o que publicamos

A semana no site da piauí

Os cinco milhões de filiados políticos fantasmas, o bate-boca entre MBL e bolsonaristas, o fechamento de uma churrascaria tradicional de Porto Alegre para o julgamento de Lula e outras histórias

19jan2018_19h31
Fernando Holiday, um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre, protagonizou troca de farpas entre MBL e bolsonaristas no início da semana
Fernando Holiday, um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre, protagonizou troca de farpas entre MBL e bolsonaristas no início da semana FOTO: KARIME XAVIER_FOLHAPRESS

Cruzamento de dados oficiais com pesquisa do Ibope indica que há 5 milhões de filiados fantasmas a partidos políticos no Brasil. “Vítima fatal de acidente aéreo enquanto disputava a última corrida presidencial, Eduardo Campos consta até hoje como associado ao PSB em dados publicados pelo Tribunal Superior Eleitoral. Não é o único finado cacique partidário nessa situação”, escreve o jornalista José Roberto de Toledo.

Levantamento da piauí mostra que 41% dos eleitores obrigados a fazer o recadastramento biométrico ainda não compareceram à Justiça Eleitoral. Se a eleição fosse hoje, 5 milhões não votariam, mostra reportagem de Eduardo Militão. O problema é maior em reduto eleitoral de Lula, onde o prazo termina em 31 de janeiro.

Julgamento de Lula deixará gaúchos sem churrasco na próxima semana. O esquema de segurança para protestos no dia 24 fechará por 48 horas tradicional churrascaria de Porto Alegre, ponto de encontro de políticos. “Essa já é uma época difícil, o pessoal de Porto Alegre se muda para a praia. Qualquer receita perdida faz falta em dobro”, disse o dono do restaurante ao repórter Rafael Moro Martins.

Seguidores do Movimento Brasil Livre (MBL) e do deputado federal e pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro protagonizaram um extenso bate-boca nas redes sociais no início desta semana. A repórter Bruna de Lara relata a troca de ofensas, que explicita a dificuldade do antilulismo em abraçar um mesmo candidato em ano eleitoral.

A linguista e professora da PUC-RJ Branca Vianna escreve sobre o movimento feminista #MeToo. Em Catherine Millet e a síndrome da “cool girl”, Vianna afirma: “O recado das garotas cool aos homens é: ‘Fiquem tranquilos, nós concordamos com vocês, assédio não é violência, é paquera, sedução. Continuem agindo como se fosse 1967 que vai dar tudo certo.’”

Leia também

Últimas Mais Lidas

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

5

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

6

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

7

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

9

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

10

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo