questões da política

Vice falante, microfone sem som

Mourão deu mais entrevistas que Bolsonaro, mas site do Planalto esconde declarações

Emily Almeida
05abr2019_11h41
ILUSTRAÇÃO DE PAULA CARDOSO

Desde que assumiu a vice-presidência, Hamilton Mourão tem sido mais amigo dos microfones do que o presidente Jair Bolsonaro. De janeiro a março, o vice concedeu 24 entrevistas para veículos de comunicação, segundo os registros de sua agenda oficial publicados no site do Palácio do Planalto. Foram três a mais do que as do presidente. Até 31 de março, Bolsonaro havia respondido 21 vezes aos jornalistas, mas apenas dezessete dessas entrevistas estão publicadas no site do Planalto. Outras quatro foram encontradas nos sites dos veículos, segundo levantamento feito pela piauí.

O site do Planalto tem páginas específicas para as entrevistas de Bolsonaro, publicadas em formato de áudio e/ou transcritas. No entanto, não há qualquer registro das entrevistas de Mourão. Quando o internauta segue o caminho indicado para ter acesso às entrevistas do vice, o site pede login e senha. Isso não acontece com outras entrevistas. O site ainda dá acesso, por exemplo, às entrevistas de Michel Temer durante o período no qual ele era vice-presidente de Dilma Rousseff.

Segundo a assessoria de imprensa da vice-presidência, não há acesso público ao material porque a página direcionada para divulgação não está sendo utilizada pelo governo. Mourão também costuma falar em entrevistas coletivas, com a participação de vários jornalistas, mas elas também não estão contabilizadas no site.

Desde a campanha, e por motivos distintos, as entrevistas de Mourão têm provocado reações de Bolsonaro e de seu núcleo mais próximo. “Falei pra ele ficar quieto porque afinal de contas está atrapalhando. O vice geralmente não apita nada, mas atrapalha muito”, disse Bolsonaro em setembro do ano passado em entrevista à Rede Bandeirantes, rebatendo as críticas feitas pelo vice ao 13º salário.

Mourão tenta se apresentar como uma voz “moderada” num governo marcado por extremismos. Tem sido abertamente criticado por Olavo de Carvalho, polemista que se transformou num dos gurus do bolsonarismo. Em tweet recente, publicado no dia 6 março, Carvalho se referiu a Mourão como “inimigo do presidente e de seus eleitores”.

A diferença no número de entrevistas também é indício da relação distinta que Bolsonaro e seu vice têm com a mídia. Enquanto o vice ameniza o discurso, Bolsonaro ataca abertamente a imprensa – já se referiu à Globo como inimiga, e disse que a Folha é a fonte de todo o mal da imprensa, o que motivou críticas da ANJ (Associação Nacional de Jornais) ao presidente. Bolsonaro foge de entrevistas e tem nas redes sociais a plataforma favorita para divulgar assuntos do seu governo. No dia 7 de março, anunciou a retomada das lives – vídeos semanais ao vivo, veiculados em sua página no Facebook, realizados em massa durante o período de campanha. Nelas, o presidente, cercado por ministros e aliados do governo, fala sobre assuntos que considera de maior importância na semana.

De acordo com o levantamento feito pela piauí, entre as entrevistas de Bolsonaro há catorze coletivas, ou seja, aquelas nas quais jornalistas de mais de um veículo fazem perguntas. As sete exclusivas se dividem entre três veículos nacionais, algumas concedidas mais de uma vez, e duas internacionais, com entrevistas realizadas nas visitas aos Estados Unidos e ao Chile.

Mourão, no mesmo período, falou para 24 veículos, sendo catorze brasileiros e dez de países como Espanha, Catar, Estados Unidos e França. Mesmo na TV NBR, emissora estatal, a presença do vice é mais frequente: há dez vídeos com entrevistas de Mourão e cinco de Bolsonaro até o mês de março.

O vice também tem aproveitado as viagens de Bolsonaro ao exterior para se reunir com políticos, investidores e representantes do setor privado. No último dia 26, foi a estrela de um encontro que reuniu 600 empresários, além de diretores da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), que não esconderam críticas a Bolsonaro.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no jornal O Globo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

Foro de Teresina #46: Os 100 dias de governo, o marasmo na economia e a chuva (de tiros) no Rio

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Caso Hammarskjöld – persistência recompensada

Documentário tem chance de ajudar a esclarecer morte de secretário-geral da ONU

Foi atender o telefone e voltou demitido

Embaixador diz que Apex era “jardim de infância” com diretora despreparada e protegida pelo chanceler

Mourão, o avalista  

Atacado pelos radicais bolsonaristas, o vice-presidente se coloca como garantia contra solavancos do governo

Balança mas não vende

Bolsonaro prioriza relações com Israel, mas Brasil tem déficit com israelenses e superávit com Liga Árabe

Mais textos
2

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

3

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

4

Foi atender o telefone e voltou demitido

Embaixador diz que Apex era “jardim de infância” com diretora despreparada e protegida pelo chanceler

7

“A vida, a humilhação, a gozação nas ruas”

Uma história da República chega ao fim

8

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

9

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

10

Os manifestantes estão em pânico

O que querem os coletes amarelos?