questões cinematográficas

Cinemateca Brasileira em chamas

Filmes e documentos foram relegados a abandono criminoso; incêndio de hoje se tornou tragédia anunciada

Eduardo Escorel
29jul2021_21h32
Fogo no galpão da Cinemateca: crise da instituição se agravou no governo Bolsonaro –
Fogo no galpão da Cinemateca: crise da instituição se agravou no governo Bolsonaro – REPRODUÇÃO: TV GLOBO

Recebi a primeira foto das labaredas às 18h30 de hoje com a mensagem “Cinemateca, será verdade???”. Infelizmente, era. E seguiram-se outras fotos e mensagens, confirmando que a sede da Vila Leopoldina estava em chamas, ao que parece desde 18h.

Trata-se da crônica de uma tragédia anunciada – difícil evitar o clichê. Mas é verdade. Não faltaram advertências de que o valioso patrimônio audiovisual preservado na Cinemateca Brasileira, na sede principal da Vila Mariana e na da Vila Leopoldina, estava correndo sério risco a partir do momento em que funcionários especializados foram dispensados e as portas da instituição fechadas, o que ocorreu no ano passado.  

Embora a crise remonte a 2013, quando a então ministra da Cultura, Marta Suplicy, do governo Dilma Rousseff, exonerou o diretor da Cinemateca, Carlos Magalhães, foi a partir de 2019, com a posse do atual governo, que a situação se agravou. O abandono a que filmes e documentos foram relegados foi criminoso e uma destruição como a que vem de ocorrer era previsível.

Promessas de providências vêm sendo feitas há meses pelo governo federal, mas os prazos anunciados para isso não têm sido cumpridos. Nesta quarta, o  ministro do Turismo, Gilson Machado, e o secretário da Cultura, Mario Frias, posaram sorridentes diante da Fontana di Trevi, em Roma; um dia depois, as chamas consumiam milhares de registros culturais preciosos.

Mensagens não param de chegar pelo WhatsApp: “Horror.”; “Que tristeza!!! Que horror está esse país!!!”; “Mais um crime.”; “Terrível terrível terrível”; “Aconteceu!!!”; “A última vez que vi o FOGO destruindo bens de CULTURA, foram os LIVROS queimando no Chile de Pinochet. O FOGO destruindo bens de CULTURA tem a mão dos nazistas!!!” “Nossa, nunca imaginei que chegaríamos nesse ponto que estamos. Triste! Continuamos na luta por dias melhores” etc.

Na coluna desta semana neste site, publicada ontem, falamos das feridas abertas do Brasil. O incêndio de hoje é mais uma e, como nas outras, há responsáveis a serem punidos.

Se há algo inadmissível é ainda nos surpreendermos com os desastres que se sucedem. Dezenas de colegas fizeram uma ampla mobilização em defesa da Cinemateca, fizeram-se ouvir, empenharam-se para demonstrar a importância do que estava em jogo e acabaram derrotados pela inépcia do governo federal. É realmente muito triste.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas

Reforma administrativa ameaça democracia

Fim da estabilidade dos servidores, uma das propostas da mudança, fragiliza o Estado e coloca em risco as políticas públicas

Matemática que multiplica horas e projetos

Universitário do interior de Alagoas conta como realizou o sonho de conquistar medalhas em olimpíadas científicas e hoje incentiva outros jovens a participar dos concursos

O fim do dinheiro no país dos pixelados

Com o Pix a pleno vapor, cai a circulação de papel-moeda e bancos fecham cada vez mais agências; economia digital, no entanto, ainda exclui parte dos brasileiros

No rastro da Covaxin

Assim como a PF, a piauí vem investigando a Precisa Medicamentos e o escândalo da vacina indiana. Para entender melhor o caso, confira o roteiro do que já publicamos

Foro de Teresina #168: Bolsonaro janta os salvadores da pátria

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos