anais das redes

Das falas de Mourão, 13º foi maior tiro no pé

Declaração de vice de Bolsonaro contra direito trabalhista foi a que provocou mais críticas no Twitter, com rejeição até de apoiadores, mostra estudo da FGV

Marcella Ramos
28set2018_23h11
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Candidato a vice de Jair Bolsonaro, o general da reserva Hamilton Mourão vem acumulando repercussão negativa desde que o presidenciável foi para o hospital e deixou de fazer campanha na rua. Mas nada se compara às críticas que Mourão recebeu ao falar do décimo terceiro salário, na última quinta-feira. Entre 11 e 20 de setembro, período em que defendeu uma nova Constituição escrita por “notáveis” e que famílias sem homens são “fábricas de desajustados”, Mourão foi protagonista de 339 mil tuítes, ao longo de dez dias. Já ao criticar o décimo terceiro e chamá-lo de “jabuticaba brasileira”, em um único dia, foram 187 mil citações na rede social. Nesse dia, pelo menos um em cada cinco tuítes sobre Bolsonaro mencionava seu vice, a maior parte deles de forma negativa. Somados, são mais de meio milhão de tuítes sobre as frases polêmicas de Mourão – 36% delas sobre o décimo terceiro.

O levantamento é da Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas. Segundo a análise, até apoiadores de Bolsonaro criticaram as declarações de Mourão, pedindo que o presidenciável impedisse mais falas de seu vice durante a campanha. O pedido de seus apoiadores não é infundado. Depois que Bolsonaro sofreu o atentado em Juiz de Fora, em 6 de setembro, Mourão passou a representá-lo em eventos de campanha. Desde então, o general da reserva falou em uma intervenção militar em caso de “anarquia”, cogitou a possibilidade de um “autogolpe”, além de defender a Constituição sem passar por uma Constituinte. “A Constituição não precisa ser feita por eleitos”, disse.

Em entrevista à piauí em 26 de setembro, um dia antes de criticar o décimo terceiro, Mourão negou se arrepender de suas declarações e se queixou de ter suas opiniões sufocadas pelo “politicamente correto” de uma corrida eleitoral. Ele negou que fosse um fardo para a campanha, mas contou que Bolsonaro havia conversado com ele duas vezes sobre o assunto, pedindo que tivesse “cuidado” com temas controversos.

 

Até as 23 horas da quinta-feira, as menções à fala de Mourão sobre os direitos trabalhistas tiveram volume médio de 14 mil tuítes por hora. No espectro econômico da campanha de Bolsonaro, a repercussão negativa da fala de Mourão só se compara em alcance aos momentos em que o presidenciável “terceirizou” assuntos de economia para Paulo Guedes e em que o economista falou sobre a “recriação da CPMF”. Com as reações negativas à declaração sobre o imposto, Guedes foi advertido por Bolsonaro e cancelou eventos públicos.

Nas redes sociais, o candidato do PSL não demorou a tentar cessar o estrago da fala sobre o décimo terceiro. Em sua conta no Twitter, poucas horas depois das declarações de seu vice, Bolsonaro publicou que o critira o décimo terceiro salário, “além de uma ofensa a quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição”. Nesta sexta-feira, a repórter Andréia Sadi escreveu que, segundo Mourão, Bolsonaro ligou para ele antes de tuitar a resposta e que a relação deles é de “lealdade absoluta”.

A DAPP-FGV observa também que alguns perfis endossaram a opinião de Mourão, com críticas ao que chamaram de “manipulação da imprensa” e mesmo a Bolsonaro, por entenderem que a leitura do general acompanha princípios associados à redução do Estado e ao estímulo à classe empresarial.

Mourão também criticou o adicional de férias e a repercussão disso provocou 33,8 mil postagens. Entre perfis críticos a Bolsonaro no Twitter, segundo o relatório da DAPP-FGV, um tema de debate foi a posição do general como “principal adversário” de Bolsonaro na campanha, junto a Guedes​. Perfis de humor, de atores políticos e de celebridades afirmaram, com ironia, que Mourão rotineiramente consegue fazer “estragos” contra Bolsonaro que nenhum adversário político se aproxima de obter ao atacá-lo.

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Marcella Ramos é jornalista baseada no Rio de Janeiro.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

Foro de Teresina #30: A briga pelo Senado, os generais de Bolsonaro e a política do futebol

Podcast da piauí analisa os fatos da semana na política nacional

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

7

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

8

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

10

O vice a cavalo

Hamilton Mourão e o lugar dos militares no governo Bolsonaro