariana “até os dentes” para se defender de eventuais ações militares da Colômbia ou Brasil. Enquanto isso, a economia venezuelana continuava a se deteriorar e a popularidade de Maduro chegava ao seu ponto mais baixo, culminando com os protestos iniciados nesta quarta.

O professor Matias Spektor não vê saída em curto prazo para o impasse político na Venezuela e seus dois presidentes. Embora impopular, ele lembra que Maduro ainda tem o apoio das forças de segurança e dos militares. Sem um braço armado do lado de Guaidó, ele acha difícil que a crise se transforme em guerra civil. Spektor tampouco acredita em intervenção militar por outros países. Segundo ele, nenhum dos principais interessados no petróleo da Venezuela – nem China, nem Rússia, nem Cuba, nem mesmo os Estados Unidos – apoiam essa hipótese. O professor da FGV acha inevitável o aumento do confronto entre Maduro e Guaidó e aposta que o desfecho vai depender da nacionalização ou não dos protestos que começaram em Caracas nesta quarta.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor