_181

Outubro 2021

patriotismos & patriotadas I

Teatro dos vampiros

Neste espetáculo, já não sabemos quem devora quem

Fernando de Barros e Silva

patriotismos & patriotadas II

A crise inaugural

Na raiz da Independência do Brasil, déficit, inflação e insatisfação generalizada

Rafael Cariello e Thales Zamberlan Pereira

arquivos científicos

A diáspora

Por que os cientistas estão indo embora do Brasil

Herton Escobar

questões criminais

A escolhida

Uma crônica sobre o escândalo da vacina que Bolsonaro não rejeitou

Ana Clara Costa

diário

Sobreviver não é o suficiente

A história e a rotina de uma jovem que ficou cega

Maria Stockler Carvalhosa

questões indígenas

Kõnãg kox me mõg: seguir o caminho do rio

A saga de um povo em busca de água e terra

Isael Maxakali e Sueli Maxakali

chegada

Dona do próprio nariz

A piauí mudou – e continua igualzinha

João Moreira Salles

questões republicanas

Pequenos fascismos, grandes negócios

O bolsonarismo como empreendedorismo – e o que isso diz sobre a natureza da direita e do capitalismo hoje

Rodrigo Nunes

colunismo social

Efeito fumacê

A festa de um poderoso bicheiro no templo da elegância carioca

Plínio Fraga

anais da literatura

Os Sertões de Dilermando de Assis

As anotações do homem que matou Euclides da Cunha, feitas num exemplar da obra-prima de sua vítima

Cristiane Costa

questões arquitetônicas

A pedra fundamental e a ruína

Um marco do modernismo mundial entra nos planos de demolição da cultura do governo Bolsonaro

Fernando Serapião

correspondência

“Nunca deixe de se divertir, cara!”

Uma carta para o nadador Gabriel Araújo, que ganhou três medalhas em sua primeira paralimpíada, a de Tóquio

Daniel Dias

quadrinhos

Guia de boas maneiras do gabinete do ódio

Aprenda a odiar com classe

Caco Galhardo e Renato Terra

esquina

Depois da motosserra, o jardim

O ex-ministro Ricardo Salles cultiva moreias e amendoinzeiros em sua nova casa em São Paulo

João Batista Jr.

Fogareiro explosivo

Preço do gás leva famílias a usar álcool para cozinhar

Tiago Coelho

Um influencer indígena

A luta de Tukumã Pataxó para demarcar terras e telas

Camille Lichotti

Fora, pindaíba

O diretor Gerald Thomas escapa da ameaça de despejo

João Batista Jr.

Iguaria carioca

Vereadores decretam que o bolinho de feijoada é patrimônio do Rio

Emily Almeida

Arame da discórdia

Protesto de comunidade ofusca reabertura do MAM da Bahia

Fernanda Santana

Torcida em decibéis

O DJ que animou os jogos do Atlético-MG durante a quarentena

Nina Rocha

portfólio

O amálgama

Um ensaio fotográfico na Chapada do Araripe

Augusto Pessoa

questões bíblicas

As palavras e a felicidade

O que aprendi ao fazer uma tradução dos Evangelhos para o português

Marcelo Musa Cavallari

questões literárias

A forma fácil

Ana Martins Marques consolida sua épica do cotidiano

Antonio Marcos Pereira

carta do caribe

A grande camuflagem

É a África que está presente ali, nas Antilhas, e espera, agitada, devoradora de brancos

Suzanne Césaire

conto

As três Marias

De repente, percebi que estava colocando futuro em quase tudo que planejava ou pensava

Ana Maria Gonçalves

despedida

O silêncio dos muros

Um artivista escapa do Afeganistão e do Talibã

Omaid Sharifi

colaboradores

Caio Borges [Capa] é artista gráfico. Ilustrou o livro De A a Z, Eróticas, de Sheila Hafez, pelo selo Laranja Original (Neotropica).

 

João Moreira Salles [Dona do próprio nariz, p. 7], documentarista, é fundador da piauí. Dirigiu Santiago, Entreatos, Notícias de uma Guerra Particular e Nelson Freire. Ilustração de Vito Quintans.

 

Fernando de Barros e Silva [Teatro dos vampiros, p. 16] é repórter da piauí e apresentador do podcast Foro de Teresina.

 

Rafael Cariello [A crise inaugural, p. 18] é editor da piauí. Thales Zamberlan Pereira, coautor, é doutor em economia pela FEA/USP e professor da Escola de Economia de São Paulo (FGV/EESP).

 

Herton Escobar [A diáspora, p. 28], jornalista especializado em ciência e meio ambiente, é repórter do Jornal da USP.

 

Ana Clara Costa [A escolhida, p. 34], repórter da piauí, foi editora de política na Veja, editora do Globo em Brasília e editora-chefe na Época.

 

Rodrigo Nunes [Pequenos fascismos, grandes negócios, p. 40], professor de filosofia moderna e contemporânea na PUC-Rio, é autor de Neither Vertical Nor Horizontal: A Theory of Political Organisation (Verso). Ilustração de Rodrigo Yokota.

 

Caco Galhardo [Guia de boas maneiras do Gabinete do Ódio, p. 46], cartunista e roteirista, publicou Cinco Mil Anos: E (Quase) Todas as Tiras (Companhia das Letras). Renato Terra é colunista da Folha de S.Paulo e diretor de Narciso em FériasUma Noite em 67. Publicou Diário da Dilma (Companhia das Letras), ilustrado por Caco Galhardo.

 

Fernando Serapião [A pedra fundamental e a ruína, p. 50], crítico de arquitetura, curador e editor, finaliza a biografia de Oscar Niemeyer, a ser publicada em 2022 pela Companhia das Letras.

 

Plínio Fraga [Efeito fumacê, p. 56], jornalista, é autor de Tancredo Neves: O Príncipe Civil (Objetiva). Ilustração de Beto Nejme.

 

Maria Stockler Carvalhosa [Sobreviver não é o suficiente, p. 60] é estudante do quarto período da Faculdade de Letras da PUC-Rio.

 

Isael Maxakali e Sueli Maxakali [Kõnãg kox me mõg: seguir o caminho do rio, p. 66] são professores, artistas e cineastas indígenas do povo Tikmũ’ũn, da região de Ladainha (MG). Apresentação de Roberto Romero, doutor em antropologia social pelo Museu Nacional (UFRJ) e codiretor do filme Nũhũ Yãg Mũ Yõg Hãm: Essa Terra É Nossa!

 

Daniel Dias [“Nunca deixe de se divertir, cara!”, p. 71] é nadador paralímpico brasileiro e recordista mundial.

 

Augusto Pessoa [O amálgama, p. 72], jornalista e fotógrafo, desenvolve um trabalho de documentação sobre a cultura popular nordestina.

 

Marcelo Musa Cavallari [As palavras e a felicidade, p. 78], tradutor e jornalista, publicou Os Evangelhos (Ateliê Editorial/Mnema).

 

Cristiane Costa [Os Sertões de Dilermando de Assis, p. 84] é professora de jornalismo na ECO/UFRJ. Publicou Pena de Aluguel: Escritores Jornalistas no Brasil (Companhia das Letras).

 

Antonio Marcos Pereira [A forma fácil, p. 90] é professor de literatura na UFBA. Fotografia de Mauro Figa.

 

Suzanne Césaire (1915-66) [A grande camuflagem, p. 94] foi escritora e ativista caribenha. Texto do livro A Grande Camuflagem: Escritos de Dissidência (1941-1945), a ser publicado neste mês pela Papéis Selvagens. Tradução de Júlio Castañon Guimarães.

 

Ana Maria Gonçalves [As três Marias, p. 98], escritora, dramaturga e roteirista, publicou Um Defeito de Cor (Record). Ilustração de Maria Rosa.

 

Eucanaã Ferraz [Poesia, p. 100], poeta e ensaísta, publicou Sentimental e Retratos com Erro, ambos pela Companhia das Letras. Ilustração de Mônica Maria.

 

Omaid Sharifi [O silêncio dos muros, p. 104] é artivista e presidente da ArtLords. Tradução de Isa Mara Lando.

 

Cartuns publicados nesta edição: Adão Iturrusgarai, Allan Sieber, André Dahmer, Andrício de Souza, Cynthia Bonacossa, Fabiane Langona, Gabriel Mello Franco, Leandro Assis, Nani Lucas, Reinaldo Figueiredo, Samuca Andrade.

 

Ilustrações de Esquina por Andrés Sandoval.