o que publicamos

A semana no site da piauí

Os cinco milhões de filiados políticos fantasmas, o bate-boca entre MBL e bolsonaristas, o fechamento de uma churrascaria tradicional de Porto Alegre para o julgamento de Lula e outras histórias

19jan2018_19h31
Fernando Holiday, um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre, protagonizou troca de farpas entre MBL e bolsonaristas no início da semana
Fernando Holiday, um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre, protagonizou troca de farpas entre MBL e bolsonaristas no início da semana FOTO: KARIME XAVIER_FOLHAPRESS

Cruzamento de dados oficiais com pesquisa do Ibope indica que há 5 milhões de filiados fantasmas a partidos políticos no Brasil. “Vítima fatal de acidente aéreo enquanto disputava a última corrida presidencial, Eduardo Campos consta até hoje como associado ao PSB em dados publicados pelo Tribunal Superior Eleitoral. Não é o único finado cacique partidário nessa situação”, escreve o jornalista José Roberto de Toledo.

Levantamento da piauí mostra que 41% dos eleitores obrigados a fazer o recadastramento biométrico ainda não compareceram à Justiça Eleitoral. Se a eleição fosse hoje, 5 milhões não votariam, mostra reportagem de Eduardo Militão. O problema é maior em reduto eleitoral de Lula, onde o prazo termina em 31 de janeiro.

Julgamento de Lula deixará gaúchos sem churrasco na próxima semana. O esquema de segurança para protestos no dia 24 fechará por 48 horas tradicional churrascaria de Porto Alegre, ponto de encontro de políticos. “Essa já é uma época difícil, o pessoal de Porto Alegre se muda para a praia. Qualquer receita perdida faz falta em dobro”, disse o dono do restaurante ao repórter Rafael Moro Martins.

Seguidores do Movimento Brasil Livre (MBL) e do deputado federal e pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro protagonizaram um extenso bate-boca nas redes sociais no início desta semana. A repórter Bruna de Lara relata a troca de ofensas, que explicita a dificuldade do antilulismo em abraçar um mesmo candidato em ano eleitoral.

A linguista e professora da PUC-RJ Branca Vianna escreve sobre o movimento feminista #MeToo. Em Catherine Millet e a síndrome da “cool girl”, Vianna afirma: “O recado das garotas cool aos homens é: ‘Fiquem tranquilos, nós concordamos com vocês, assédio não é violência, é paquera, sedução. Continuem agindo como se fosse 1967 que vai dar tudo certo.’”

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

3

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

7

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

9

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”