o que publicamos

A semana no site da piauí

10jun2017_13h46
Da direita para a esquerda, os advogados de Michel Temer e Dilma Rousseff, Gustavo Guedes e Flavio Caetano, durante o julgamento da chapa no TSE. Foto: José Cruz/Agência Brasil
Da direita para a esquerda, os advogados de Michel Temer e Dilma Rousseff, Gustavo Guedes e Flavio Caetano, durante o julgamento da chapa no TSE. Foto: José Cruz/Agência Brasil

A repórter Julia Duailibi conta quem é Gustavo Guedes. Ex-defensor do PT, para quem trabalhou de graça, o advogado trabalhou nessa semana para tentar salvar o mandato do presidente Michel Temer no Tribunal Superior Eleitoral. Leia a reportagem aqui.

Ao longo da semana, a jornalista acompanhou o julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE. Em seu perfil no Twitter há comentários e a cobertura das sessões.

“Meu pai não vai ser preso”. A frase é de Lurian Cordeiro da Silva, filha do ex-presidente Lula. Sob a sombra de uma iminente condenação do pai, a primogênita assumiu cargo em diretório do PT fluminense para reforçar o único reduto eleitoral do partido no estado. Paula Scarpin, da piauí, foi atrás dessa história.

Um aplicativo desenvolvido por uma jornalista com o apoio da Anistia Internacional mostra que o número de trocas de tiros no Rio de Janeiro é três vezes maior do que o das estatísticas divulgadas pelo governo. Desde que foi lançado, onze meses atrás, o aplicativo Fogo Cruzado já somou 4 398 trocas de tiros. Foram treze tiroteios por dia, em média. A reportagem completa está aqui.

“Vivi na pele o que aprendi nos livros”. Abrimos para não-assinantes o texto de Fernando Haddad para a edição 129 da revista.



Leia também

Últimas Mais Lidas

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

A Copa industrializada

Revendo algumas imagens, graças ao santo youtube, é fácil notar que a Copa de 66, na Inglaterra, teve um jeitão todo inglês. A de 70, no México, foi mexicana até o último burrito. O raciocínio parece óbvio, mas ele melhora se pegarmos as copas disputadas neste século: todas foram iguais, sem qualquer sabor local. Por incrível que pareça, conseguiram fazer uma Copa na África idêntica a uma Copa na Alemanha. A Fifa acha isso bom. Eu acho péssimo.

6

Touchdowns no ABC

A batalha de São Bernardo Cougars contra Sorocaba Vipers

7

Princesa Kate: “Edison Lobão foi minha desgraça.” 

PALÁCIO DE BUCKINGHAM – Aos prantos, três horas após aceitar como seu legítimo esposo William Arthur Philip Louis, duque de Cambridge, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, Kate Middleton confessou ao pai: “Amo Edison Lobão.” A notícia, não confirmada pela Casa de Windsor, causou perplexidade no Reino Unido e já é considerada a pior crise da monarquia desde a renúncia de Eduardo VIII, em 1936.

8

Furo: a exemplo de falso fotógrafo exposto pela BBC, famoso blogueiro também copiava textos

A história era de grudar os olhos na tela: um blogueiro brasileiro se lançara às principais zonas de guerra do Brasil, entre elas Brasília, São Bernardo do Campo, Guarujá e Atibaia, para registrar o sofrimento humano

10

Chico Buarque é visto vendendo miçanga na praia para sobreviver

LEBLON - O fim do Ministério da Cultura fez com que artistas consagrados finalmente começassem a trabalhar.