depoimento

Voando no meio do fogo

Piloto no Pantanal há 46 anos diz que as queimadas deste ano foram as piores que já viu na região

Chico Boabaid
23out2020_18h50
Crédito: Intervenção de Paula Cardoso sobre imagens cedidas por Hugo Fernandes

Em setembro e outubro deste ano, o Pantanal ardeu em chamas em níveis que há muito tempo não se viam. A dimensão e a quantidade dos focos impressionaram até mesmo quem nasceu e se criou na região –  e está acostumado a ver o Pantanal de cima.  “Foram as piores queimadas que eu vi na minha vida”, disse Francisco José da Silva Boabaid, conhecido como Chico Boabaid, piloto há quatro décadas e meia e pecuarista na região. A bordo de seu monomotor Cessna 182, ele prestou apoio à ação de brigadistas e bombeiros militares em incêndios nos arredores de Corumbá. Testemunhou o trabalho intenso das equipes de combate às queimadas, ajudou no transporte de equipamentos e se comoveu ao ver os animais mortos pelo fogo. “Muito gado e muitos animais silvestres morreram, aquela fumaça a se perder de vista, o fogo se alastrando sem controle e os brigadistas fazendo de tudo para apagar”, disse. Chico conhece bem o Pantanal. Sua família se estabeleceu no entorno de Corumbá, Mato Grosso do Sul, há mais de cem anos. Ao longo das décadas, ele testemunhou as mudanças que, na avaliação do piloto pantaneiro, favoreceram as queimadas.

(Em depoimento a Felippe Aníbal)

*

Eu sou piloto há 46 anos, com mais de 20 mil horas de voo. Neste ano, vi muitos animais mortos, de toda espécie que você possa imaginar. Uma coisa terrível. Como piloto, sempre dou suporte a essa questão dos incêndios, mas este ano foi impressionante. A bordo do nosso Cessna 182 [um avião monomotor], levei muitos brigadistas aos pontos de combate, levei equipamento, motobomba. Muito gado e muitos animais silvestres morreram, aquela fumaça a perder de vista, o fogo se alastrando sem controle e os brigadistas fazendo de tudo para apagar. Tempo seco, calor de mais de 40°C e eles com aquelas roupas pesadas. Esses homens e mulheres são uns verdadeiros heróis.



Desde criança fui aficionado pela aviação, queria ser piloto. Com 16 anos, consegui me brevetar [tirar o brevê], mas meus pais precisaram fazer uma autorização para que eu começasse a pilotar. Com 17 anos, recebi a carteira de piloto e comecei a voar profissionalmente. Três anos depois, em 1978, me mudei para São Paulo. Trabalhava na aviação executiva, no interior.

Em 1984, meu pai faleceu e eu retornei a Corumbá. Abri uma empresa, a Aeropan Táxi Aéreo. Estava indo bem, mas, em 2004, a gente foi vítima de um assalto: um grupo de pilotos bolivianos e de traficantes brasileiros roubaram oito aviões no estado. Dois eram meus. Aí acabou minha empresa. A família tem, hoje, o Cessna 182, mas só pra uso próprio. É o avião que eu uso para dar suporte nas ações de combate às queimadas. Também tocamos fazenda há mais de cem anos.

Tudo começou com meu avô paterno, José Namen Boabaid, um libanês e cristão que veio para o Brasil em 1894, fugido da ocupação turca. Assim que ele desembarcou em Itajaí, Santa Catarina, mandou uma carta para a família e vieram todos: irmão, primos… Todos sem falar uma única palavra de português. Com dois anos de Brasil, ele conheceu minha avó, descendente de portugueses, alemães e franceses. Eles se casaram e, com minha avó grávida, meu avô montou em um burro e veio bater no Norte do Mato Grosso, para mexer com seringal. 

Dois anos depois, ele voltou a Itajaí para buscar a minha avó. Só então, conheceu o filho – meu tio mais velho – que tinha nascido em 1897. Meu avô se fixou em Corumbá e, como bom libanês, abriu um “boliche”, um armazém de secos e molhados. Logo se mudou para Poconé, a 100 km dali, e abriu outro armazém. Um dia chegou um freguês querendo trocar uma lancha a vapor pelo armazém. Meu avô trocou. Começou a “mascatear”, a fazer da lancha um tipo de vendinha, e ia de lugar em lugar comercializando coisas. O porto de Corumbá estava começando a explodir. Meu avô formou uma frota de lanchas e vendia produtos para a região toda: Cuiabá, Cáceres, Coxim…

Numa dessa viagens, meu avô conheceu o presidente de uma empresa inglesa que era uma das maiores proprietárias de terras no Pantanal. Era uma época em que não tinha energia elétrica, não tinha frigorífico. Eles criavam gado e aproveitavam só o couro, escoado por navios até Assunção, no Paraguai, e de lá para a Europa. As carcaças, jogavam no rio. O presidente dessa companhia propôs ao meu avô a compra de uma fazenda. Ele acabou comprando a Fazenda Boa Vista, ao lado do Porto Jofre, e os Boabaid somos fazendeiros desde então.

Sou um autêntico pantaneiro. Morei em fazenda até os 10 anos de idade. Tinha aulas em casa, com a minha mãe, que era professora. Só ia a Corumbá uma vez por mês, para fazer as provas. Depois, fiz o científico e entrei para a faculdade de agronomia, mas abandonei o curso porque meu pai adoeceu.

Para falar dessas queimadas, a gente tem que falar de 1974. Até 1974, o Pantanal era seco. Mas naquele ano veio uma chuvarada violenta, tão descontrolada, que começaram a se encher os rios, que estavam assoreados. Continuou chovendo nos anos seguintes, e as enchentes mataram o gado do Pantanal, que nunca tinha visto tanta chuva. Tinha fazendeiro que tinha 3 mil reses e que, no dia seguinte, já não tinha nenhuma. Nas fazendas da família, chegamos a ter 60 mil cabeças de gado. Nesses anos, perdemos mais de 30 mil. Foi uma catástrofe.

Depois disso, o Pantanal não secou mais. As enchentes alagaram definitivamente a parte que a gente conhece como “Baixo Pantanal”, dando à região a cara que a gente conhece hoje. Isso até o ano passado, quando começou a vir uma estiagem tão prolongada, tão violenta, que secou tudo. Os rios baixaram de um jeito que a gente não via havia décadas, revelando de novo o “Baixo Pantanal” e todas aquelas fazendas que estavam desativadas. Em volta de Corumbá, mesmo, tem várias fazendas assim, do “Baixo Pantanal”, desativadas.  Como não tinha gado para baixar esse mato, tinha muita matéria orgânica. Aí, num calor de 45°C, qualquer faísca faz virar um inferno. 

Isso culminou nesses incêndios desproporcionais, uma coisa muito sem propósito e avassaladora, matando muitos animais. Uma coisa muito, muito triste. Esse fogo é a maioria no “Baixo Pantanal”. E aí querem culpar o fazendeiro. Se você fosse fazendeiro, você ia pôr fogo [na vegetação], para o gado comer o quê? Cinza? Não tem lógica. Pode ser que um ou outro [fazendeiro] tenha colocado fogo. Eu, como pantaneiro, cidadão mato-grossense, eu fico muito triste com essas coisas que falam, que dizem.

Tem necessidade urgente de ter uma brigada permanente de incêndio aqui no Mato Grosso do Sul, mas uma coisa atuante, que tivesse recursos. Algo que funcionasse e que fosse imediato: pegou fogo, essa brigada já está a postos e já vai direto combater o incêndio. Devia ter uma prevenção por parte do governo estadual, principalmente. O governo federal cuida de 6% [do Pantanal sul-matogrossense] apenas, que é a parte do Ibama. O restante é o governo estadual, que é quem tem que monitorar.

As coisas mudaram bastante no Pantanal. Mas o que dói na gente mesmo é ver essas queimadas. As deste ano foram as piores que vi na vida. Nos anos anteriores também havia [incêndios florestais], mas nada perto do que vimos este ano. Uma coisa triste. Tudo em chamas, animais mortos. Foi terrível.

Agora a tendência é que diminuam [os focos], se não tiver mais estiagem. Tem que chover, né? Tem que chover. O povo do Pantanal está pedindo por água, que venha a chuva. Aí tudo vai melhorar, se Deus quiser.

Chico Boabaid

Pecuarista e piloto em Mato Grosso do Sul.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Parente é serpente, visse!

Disputa ferrenha no Recife expõe influência da viúva de Eduardo Campos na campanha do filho João; aliança pró-Marília Arraes reúne de Lula a figuras próximas do bolsonarismo

A morte de um cinema de rua

Empresário que administrou por dez anos o Cine Joia, em Copacabana, relata crise que levou o cinema a fechar as portas após oito meses de pandemia

Assassinato no supermercado

Inépcia e inoperância do governo federal desautorizam expectativas favoráveis em qualquer frente - inclusive no audiovisual

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

PT reelege, mas não renova

Se não fosse pelos prefeitos com mandato renovado, partido de Lula definharia ainda mais; siglas de direita como o Democratas avançam sobre adversários

Mais textos
3

Sarney decide encerrar a carreira

BRASILIA - Em entrevista ao Fantástico de ontem, o senador José Sarney anunciou que abandonará a política. "Eu queria continuar, mas não consigo. Penso na nomeação de uma prima de terceiro grau, mas não executo como quero. Tá na hora. Mas foi lindo pra caramba, " disse, emocionado, a Patrícia Poeta.

4

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

5

Lula e o eleitor do agreste

Trabalhadores rurais de Alagoas entendem que ele se envolveu com corrupção, mas não deve ser punido diante da “lama geral”

6

Ele e eu – Dziga Vertov em apuros

Biografia de cineasta russo lembra relação estreita entre arte e resistência

7

Um esporte individual

Já nos acréscimos, o São Paulo perdia por dois a um e Ganso bateu uma dessas faltas que viraram moda: levantada na área, a bola passou por todo mundo, o goleiro ficou com aquela cara de qualé, e pronto. Barbante e jogo empatado. Mas que nada: quando a bola ultrapassava a linha, o centroavante Aloísio, certamente para somar um golzinho a mais na artilharia, empurrou-a pra dentro com a mão.

8

Revoltada, Nana Gouvêa sensualiza de biquini preto

EGO - Super inn na tendência new revolt iniciada por Susana Vieira e seguida pela família de Carla Perez, Nana Gouvêa realizou um ensaio sensual vestindo apenas um biquininho preto. "Como sou uma modelo e manequim à frente do meu tempo, resolvi ir além: sensualizei com peças de roupa que expressam metaforicamente o tamanho da decência que restou ao STF", explicou Nana, professoral.

9

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

10

Documentos vazados revelam que governo brasileiro é um tédio

BRASÍLIA - O vazamento dos telegramas diplomáticos americanos pelo site WikiLeaks vem causando grande constrangimento ao governo brasileiro. Uma fonte ligada ao Itamaraty revelou que cada nova revelação aumenta o sentimento de desconforto do Palácio do Planalto em relação à condução da política externa brasileira.